Breves

  • Sofrimento Desnecessário

    Terceiro de três jogos em casa depois dos empates frente a Candelária (4-4) e Sarzana (2-2) e margem de erro muito reduzida para o HCT, assim como para o seu adversário, o C.D. Paço de Arcos. O jogo foi quezilento, mas sempre ritmado, com muita incerteza no marcador quase até ao fim. O HCT ganhou vantagem de dois golos, mas antes do intervalo deixou-se empatar. O segundo tempo teve muita polémica, bolas paradas e golos, com os da casa a sofrerem de forma desnecessária para conseguirem triunfar por 6-5, e com o golo da vitória a chegar já no último minuto. O “renascido” Daniel Matias, com um golo, uma assistência e a totalidade dos minutos jogados, foi a grande revelação do encontro, rubricando uma exibição a fazer lembrar os bons velhos tempos.

    Primeiro tempo com as duas equipas a mostrarem ao que vinham, muita agressividade e muitas faltas de equipa para o lado forasteiro. Aos seis minutos, falta na área de Ricardo Pereira sobre Xanoca, e Luís Silva a inaugurar o marcador na transformação da respetiva penalidade. Cinco minutos depois já o Paço de Arcos tinha atingido as dez faltas de equipa e descontente com o “apito fácil” em seu prejuízo da dupla de arbitragem, o capitão Rui Pereira protestou e viu a cartolina azul. Na marcação do livre direto subsequente Luís Silva não conseguiu bater Diogo Alves, mas em Power-Play a equipa da casa mostrou dinâmica e Daniel Matias (que grande jogo!), assistido por Xanoca, colocou a bola no “buraco da agulha” para fazer o 2-0. Os visitantes reagiram a contento e um minuto depois o brasileiro Diego Dias reduziu para 2-1, desviando no ar uma excelente assistência de Tiago Losna. No entanto, o camisola seis dos azuis e brancos “borrou a pintura” no minuto seguinte, fazendo falta dura sobre o capitão turquelense Vasco Luís, que lhe valeu uma cartolina azul. Na transformação do devido livre direto Xanoca também não conseguiu levar a melhor sobre Diogo Alves e novamente em Power-Play a equipa orientada por João Simões, desta feita, não conseguiu aumentar distâncias. No dealbar do primeiro tempo, num lance que teve tanto de caricato como de infantil, Rui Pereira aliviou uma bola para o meio da confusão desde trás da baliza de Tuga e Ricardo Pereira, sobre o apito final do cronómetro, restabeleceu a igualdade (2-2), desta vez a duas bolas, com um remate de primeira rasteiro, que passou por entre as pernas do guardião alvinegro. Um momento difícil de “digerir” e que deixou os jogadores da casa muito mal na fotografia.       

    A segunda parte começou com os visitantes a terem uma soberana oportunidade para se chegarem à frente no marcador logo aos quatro minutos, mas o capitão Rui Pereira não conseguiu bater Tuga na transformação do livre direto da 10ª falta de equipa do HCT. Não marcou o Paço de Arcos, mas marcou o Turquel que no minuto seguinte teve uma grande penalidade a seu favor, devido a um agarrão ostensivo de Losna a Daniel Matias dentro da área e com Vasco Luís conseguiu ludibriar Diogo Alves, fazendo o 4-2 com remate colocado. A vantagem foi de curta duração, já que no mesmo minuto os papéis inverteram-se e foi a vez de Daniel Matias derrubar claramente Tiago Losna na área contrária. Na transformação do penalty o capitão forasteiro, Rui Pereira, atirou para cima e muito bem colocado, devolvendo a igualdade (3-3) ao marcador. O mesmo jogador que dois minutos depois viu a cartolina azul por derrubar Xanoca quando este seguia isolado para a baliza do Paço de Arcos. Chamado à conversão do livre direto, saltando do banco, Janeka bateu o jovem Guilherme Pereira com finalização de classe, este último que tinha entrado para o lugar de Diogo Alves, que teve de sair por ter ido ao banco sem autorização da dupla de arbitragem.  Dois minutos depois Janeka voltou a brilhar. Agora já com Diogo Alves na baliza e na transformação do livre direto da 15ª falta de equipa do Paço de Arcos, o camisola cinquenta e sete turquelense colocou a bola sem apelo nem agravo sobre o guardião visitante, “bisando” e fazendo o momentâneo 5-3. Com cerca de quinze minutos para jogar era preciso gerir os acontecimentos de forma perspicaz, mas sem correr riscos, algo que a equipa turquelense não conseguiu fazer, sofrendo o 5-4 numa transição rápida conduzida e finalizada por Tiago Losna. Três minutos depois a diferença de dois golos poderia ter sido reposta, mas Janeka não conseguiu fazer o seu “hat trick” ao permitir excelente intervenção a Diogo Alves em nova grande penalidade, por derrube a Xanoca. No minuto seguinte foi a vez de Diego Dias cair na área contrária e Tiago Losna “bisar” na transformação de mais uma grande penalidade, fixando o marcador em 5-5, quando ainda faltavam dez minutos para o fim. O jogo passou então a desenrolar-se com menor intensidade, com ambos os conjuntos a não quererem cometer erros, e foi já na entrada do último minuto que numa transição rápida, Daniel Matias assistiu primorosamente Xanoca ao segundo poste, com este último a encostar e a fazer o 6-5 final. Foi o delírio em rinque e fora dele, com o público a manifestar-se em uníssono e com os jogadores a partilharem a cumplicidade de um clube que estava ávido por uma vitória, e que já merecia ser feliz.

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 11 de fevereiro de 2017, às 21H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (14ª jornada)

    Árbitros: Paulo Rainha (Minho), Júlio Teixeira (Minho) e Orlando Ramos (3º árbitro) (Leiria)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta (1), [9] Vasco Luís (C) (1), [79] Alexandre Marques “Xanoca” (2), [22] Luís Silva, [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus. Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [4] Daniel Matias.

    Treinador: João Simões

    C.D. Paço de Arcos: [10] Diogo Fernandes (GR), [2] Tiago Gouveia, [7] Miguel Dantas, [4] Rui Pereira (C) (1), [33] Ricardo Pereira “Peca Peca” (1), [1] Guilherme “Gui” Pereira (GR), [6] Diego Dias (1), [12] Tiago Losna (2) e [8] Diogo Silva. Não jogou: [5] Nelson Ribeiro.

    Treinador: Jorge Godinho

    Faltas de Equipa: 14-16

    Disciplina: Cartão Azul a [4] Rui Pereira (C) (CDPA) [2X], [12] Tiago Losna (CDPA) [2X] e [6] Diego Dias (CDPA).

    Resultado ao intervalo: 2-2

    Resultado Final: 6-5

    No próximo sábado, 18 de fevereiro de 2017 pelas 18h, o HCT desloca-se ao “inferno” de São João da Madeira para defrontar o último classificado, a A.D. Sanjoanense, num jogo que será decisivo para as aspirações dos visitados, que desejam manter acesa a chama da permanência na 1ª Divisão. Na primeira volta em Turquel a vitória sorriu aos “brutos dos queixos”, num apertado 5-4, que patenteou algum equilíbrio entre os dois conjuntos. Espera-se que desta vez a vitória volte a sorrir aos turquelenses, num encontro que será de grau de dificuldade muito elevado.

    Carnaval em Turquel está a chegar

    Nos próximos dias 26 (Domingo) e 28 (Terça-Feira) de fevereiro de 2017, vai ter lugar o tradicional Corso de Carnaval em Turquel, com a organização mais uma vez a ficar a cargo da estrutura do Hóquei Clube de Turquel. O povo mobiliza-se em massa para ver os foliões desfilarem nas ruas turquelenses e o espetáculo é garantido.

    O Carnaval está aí à porta, este ano de 2017 com a novidade de que os tradicionais bailes no pavilhão do clube não se realizarão, apenas o Corso irá avançar, sendo que este terá a animação do DJ Rui ALX AKA Brasileiro.           

    Os responsáveis do clube convidam todas as pessoas a participarem no nosso Corso Carnavalesco, pois a presença do povo é indispensável e a folia só faz sentido ser for junta e partilhada.

  • Tudo em aberto para a segunda mão em Itália

    Após duplo confronto com equipas alemãs na Pré-Eliminatória e nos Oitavos-de-Final da Taça CERS, a equipa comandada por João Simões recebeu na primeira mão dos quartos-de-final o CARISPEZIA Hockey Sarzana, nono classificado da Série A 1 italiana. Os turquelenses entraram no encontro a quererem ganhar rapidamente uma vantagem que lhes permitisse gerir o jogo de forma menos ansiosa, mas nunca conseguiram disparar no marcador, muito por fruto da boa organização mostrada pela equipa do Sarzana, que conseguiu impor sempre um ritmo intenso no jogo. Ainda assim e ao intervalo Vasco Luís dava vantagem ao HCT, sendo que na segunda metade as coisas foram muito mais repartidas. O Sarzana empatou, mas Xanoca respondeu de imediato, ainda que alguns minutos depois os transalpinos tenham refeito a igualdade, desta feita a duas bolas, com o encontro a arrastar-se até ao fim e com o Turquel a não conseguir melhor do que um empate na saída para a 2ª Mão em Sarzana. O guardião Marco Barros “Tuga” foi dos elementos em maior evidência nos visitados, assim como Xanoca que com um golo e uma assistência acabou por capitalizar o bom momento individual que atravessa.

    Primeira parte com os de Turquel a quererem entrar a todo o gás, mas foi o Sarzana, logo no início a terem duas excelentes oportunidades para inaugurarem o marcador, mas “Kiko” Rossi, por duas vezes, não conseguiu ultrapassar Tuga na baliza alvinegra. Os turquelenses refizeram-se dos dois sustos iniciais e começaram a criar perigo junto da baliza de Simone Corona, com o capitão Vasco Luís a inaugurar o marcador com um remate à meia-volta no interior da área, após boa assistência de Xanoca. O HCT mostrou então uma das suas melhores facetas, conseguiu defender a contento e criou muito perigo em transições, mas a bola não entrou e no último minuto do primeiro tempo Daniel Matias rasteirou claramente Sergio Festa (excelente jogo) dentro da área. A dupla de arbitragem espanhola (grande prestação) não teve dúvidas e mostrou a cartolina azul ao camisola quatro turquelense. Na transformação da devida penalidade Davide Borsi atirou para excelente defesa de Tuga e na recarga stickou por cima. Ao intervalo 1-0.

    Na segunda metade os ânimos aqueceram e o Sarzana melhorou, apesar de não ter conseguido marcar logo nos primeiros minutos, enquanto esteve em superioridade numérica. Repostos os cinco jogadores os da casa voltaram a assumir as rédeas do jogo, mas foram traídos pelo balanceamento ofensivo, sofrendo o 1-1 numa transição rápida conduzida por Sergio Festa, ele que assistiu Francesco De Rinaldis para este encostar de primeira, sem hipóteses de defesa para Tuga. Tal como em jogos recentes o HCt tem reagido mal à adversidade, mas desta vez isso não se verificou, já que dois minutos depois Xanoca voltou a colocar os “brutos dos queixos” em vantagem, ao desferir uma meia-distância poderosa após assistência de Pedro Vaz, conseguindo fazer o 2-1, num lance em que o guardião sarzanense, Simone Corona, parece ter sido mal batido. Neste momento do jogo as equipas estavam “tapadas” com nove faltas de equipa e foi já aos dezasseis minutos que caiu a 10ª falta de equipa dos italianos. Chamado à conversão do respetivo livre direto o capitão Vasco Luís permitiu dupla intervenção a Simone Corona e não conseguiu fazer o 3-1, que seria um resultado importante de conseguir nesta fase do jogo. Como “quem não mata…morre”, o Sarzana dispôs do livre direto da 10ª falta de equipa do Turquel e mostrou classe perante Tuga, fazendo o 2-2. Até ao fim os dois conjuntos digladiaram-se, mas nunca impuseram supremacia de um lado ou de outro e o único facto de registo antes do apito final, foi a dupla cartolina azul mostrada a Xanoca e a Davide Borsi por desentendimento um com o outro, num momento de algum preciosismo por parte de Iñigo Lopez, um dos árbitros da partida. No final uma igualdade a duas bolas que deixa tudo em aberto para o jogo da 2ª Mão em Sarzana.    

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 4 de fevereiro de 2017, às 21H locais (22H em Itália)

    Competição: Quartos-de-final da Taça CERS (1ª Mão)

    Árbitros: Francisco Garcia (Espanha), Iñigo Lopez (Espanha) e David Barros (3º árbitro) (Portugal)

    H.C. Turquel [POR]: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta, [22] Luís Silva, [9] Vasco Luís (C) (1), [79] Alexandre Marques “Xanoca” (1), [53] Pedro Vaz, [4] Daniel Matias e [57] João Silva “Janeka”. Não jogou: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    CARISPEZIA Hockey Sarzana [ITA]: [10] Simone Corona (GR), [88] Francesco De Rinaldis (1), [11] Davide Borsi, [9] Sergio Festa (1), [57] Francesco “Kiko” Rossi, [5] Francesco Dolce e [17] Edoardo Di Donato. Não jogaram: [46] Alessio Perroni (GR), [7] Luca Sterpini (C) e [18] Matteo Pistelli. 

    Treinador/Jogador: Francesco Dolce

    Faltas de Equipa: 13-13

    Disciplina: Cartão azul a [4] Daniel Matias (HCT), [79] Alexandre Marques “Xanoca” (HCT) e [11] Davide Borsi (CHS).

    Resultado ao intervalo: 1-0

    Resultado Final: 2-2

    A 2ª Mão realiza-se na cidade de Sarzana, na província de Spezia em Itália, no dia 11 de março de 2017 às 20h locais (menos uma hora em Portugal Continental). O HCT encontrará um rinque de dimensões muito reduzidas, mas onde tudo é possível, numa eliminatória que se mantém exatamente como começou, ou seja, empatada. Antes da viagem a Itália o HCT disputa mais quatro jogos, com o primeiro deles a ser o terceiro de três jogos seguidos em casa, já no próximo sábado dia 11 de fevereiro de 2017 pelas 21 horas, na receção ao C.D. Paço de Arcos. Este é um jogo a contar para 14ª jornada do Nacional da 1ª divisão, a primeira da segunda volta, sendo que no primeiro turno os turquelenses perderam por 6-3 em Paço de Arcos. De lá para cá os da linha trocaram de treinador, com Paulo Garrido a sair para dar lugar a Jorge Godinho, mas a equipa não conseguiu ainda sair dos lugares de despromoção, ocupando a 13ª posição, com apenas menos um ponto que o HCT. Será um jogo vital para ambos os conjuntos e é mais um espetáculo a não perder.

    Repartição de pontos inesperada

    Regresso a casa depois dos desaires em Walsum (5-2) e em Valença (6-2) e perspetiva de “limpar a imagem” frente aos açorianos do Candelária (Ilha do Pico). Perante um pavilhão ávido de triunfos, os “brutos dos queixos” protagonizaram um início de jogo fulgurante, que culminou com um primeiro tempo do melhor que se viu fazer à equipa turquelense esta temporada. A vantagem de dois golos (3-1) na saída para os balneários pecou por escassa, sendo que uma entrada ansiosa no segundo tempo e o receio das coisas não correrem bem, traíram a equipa comandada por João Simões, que não conseguiu melhor do que um empate a quatro bolas, frente a uma equipa experiente mas limitada, que nunca desistiu de pelo menos repartir os pontos, saindo premiada pela persistência. Do lado visitado Xanoca foi a unidade de maior rendimento, anotando dois tentos e mostrando agressividade no último terço, apesar de ter desperdiçado um bom par de oportunidades para aumentar ainda mais o seu pecúlio e também o da equipa.    

    Após alguns jogos em que o inverso aconteceu, desta feita foi o HCT a entrar a vencer, ainda não estavam decorridos trinta segundos de jogo e já André Pimenta introduzia a bola nas redes do Candelária, depois de concluir um excelente contra-ataque 3x2 com assistência do capitão Vasco Luís. O Candelária, privado do seu capitão e treinador/jogador Tiago Resende (sujeito a uma pequena intervenção cirúrgica), sentiu o toque mas conseguiu recompor-se e três minutos depois beneficiou de um livre direto depois de Xanoca ter sido admoestado com a cartolina azul por enganchamento a Pedro Afonso. Chamado à conversão, o veterano Johe atirou ao poste, mantendo-se o 1-0. Os minutos foram passando e os picarotos conseguiram equilibrar os acontecimentos, mas nunca lograram chegar com muito perigo junto da baliza de Tuga, tendo em conta que os da casa na primeira parte estiveram sempre muito sólidos no plano defensivo. Foi já aos dezasseis minutos que o marcador voltou a funcionar, num erro ofensivo forasteiro, muito bem aproveitado por Xanoca para seguir isolado no cara a cara com Diogo Rodrigues e colocar a bola para o 2-0. Três minutos depois caiu a 10ª falta de equipa do Candelária e na conversão do devido livre direto João Silva “Janeka” atirou ao lado, sendo que na sequência deu-se um dos momentos do jogo, Janeka recuperou a bola perdida no livre direto, assistiu Luís Silva que de baliza aberta atirou por cima e na resposta Pedro Afonso aproveitou o balanceamento ofensivo dos alvinegros, entrou pelo meio da defensiva visitada e aproveitou um toque involuntário de Xanoca para a própria baliza para reduzir diferenças (2-1). Antes do descanso, Xanoca redimiu-se e conseguiu voltar a colocar a diferença em dois golos, com um tento de belo efeito, ao colocar a bola pelo buraco da agulha e “bisando” no encontro. Mas a ida para os balneários não chegou sem que o Candelária tivesse um penalty a seu favor, numa falta aparente de Tuga sobre o experiente Alan Fernandes, No entanto, na transformação do castigo máximo, o possante capitão de circunstância, Edgar Pereira, permitiu a defesa ao guardião turquelense. Ao intervalo 3-1 e um dos melhores momentos exibicionais dos turquelenses vistos esta época no Gimnodesportivo de Turquel.     

    No segundo tempo a equipa até nem entrou mal, conseguindo algumas oportunidades para poder ampliar, mas aos seis minutos André Moreira fugiu nas costas de Pedro Vaz e recebeu um fantástico passe de Pedro Afonso para reduzir para 3-2 e deixar a equipa da casa intranquila. Contudo, um minuto depois, Vasco Luís voltou a colocar dois golos de diferença no marcador (4-2), ao anotar um livre direto por cartão azul mostrado ao guardião picaroto, Diogo Rodrigues “Matraco” (rasteirou Pedro Vaz). Pensou-se que as coisas poderiam estabilizar, mas os comandados de João Simões nunca encontraram o Norte e mesmo com a 15ª falta de equipa do Candelária a cair logo a seguir (Vasco Luís não conseguiu bater o habitual suplente, Milton Jorge, pela segunda vez quase consecutiva) os “brutos dos queixos” mostraram ansiedade e tiveram um dos piores períodos no jogo, que se iniciou com a amostragem de um azul ao capitão Vasco Luís aos onze minutos. A dupla de arbitragem parece ter sido ludibriada pelo “mergulho” de Johe, mas quem não se importou com isso foi Pedro Afonso, que mostrou categoria na transformação do livre direto, “bisando” e colocando o resultado em 4-3. Quatro minutos depois Johe entrou pela esquerda e desferiu uma “bomba” de ângulo difícil, mas a bola entrou mesmo e a estupefação pela igualdade a quatro bolas foi geral. Faltavam ainda dez minutos para o fim e muita coisa podia acontecer, mas mais uma vez a ansiedade e o coração traíram os alvinegros que não conseguiram furar a barreira defensiva açoriana e estiveram mais perto de perder o jogo do que vencer. No último minuto caiu a 10ª falta de equipa do HCT, num lance que pareceu mais ter sido penalty do que simulação de Vasco Luís, mas desta feita Pedro Afonso não conseguiu transformar o respetivo livre direto em golo, permitindo excelente intervenção a Tuga e o jogo terminou mesmo com um empate “amargo”, 4-4.

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 28 de janeiro de 2017, às 21H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (13ª jornada)

    Árbitros: Jaime Vieira (Alentejo), Paulo Carvalho (Leiria) e António Peça (3º árbitro) (Leiria)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta (1), [9] Vasco Luís (C) (1), [79] Alexandre Marques “Xanoca” (2), [22] Luís Silva, [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus. Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [4] Daniel Matias.

    Treinador: João Simões

    Candelária S.C.: [10] Diogo Rodrigues “Matraco” (GR), [23] Pedro Afonso (2), [6] João Vieira “Johe” (1), [7] André Moreira (1), [8] Alan Fernandes, [11] Milton Jorge (GR), [5] Márcio Nunes e [20] Edgar Pereira “Piló” (C). Não jogou: [9] Paulo Pereira.

    Treinador/Jogador: Milton Jorge

    Faltas de Equipa: 11-18

    Disciplina: Cartão Azul a [79] Alexandre Marques “Xanoca” (HCT), [10] Diogo Rodrigues “Matraco” (CSC) e [9] Vasco Luís (C) (HCT).

    Resultado ao intervalo: 3-1

    Resultado Final: 4-4

    No próximo sábado, 4 de fevereiro de 2017 pelas 21h em Portugal Continental, mais uma em Itália, o HCT joga a 1ª mão dos quartos-de-final da Taça CERS, com a receção aos italianos do CARISPEZIA Hockey Sarzana, formação que atualmente é nona classificada na Série A transalpina e que nos oitavos-de-final eliminou os compatriotas do HRC Monza, com um agregado de 10-9 no conjunto das duas mãos. A hora é de “mudar o chip” e concentrar atenções numa prova que pode levar a equipa de João Simões a uma inédita Final Four. Para tal os atletas alvinegros terão de se superar, perante um adversário muito físico e vertical e que tem como treinador/jogador o veterano Francesco Dolce (completará 44 anos em agosto de 2017), ele que nas longínquas temporadas de 1999/2000 e 2000/2001 jogou em Portugal, mais precisamente na antiga secção de Hóquei em Patins do Seixal F.C.

    Foto de Arquivo: Carmo Honório

  • Dificuldades inesperadas ditaram nova derrota

    Vindos de uma viagem à Alemanha que trouxe um amargo de boca pela derrota (5-2), mas não pela passagem aos quartos-de-final da Taça CERS (5-6 para os turquelenses no agregado das duas mãos), o HCT viajou até ao “coruto de Portugal”, mais precisamente até Valença do Minho para defrontar o Hóquei Clube local, e saiu-se mal. A equipa voltou a entrar a perder no jogo, com um golo sofrido logo aos dois minutos e depois desperdiçou oportunidades flagrantes para empatar e até para passar para a frente, intranquilizando-se e andando sempre a correr atrás do prejuízo. Os “brutos dos queixos” enfrentaram uma equipa com algumas limitações, mas que mostrou alguma matreirice para se manter na frente do resultado, sempre com a conivência de uma dupla de arbitragem portuense que fez um trabalho deplorável, sem a mínima noção nas decisões chaves da partida, acrescendo nas dificuldades contra as quais os de Turquel tiveram de lutar.   

    Primeira parte com nova entrada desastrada dos de Turquel, que aos dois minutos já perdiam por 1-0, depois de Vasco Luís perder uma bola a meio-campo e de José Campos “Ziga” ter encarado três atletas do HCT, passando pelo meio de todos e introduzindo a bola na baliza de Tuga. Os forasteiros levaram mais um “soco no estômago” nos minutos iniciais de um jogo, algo que vem sendo habitual nos últimos tempos, mas tentaram reagir e conseguiram uma soberana oportunidade para empatar quatro minutos depois, na sequência de um azul mostrado ao experiente Luís Viana por rasteirar ostensivamente Xanoca. Chamado à conversão do devido livre direto o capitão Vasco Luís permitiu a defesa ao veterano Paulo Matos, ele que pareceu ter-se adiantado alguns segundos antes de a bola partir, sendo que esse não foi o entendimento do árbitro Paulo Santos. A jogar em Power-Play o Turquel criou momentos de frisson junta da baliza do Valença, mas não conseguiu marcar, com a oportunidade mais flagrante a ser desperdiçada novamente por Vasco Luís num remate frouxo de baliza aberta, após excelente assistência de Janeka. A equipa visitante continuou a tentar, mas nunca conseguiu impor a dinâmica necessária em ataque organizado para furar a defensiva dos da casa. O jogo arrastou-se até ao intervalo, mas a quatro minutos do mesmo, deu-se um dos momentos chaves do encontro, com Luís Viana a mostrar toda a sua experiência, seguindo rapidamente uma falta de canto inferior contra o corpo de Tuga e fazendo o 2-0, num momento que teve tanto de caricato como de desconcentrado por parte dos turquelenses. Ainda antes do descanso caiu a 10ª falta de equipa do Turquel, mas Luís Viana desta feita não conseguiu enganar Tuga e no recolher aos balneários o resultado cifrava-se em 2-0.                  

    Na entrada do segundo tempo novo golo do Valença que deu uma “machadada” grande nas aspirações turquelenses, mas este foi um tento precedido de falta, com Luís Viana a “bisar” de forma irregular, introduzindo a bola na baliza de Tuga claramente com o patim e com os dois juízes novamente a fazerem vista grossa ao cumprimento do que se encontra regulamentado. Com 3-0 no marcador as coisas tornaram-se ainda mais difíceis de reverter para os da aldeia do hóquei, eles que três minutos depois atingiram as quinze faltas de equipa. Na conversão do livre direto Zé Braga permitiu dupla intervenção a Tuga e três minutos depois a situação reverteu-se, o Valença chegou às dez faltas de equipa e Janeka “quebrou os rins” a Paulo Matos, reduzindo para 3-1, o que fez acreditar que a reviravolta era possível. No entanto, três minutos depois, sem que nada o fizesse prever e aparentemente sem razão plausível, a dupla de arbitragem decidiu admoestar o técnico João Simões com a cartolina azul. O jogo estava parado e a equipa alvinegra ficou então em Under-Play, acabando por sofrer novo golo que deitou por terra todos os esforços, depois de Luís Viana entrar solto pela esquerda e finalizar fácil no coração da área, completando o seu “hat-trick” e dando uma vantagem de 4-1 aos visitados. No mesmo minuto caiu a 20ª falta de equipa do HCT e Tiago Pereira assinou o momento da noite na transformação do respetivo livre direto, ludibriando Tuga com uma meia-volta à sua frente e assinando o 5-1 para gaudio dos adeptos presentes. No mesmo minuto Luís Viana voltou a entrar pela esquerda e sofreu penalty de Tuga (viu azul neste lance), mas na transformação do castigo não conseguiu bater o recém entrado Samuel Santos que rubricou uma excelente intervenção. A três minutos do fim Janeka sofreu penalty e Luís Silva reduziu para 5-2 com remate seco e colocado. Já dentro do último minuto, novo penalty “cavado” por Luís Viana, mas que o argentino Guido Pellizari atirou ao poste, ele que, alguns segundos depois, marcou mesmo, no lance que foi a ”cereja no topo do bolo” no que à arbitragem de Paulo Santos e Manuel Fernandes do Porto diz respeito. Em contra-ataque 2x2, Luís Viana sofre falta assinalada prontamente, mas na sequência imediata Guido Pellizari atira para a baliza de Samuel Santos com o árbitro Manuel Fernandes a apontar para o meio-campo, validando o 6-2 final. Um lance tão caricato como todo o nível de arbitragem produzido por uma dupla que só pode ter o Quadro B dos nacionais de Hóquei em Patins como destino em 2017/2018.   

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Municipal Valença – Valença do Minho

    Dia/Hora: 21 de janeiro de 2017, às 21:30H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (12ª jornada)

    Árbitros: Paulo Santos (Porto), Manuel Fernandes (Porto) e José Manuel Pereira (3º árbitro) (Porto)

    Valença H.C.: [94] Paulo Matos (GR), [92] Guido Pellizari (1), [20] Miguel “Micha” Fernandes (C), [44] José Campos “Ziga” (1), [4] Luís Viana “Zorro” (3), [7] José “Zé” Braga, [9] Gil Vicente, [54] Tiago Pereira “Bolinhas” (1) e [77] Hélder Martins. Não jogou: [10] Rodolfo Sobral (GR).

    Treinador: Orlando Graça

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta, [53] Pedro Vaz, [9] Vasco Luís (C), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva (1), [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” (1) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    Faltas de Equipa: 14-21

    Disciplina: Cartão Azul a [4] Luís Viana “Zorro” (VHC), [Treinador] João Simões (HCT) [2X por protestos] e [13] Marco Barros “Tuga” (GR) (HCT).

    Resultado ao intervalo: 2-0

    Resultado Final: 6-2

    No próximo sábado, dia 28 de janeiro de 2017 pelas 21 horas, o HCT volta a jogar diante dos seus adeptos, num jogo que se assume como fundamental para o futuro próximo dos alvinegros no que à classificação diz respeito, na receção aos açorianos do Candelária. Os alvinegros defrontarão uma equipa muito experiente, recheada de internacionais, que se encontra com um ponto a menos que os comandados de João Simões e é importante terminar a primeira volta com um triunfo, afastando o espetro da queda nos últimos lugares da tabela. Venha apoiar a nossa equipa, pois o seu auxílio é fundamental.

    Apurados para os quartos-de-final apesar do susto

    Na segunda mão dos oitavos-de-final da Taça CERS a equipa do H.C. Turquel deslocou-se até à Alemanha para defrontar o R.E.S.G. Walsum, escudada por uma vantagem de 4-0 trazida da primeira mão em Turquel, conseguida no final de 2016. Os turquelenses entraram de forma desastrada no jogo e aos quatro minutos já perdiam por 2-0, tendo sofrido o primeiro golo logo aos 17 segundos. A intranquilidade apoderou-se da equipa, apesar de ao intervalo o marcador registar um tranquilo 2-1, depois de Xanoca reduzir. A segunda parte voltou a ter uma entrada desastrada por parte dos forasteiros, que deixaram os alemães avançarem para 4-1 em poucos minutos e esse momento deixou a eliminatória em aberto. A poucos minutos do fim Vasco Luís fez o 4-2 e conseguiu que a equipa encontrasse um “balão de oxigénio”, mas o 5-2 final alcançado pelo Walsum no último minuto do jogo, apesar de não ter decidido nada, ainda trouxe alguma incerteza ao desfecho da eliminatória. Saído do banco, o jovem Xanoca foi o mais lúcido dos alvinegros, numa exibição coletiva muito abaixo daquilo que a equipa pode dar.

    Os primeiros minutos marcaram indelevelmente todo o desenrolar do jogo, pois na jogada de saída que pertenceu ao HCT, Luís Silva e André Pimenta combinaram mal e de repente o italiano Felipe Sturla ficou isolado perante Tuga, não mostrando dificuldades em inaugurar o marcador. A equipa sentiu o golo mas foi em busca do empate e dois minutos depois, André Pimenta, assistido por Daniel Matias, atirou de baliza aberta contra o herói local, o guardião Tobias Whalen (grande exibição). Como quem não marca arrisca-se a sofrer, num contra-ataque 3x2, com alguma sorte à mistura, o catalão Miquel Vila Gallaguet, à segunda, aumentou para 2-0 e deixou o técnico alvinegro, João Simões, à beira de um ataque de nervos. A equipa reagiu e teve então o seu melhor período no encontro, encostando o Walsum às cordas e com o recém-entrado Xanoca a reduzir para 2-1, após uma recarga a remate do capitão Vasco Luís. Os forasteiros continuaram a carregar sobre o último reduto e Pedro Vaz e Xanoca tiveram duas oportunidades soberanas para igualar, mas não conseguiram desviar dois passes de André Pimenta, quando tinham a baliza à sua mercê. Antes do intervalo, Luís Silva foi rasteirado por Miquel Vila Gallaguet e a cartolina azul foi exibida ao camisola 3 do Walsum. Na conversão do respetivo livre direto o mesmo Luís Silva atirou ao lado, mas na sequência do lance, sofreu penalty, após carga de Sturla. Na tentativa de transformação do penalty, Vasco Luís atirou por cima. Ao intervalo 2-1.

    A entrada na segunda parte foi como a primeira, pois não estavam ainda decorridos cinquenta segundos de jogo e já o Walsum aumentava a vantagem, numa combinação catalã entre Xavi Berruezo e Miquel Vila Gallaguet, com o primeiro a entrar pela esquerda do seu ataque e a assistir o segundo que, solto de marcação ao segundo poste, só teve de encostar para “bisar” e fazer o 3-1. A falta de discernimento apoderou-se então da equipa de Turquel e 4 minutos depois Vasco Luís perdeu uma bola a meio-campo, o que permitiu a Felipe Sturla seguir novamente isolado perante Tuga e aumentar para uns impensáveis 4-1, que colocavam o empate na eliminatória a apenas um golo de distância. Os turquelenses geriram os acontecimentos a partir daqui, nem sempre da melhor maneira, mas conseguiram “levar a água ao seu moinho”, sem conseguirem criar grandes situações para “desafogarem” a situação. Aos nove minutos caiu a 10ª falta de equipa do Turquel, mas Vila Gallaguet não conseguiu desfeitear Tuga que teve de defender a primeira bola e ainda mais duas recargas. A cinco minutos do fim também caiu a 10ª falta de equipa do Walsum e chamado à conversão do devido livre direto Vasco Luís fez o 4-2 que deu outra estabilidade emocional à equipa turquelense, ainda que no último minuto, mais um livre direto, agora a castigar a 15ª falta de equipa do HCT, deu a possibilidade a Felipe Sturla de enganar Tuga mais uma vez, fazendo o seu “hat-trick” e aumentando o score para 5-2. Até final, realce para os últimos segundos de jogo numa situação de guarda-redes avançado da qual o Walsum tentou tirar partido, tirando o seu guarda-redes para colocar mais um jogador de rinque, e conseguindo que uma bola de Vila Gallaguet passasse bem perto do poste direito da baliza de Tuga. O jogo terminou logo a seguir e com os “brutos dos queixos”, apesar da derrota por três golos de diferença, a seguirem em frente para os quartos-de-final, com 5-6 no agregado das duas mãos.   

    Ficha Técnica:

    Local: Sporthalle Beckersloh – Walsum, Alemanha

    Dia/Hora: 14 de janeiro de 2017, às 20H locais (19H em Portugal Continental)

    Competição: Oitavos-de-final da Taça CERS (2ª Mão) [1ª Mão: 4-0 favorável ao H.C. Turquel]

    Árbitros: Angel Tavera (Espanha), Daniel Picó (Espanha) e Bernd Ullrich (Delegado) (Alemanha)

    R.E.S.G. Walsum: [1] Tobias Wahlen (GR) (C), [83] Felipe Sturla (3), [13] Xavier “Xevi” Berruezo, [3] Miquel Vila Gallaguet (2), [77] Pedro Queirós, [73] Nuno Rilhas, [15] Sebastian Haas e [4] Christopher Berg. Não jogaram: [10] Rainer Lorz e [7] Christopher Nusch. 

    Treinador: Günther Szalek

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta, [22] Luís Silva, [9] Vasco Luís (C) (1), [4] Daniel Matias, [79] Alexandre Marques “Xanoca” (1), [53] Pedro Vaz e [57] João Silva “Janeka”. Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    Faltas de Equipa: 14-15

    Disciplina: [3] Miquel Vila Gallaguet (RESGW).

    Resultado ao intervalo: 2-1

    Resultado Final: 2-5

    Resultado agregado das duas mãos: 5-6

    No próximo dia 4 de fevereiro de 2017, às 21 horas, o HCT joga em casa a 1ª Mão dos quartos-de-final da Taça CERS frente aos italianos do CARISPEZIA Hockey Sarzana (eliminou nos oitavos-de-final o Monza, também de Itália, por 10-9 no agregado das duas mãos) e partirá para a eliminatória com as legitimas aspirações de alcançar uma inédita Final Four da competição. O Sarzana ocupa atualmente a oitava posição na Série A1 em Itália e é uma equipa que tem tendência para fazer melhores resultados fora de portas do que em casa, tendo ainda a curiosidade de ter como treinador/jogador o veterano Francesco Dolce (43 anos) ele que nas temporadas 1999/2000 e 2000/2001 jogou em Portugal, mais precisamente no Seixal, que na altura militava na 1ª Divisão e que, nos dias de hoje, extinguiu a modalidade.

    No próximo sábado, 21 de janeiro de 2017 pelas 21:30 horas, os alvinegros jogam a 12ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão, deslocando-se até Valença do Minho para defrontarem o Hóquei Clube local. Os de Valença trocaram agora de treinador (o Angolano Orlando Graça substituiu Paulo Morais no comando técnico do Valença) e seguem na 13ª posição, com apenas seis pontos, menos quatro que o HCT, mas têm uma equipa recheada de bons valores individuais e de jogadores de muita experiência, como são os exemplos, do veterano guarda-redes Paulo Matos e do “matador” Luís Viana “Zorro” (ex-Sporting C.P.). Jogo importante para ambos os conjuntos.

    Fotos: Ralf Isselhorst

  • Triunfo no “Clássico” e subida na classificação

    Começo do novo ano e nada melhor do que uma casa cheia para ver o “Clássico da Zona Centro” e para “mudar o chip”, relativamente aos últimos resultados alcançados no campeonato. O S.C. Tomar/IPT chegou a Turquel com um aporte de confiança bem alto, consubstanciado pelos 12 pontos averbados na classificação e pelas exibições de valor, conseguidas frente a adversários com maior poderio. Já o Turquel, fruto dos 7 pontos somados e da consequente descida aos lugares de despromoção no final de 2016, jogava uma “cartada” quase decisiva para poder ambicionar a algo mais, do que cingir-se apenas e só à luta pela manutenção. A intranquilidade visitada fez-se notar logo nos primeiros minutos, o Tomar soube tirar partido disso e adiantou-se, mas os da casa igualaram antes do intervalo e entraram no segundo tempo também a marcar. O jogo arrastou-se e só bem perto do fim é que os “brutos dos queixos” confirmaram um triunfo justo, por 3-1, que os coloca de novo fora dos lugares de despromoção. Do lado turquelense Luís Silva, André Pimenta e Tuga foram os que mais se destacaram, com Janeka (excelente entrada em jogo) também a reclamar mais minutos. Nos nabantinos o ex-HCT, Paulo Passos, mostrou luta e espírito de sacrifício, escudado pelo capitão Ivo Silva e pelo jovem guardião valadense, Nuno Peça, que mostrou segurança na baliza visitante.

    Primeiro tempo com entrada desastrada por parte dos da casa, que acusaram a pressão e encolheram linhas que o Tomar soube aproveitar. No período inicial do encontro as investidas de Ivo Silva, de Joka e do “filho da casa”, Paulo Passos, dizimaram a última linha defensiva do Turquel e Tuga teve de “arregaçar as mangas” para poder suster o ímpeto tomarense. Foi sem grande surpresa que os forasteiros se adiantaram no marcador, com alguma felicidade à mistura, num lance em que Joka sticka contra Pedro Vaz e o ressalto caprichoso encontrou Ivo Silva solto ao segundo poste para encostar e fazer o 0-1. A reação dos turquelenses foi ténue e pouco organizada, mas dois minutos depois do golo visitante Vasco Luís sofreu falta no interior da área do Tomar, tendo acabado por desperdiçar a respetiva penalidade, com Nuno Peça a defender com qualidade. O jogo arrastou-se e a ansiedade dos da casa aumentou, à medida que a bola não entrava e que o adversário conseguia suster o seu ímpeto ofensivo e sair rápido no contra-ataque. Neste momento Tuga teve papel determinante, principalmente num lance de contra-ataque 2x1 em que Joka assistiu Paulo Passos ao segundo poste, com este último a stickar de primeira para defesa “monstruosa” do guardião alvinegro. A partir desse lance a equipa acordou, aumentou a velocidade e Luís Silva foi rasteirado de forma dura por Paulo Passos, com o camisola 28 do Tomar a ver a cartolina azul. Na transformação do livre direto, Janeka saltou do banco mas mais uma vez não conseguiu desfeitear Nuno Peça. Em Power-Play a equipa turquelense circulou bem a bola e de meia-distância Janeka redimiu-se do livre direto falhado segundos antes, fazendo eclodir um pavilhão ávido de golos. Ao intervalo 1-1.     

    A entrada na segunda metade foi fulgurante por parte dos alvinegros, que logo no minuto inicial se adiantaram no marcador (2-1), com Luís Silva a receber um passe de Vasco Luís e do meio da rua a desferir um autêntico míssil, que só parou no fundo da baliza de Nuno Peça, ainda que pareça ter existido um desvio antes da bola se anichar nas redes forasteiras. Foi o delírio no pavilhão e estava dado o mote para aquilo que iria ser a segunda parte. O Tomar quebrou fisicamente e deixou de conseguir chegar perto da baliza de Tuga com tanto perigo como tinha feito no primeiro tempo e o HCT cresceu de tal forma que dominou em todos os quadrantes, conseguindo longas trocas de bola e oportunidades de golo em catadupa, que ficaram sempre pendentes por uma boa exibição de um Nuno Peça inspirado na baliza templária. Aos doze minutos Luís Silva de um lado e Ivo Silva do outro, não conseguiram transformar os livres diretos da 10ª falta de equipa de Tomar e Turquel respetivamente e o resultado manteve-se em aberto. O Tomar mostrou alguma debilidade física e recorreu então à meia-distância e ao jogo nas costas da baliza, mas nunca colheu frutos, ainda que tenha estado perto do empate, numa bola que o capitão Ivo Silva (sempre ele) atirou ao ferro da baliza visitada. Aos vinte e um minutos caiu a 15ª falta de equipa do Tomar, mas Vasco Luís, mais uma vez, não conseguiu bater Nuno Peça. Foi já dentro do último minuto, depois de Ivo Silva já ter visto azul com o jogo parado por stickada em Xanoca, que uma grande penalidade (o guardião do Tomar, Nuno Peça, jogou a bola sem stick) deu a André Pimenta a hipótese de fechar as contas, sendo que o camisola 24 de Turquel não se fez rogado, marcando o 3-1 final e colocando alguma justiça no marcador.   

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 7 de janeiro de 2017, às 21H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (11ª jornada)

    Árbitros: Jaime Vieira (Alentejo), Paulo Carvalho (Leiria) e Pedro Sousa (3º árbitro) (Leiria)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [22] Luís Silva (1), [9] Vasco Luís (C), [4] Daniel Matias, [24] André Pimenta (1), [79] Alexandre Marques “Xanoca” e [57] João Silva “Janeka” (1). Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    S.C. Tomar/IPT: [31] Nuno Peça (GR), [4] João Lomba, [55] João Alves “Joka”, [28] Paulo Passos, [9] Ivo Silva (C) (1), [7] David Costa e [74] Pedro Martins. Não jogaram: [10] Marco Gaspar (GR), [44] Hernâni Diniz e [57] Tiago Godinho.

    Treinador: Nuno “Manel” Domingues

    Faltas de Equipa: 11-16

    Disciplina: Cartão Azul a [28] Paulo Passos (SCT) e [9] Ivo Silva (SCT).

    Resultado ao intervalo: 1-1

    Resultado Final: 3-1

    No próximo sábado, 14 de janeiro de 2016 pelas 20h locais, menos uma em Portugal Continental, o HCT desloca-se à Alemanha para defrontar o RESG Walsum, no encontro referente à 2ª Mão dos oitavos-de-final da Taça CERS. Na 1ª Mão em Turquel os alvinegros triunfaram por 4-0, um resultado que foi claramente melhor do que a exibição. Desta feita, no intervalo da eliminatória, espera-se que a equipa responda bem à viagem e que traga na bagagem para Turquel o apuramento para os quartos-de-final, sabendo de antemão que não será um encontro nada fácil.

    Fotos: Carmo Honório

    Leiria vence Torneio Inter-Associações com contributo Turquelense

    A Seleção Distrital de Sub-15 da Associação de Patinagem de Leiria venceu o “Torneio Inter-Associações – Natal 2016” que teve lugar em Alenquer, mais precisamente no Pavilhão Municipal da vila “”Presépio de Portugal”, nos dias 17 e 18 de dezembro de 2016. Na final de domingo os de Leiria bateram a congénere de Lisboa por 1-2 e finalizaram com chave de ouro um momento competitivo muito positivo para o trajeto de futuro próximo que os responsáveis pretendem “trilhar”.

    Num evento que teve organização da A.P. Lisboa, em colaboração com a Câmara Municipal de Alenquer, a dinâmica foi interessante, com muitos jogos e com vários atletas de vários quadrantes e idades a mostrarem o seu valor. A competição principal (Torneio de Sub-15) contou com a participação de seis seleções distritais, entre elas os anfitriões da A.P. Lisboa e ainda Coimbra, Setúbal, Alentejo (misto de atletas das A.P. Alentejo e Algarve), Ribatejo e Leiria. Os leirienses levaram a melhor sobre todas as outras seleções e conquistaram o troféu de 1º lugar, num formato com uma fase inicial de dois grupos de três equipas com jogos entre as equipas do grupo e com as posições na tabela classificativa do grupo a ditarem os lugares de apuramento para o segundo dia (domingo) num emparelhamento com o formato: 3ºGA vs 3ºGB, 2ºGA vs 2ºGB e 1ºGA vs 1ºGB.

    Com a contribuição de oito atletas alvinegros, de entre os dez escolhidos, e dos treinadores André Luís e Hélio Gonçalves, bem como do staff afeto ao H.C. Turquel que acompanhou a Seleção neste torneio, a representação da A.P. Leiria saiu engrandecida, não só pela conquista do torneio, mas também pelo bom hóquei praticado e pela imagem de civismo demonstrada.

    De referir que Lisboa e Leiria chegaram à final da competição depois de terem vencido os respetivos grupos (A e B) de apuramento, ambas com duas vitórias em dois jogos, conquistadas no sábado (17/12), tendo decidido tudo no domingo (18/12) no jogo de atribuição do 1º e 2º lugar entre ambas.

    Confira os resultados, marcadores dos golos da A.P. Leiria, bem como as classificações dos grupos e final:

    Grupo A

    Classificação Geral

    J

    V

    E

    D

    GM

    GS

    D

    P

    A.P. Lisboa

    3

    2

    -

    -

    16

    4

    +12

    6

    A.P. Coimbra

    3

    1

    -

    1

    8

    7

    +1

    3

    A.P. Setúbal

    3

    -

    -

    2

    1

    14

    -13

    0

    Resultados e Classificações de Sábado (17/12):

    Grupo A:

    Jogo 1: A.P. Lisboa (9) vs A.P. Setúbal (1)

    Jogo 3: A.P. Coimbra (5) vs A.P. Setúbal (0)

    Jogo 5: A.P. Lisboa (7) vs A.P. Coimbra (3)

    Grupo B:

    Grupo B

    Classificação Geral

    J

    V

    E

    D

    GM

    GS

    D

    P

    A.P. Leiria

    3

    2

    -

    -

    9

    1

    +8

    6

    A.P. Alentejo

    3

    1

    -

    1

    5

    6

    -1

    3

    A.P. Ribatejo

    3

    -

    -

    2

    3

    10

    -7

    0

    Jogo 2: A.P. Ribatejo (1) vs A.P. Leiria (5)

    Golos (AP Leiria): Lucas Santos [HCT] (4), Eduardo Duarte [HCT].

    Jogo 4: A.P. Alentejo (0) vs A.P. Leiria (4)

    Golos (AP Leiria): Lucas Santos [HCT] (2), Afonso Costa [HCT], António Lorvão [HCT].

    Jogo 6: A.P. Ribatejo (2) vs A.P. Alentejo (5)

    Resultados e Classificação Geral de Domingo (18/12):

    Apuramento 5º e 6º Classificado: A.P. Setúbal (0) vs A.P. Ribatejo (7)

    Apuramento 3º e 4º Classificado: A.P. Coimbra (5) vs A.P. Alentejo (1)

    Apuramento 1º e 2º Classificado: A.P. Lisboa (1) vs A.P. Leiria (2)

    Golos (A.P. Leiria): Lucas Santos [HCT] (2)

    Torneio Inter-Associações – Natal 2016

    Classificação Geral Final

    J

    V

    E

    D

    GM

    GS

    D

    P

    A.P. Leiria

    4

    3

    -

    -

    11

    2

    +9

    9

    A.P. Lisboa

    4

    2

    -

    1

    17

    5

    +12

    6

    A.P. Coimbra

    4

    2

    -

    1

    13

    8

    +5

    6

    A.P. Alentejo

    4

    1

    -

    2

    6

    11

    -5

    3

    A.P. Ribatejo

    4

    1

    -

    2

    10

    10

    0

    3

    A.P. Setúbal

    4

    -

    -

    4

    1

    21

    -20

    0

  • Bom resultado para encarar a segunda mão

    Nova eliminatória da Taça CERS e novo adversário alemão. Depois de ter eliminado o S.K. Germania Herringen na Pré-Eliminatória com um agregado de 7-5, a equipa comandada por João Simões recebeu na primeira mão dos oitavos-de-final o R.E.S.G. Walsum, terceiro classificado 1. Rolhockey Bundesliga. Os turquelenses entraram muito bem no encontro, mas à medida que os minutos foram passando, tiveram períodos latentes de intranquilidade, que impediram a equipa de “disparar” no marcador. O 2-0 ao intervalo era lisonjeiro para os germânicos mas no segundo tempo as dificuldades dos da casa aumentaram, perante uma equipa muito física, que criou bastante perigo e que quase conseguia um resultado mais nivelado, ainda que o 4-0 final seja um score bastante positivo para os visitados. O irrequieto Luís Silva brilhou ao anotar um “hat trick” e foi quem mais sobressaiu, num encontro em que os turquelenses revelaram alguma ansiedade na hora de alvejarem a baliza forasteira.

    Primeiro tempo com entrada demolidora dos alvinegros, que iniciaram o jogo com vontade de apagar a imagem deixada nos últimos jogos. Logo no primeiro minuto André Pimenta surgiu duas vezes quase consecutivas na cara do guardião Tobias Wahlen, mas em nenhuma delas conseguiu inaugurar o marcador. Estava dado o mote para o desperdício de golos que os da casa viriam a rubricar nesta noite fria no Gimnodesportivo de Turquel. A equipa teve minutos de grande hóquei, com muita mobilidade e sempre que as transições entravam o perigo chegava junto da baliza de Wahlen, ainda que o primeiro golo só tenha aparecido aos quinze minutos, quando Xanoca conduziu e finalizou de meia distância um contra-ataque de 3x2 no 1-0. O 2-0 chegou três minutos depois com Luís Silva na área a recargar com êxito uma bola rematada inicialmente por André Pimenta. Pensou-se que a equipa iria disparar para uma exibição de encher o olho com alguns golos pelo meio, mas o efeito do golo que deveria tranquilizar a equipa teve o efeito contrário. A formação alvinegra relaxou e os últimos minutos do primeiro tempo foram dominados pelo Walsum que teve várias oportunidades para reduzir, inclusivamente com duas bolas no poste, uma delas do possante catalão Miquel Vila Gallaguet, ele que deu “água pela barba” aos defesas turquelenses. Ao intervalo 2-0.

    Na segunda metade a toada manteve-se, o HCT nunca esteve tranquilo no jogo e os golos não surgiram de pronto pelo que a equipa foi tentando de todas as maneiras, mas nem sempre o foi fazendo com a cabeça no lugar. Aos doze minutos Vila Gallaguet viu a cartolina azul por fazer um enganchamento a Luís Silva, mas na marcação do respetivo livre direto Vasco Luís não conseguiu aumentar o score. Quatro minutos depois caiu a 10ª falta de equipa do Turquel e Vila Gallaguet também não conseguiu melhor do que Vasco Luís na tentativa de transformação do livre direto, enviando a bola ao poste esquerdo da baliza de Tuga. Ainda dentro do mesmo minuto também caiu a 10ª falta de equipa dos germânicos mas Janeka, saído do banco, foi ineficaz e também não conseguiu mexer com o marcador, para desespero dos adeptos turquelenses. A cerca de seis minutos Miquel Vila Gallaguet rasteirou Vasco Luís de forma ostensiva, viu nova cartolina azul e desta feita, Luís Silva, encarregou-se de “bisar” e fazer o 3-0 que dava mais algum conforto aos de Turquel. Até final tempo ainda para um golo anulado pela dupla de arbitragem italiana (atuação sofrível) aos forasteiros, num lance em que o português Pedro Queirós parece ter stickado de forma legal e no ar uma bola perdida na área turquelense e também para uma penalidade assinalada na área do Walsum, depois de Tobias Wahlen ter rasteirado de forma clara Pedro Vaz. Na transformação do castigo Luís Silva voltou a não tremer e fez o 4-0 final, resultado que foi claramente mais favorável do que a exibição e que permite à equipa de João Simões estar a vencer por quatro golos de diferença no intervalo da eliminatória.  

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 17 de dezembro de 2016, às 21H locais (22H na Álemanha)

    Competição: Oitavos-de-final da Taça CERS (1ª Mão)

    Árbitros: Giovanni Andrisani (Itália), Giuseppe Bonuccelli (Itália) e Paulo Carvalho (3º árbitro) (Portugal, Leiria)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta, [22] Luís Silva (3), [9] Vasco Luís (C), [79] Alexandre Marques “Xanoca” (1), [53] Pedro Vaz, [4] Daniel Matias, [58] Tiago Mateus e [57] João Silva “Janeka”. Não jogou: [10] Samuel Santos (GR).

    Treinador: João Simões

    R.E.S.G. Walsum: [1] Tobias Wahlen (GR) (C), [83] Felipe Sturla, [13] Xavier “Xevi” Berruezo, [3] Miquel Vila Gallaguet, [77] Pedro Queirós, [73] Nuno Rilhas e [15] Sebastian Haas. Não jogaram: [10] Rainer Lorz, [4] Christopher Berg e [7] Christopher Nusch. 

    Treinador: Günther Szalek

    Faltas de Equipa: 14-11

    Disciplina: [3] Miquel Vila Gallaguet (RESGW) (2X).

    Resultado ao intervalo: 2-0

    Resultado Final: 4-0

    A 2ª Mão realiza-se na cidade de Duisburgo, mais precisamente no distrito de Walsum, no dia 14 de janeiro de 2017 às 19h locais (menos uma hora em Portugal Continental). Antes disso e apesar do HCT ter encerrado a “oficina competitiva” no ano civil de 2016, a 7 de janeiro de 2017 pelas 21 horas, receção ao S.C. Tomar em jogo a contar para 11ª jornada do Nacional da 1ª divisão, num encontro vital para as aspirações turquelenses. Não falte!

    Fotos de Arquivo

    Má entrada em jogo deitou tudo a perder

    Após duas derrotas consecutivas frente a duas equipas minhotas (Barcelos em casa e Viana fora) o HCT regressou ao seu pavilhão que se engalanou e encheu para a receção ao novamente reforçado Sporting C.P., versão 2016/2017. Cerca de 1800 espetadores presenciaram uma entrada em falso dos da casa que aos dois minutos já perdiam por 0-2. A partir daí foi correr sempre atrás do prejuízo e fazer pela vida, frente a um adversário com outros argumentos, principalmente no capítulo individual e que ao intervalo já vencia por 2-5. O guardião Samuel Santos (entrou para o lugar de Tuga no início da segunda parte) acabou por brilhar novamente, tal como tinha feito na Luz frente ao Benfica, e cotou-se mesmo como o melhor elemento por parte dos visitados que ainda assim lutaram, mas não evitaram a derrota por 3-7.

    Primeira metade com início desastroso para os alvinegros, que aos dois minutos tinham visto Pedro Gil numa meia distância frontal e João Pinto solto na área após assistência de Tuco, fazerem o 0-2 e desmoronarem qualquer tipo de estratégia que João Simões pudesse ter montada para os primeiros minutos. A entrada em falso teve reação curta, já que quatro minutos após o segundo golo dos leões Vasco Luís reduziu para 1-2 num penalty superiormente convertido, que não deu hipóteses a Ângelo Girão. Contudo, três minutos depois, num lance de pura infelicidade, João Pinto “bisou” no 1-3, após captar um ressalto de uma bola que embateu no poste depois de um livre frontal rematado por Pedro Gil. O golpe foi duro e os turquelenses tentaram endireitar-se, mas os atletas pareciam algo descrentes e apáticos. As mexidas não trouxeram nada de novo e quem aproveitou foram os visitantes que ampliaram para 1-4, por intermédio do argentino Tuco na conversão de uma penalidade. A seis minutos do descanso Ferran Font “sacou” de todo o seu arsenal técnico individual e “tirou um coelho da cartola” com uma magnífica “picadinha” que deixou Tuga sem reação. Estava feito o 1-5 e o melhor que o Turquel conseguiu fazer foi reduzir para 2-5, novamente de penalty, com Vasco Luís a enganar Girão mais uma vez com um remate seco rasteiro que surpreendeu o experiente guardião do Sporting. Antes do apito para o intervalo da dupla de arbitragem composta por Jaime Vieira (Alentejo) e Paulo Carvalho (Leiria), caiu a 10ª falta de equipa dos forasteiros e Vasco Luís, tentou sem sucesso bater direto na baliza, num lance que deveria ter sido mandado repetir, já que Girão saiu da baliza cerca de dois segundos antes da bola partir, defendendo a mesma para a tabela lateral. A meio do jogo o 2-5 espelhou as dificuldades dos turquelenses em conseguirem extrair algo de positivo do encontro.   

    O início da etapa complementar coincidiu com o melhor período do HCT no jogo, os comandados de João Simões fecharam os caminhos para a sua baliza e carregaram sobre o último reduto sportinguista, mas apenas conseguiram criar perigo em remates de média e longa distância. Com cinco minutos jogados Jaime Vieira descortinou um penalty na área visitada, mas Pedro Gil teve pela frente um recém entrado Samuel Santos (entrou para o lugar de Tuga para defender o castigo) que defendeu a primeira bola e a recarga, levando o pavilhão ao delírio. O camisola 10 turquelense, com o assentimento de Tuga, manteve-se em rinque e viria mesmo a cotar-se como o melhor elemento alvinegro na noite de sábado, com intervenções de nível, adiando constantemente o sexto golo do Sporting. Foi já com dezasseis minutos jogados que o sexto golo verde e branco apareceu, com Poka a mostrar classe no livre direto da 10ª falta de equipa dos de Turquel. Logo a seguir Vasco Luís desperdiçou nova penalidade, com Girão a superiorizar-se ao capitão dos da casa e dois minutos depois João Pinto completou o seu “hat-trick”, aproveitando uma assistência aérea de Caio, num golo de belo efeito, mas que foi tremendamente consentido pela defesa visitada. A partir do 2-7 o encontro tomou proporções desgarradas, os contra-ataques sucederam-se, mas foi André Pimenta que marcou, num lance caricato, que pareceu ter sido precedido de falta, em que o remate do camisola 24 embateu na tabela de fundo, sobrevoou a baliza de Girão e parece ser desviado à margem das leis (stique alto) por Vasco Luís, antes de embater nas costas do guardião leonino e se anichar nas redes. A dupla de arbitragem atribuiu o golo a André Pimenta, invocando que Vasco Luís não tocou na bola, mas as dúvidas foram muitas. Antes do final, destaque ainda para mais um livre direto, desta feita a castigar a 15ª falta de equipa do Sporting que Luís Silva se encarregou de bater em força, a bola, numa primeira instância, embateu no poste esquerdo da baliza, a recarga teve o poste direito como destino e a segunda recarga passou ao lado, bem juntinho ao poste esquerdo, num momento de azar e de frisson que antecedeu o final de um jogo muito desgarrado e que teve um início que acabou por condicionar toda a conduta adotada pela formação do HCT.  

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 10 de dezembro de 2016, às 21H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (10ª jornada)

    Árbitros: Jaime Vieira (Alentejo), Paulo Carvalho (Leiria) e Helena Fresco (3º árbitro) (Alentejo)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta (1), [53] Pedro Vaz, [22] Luís Silva, [9] Vasco Luís (C) (2), [10] Samuel Santos (GR), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    Sporting C.P.: [61] Ângelo Girão (GR), [6] Esteban Abalos “Tuco” (1), [22] André Centeno, [9] Pedro Gil (1), [16] João Pinto “Mustang” (3), [4] Ferran Font (1), [18] Daniel Oliveira “Poka” (1), [29] Ricardo Oliveira “Caio” e [33] Tomás Moreira. Não jogou: [91] José Diogo Macedo (GR).

    Treinador: Guillem Perez

    Faltas de Equipa: 13-15

    Disciplina: Nada a assinalar.

    Resultado ao intervalo: 2-5

    Resultado Final: 3-7

    No próximo sábado, 17 de dezembro de 2016 pelas 21h, último jogo do ano civil de 2016, jogado em casa, frente aos alemães do R.E.S.G. Walsum, atual terceiro classificado da 1 Rollhockey Bundesliga, encontro referente à 1ª Mão dos oitavos-de-final da Taça CERS. Na eliminatória anterior os de Turquel eliminaram o S.K. Germania Herringen também da Alemanha, com um agregado de 7-5 (2-3 fora e 4-3 em casa) no conjunto das duas mãos e o Walsum eliminou os suíços do R.S.C. Uttigen com um agregado de 6-5 (2-2 em casa e 3-4 fora no desempate por penalties). Será uma partida e uma eliminatória em que os alvinegros partem como favoritos, mas o adversário apresenta qualidade e a mistura de culturas existente no plantel da equipa que viaja desde Duisburgo, com dois portugueses, um espanhol e um italiano, traz à formação germânica outro tipo de argumentos para discutir a passagem aos quartos. Venha apoiar a nossa equipa no último jogo de 2016!

    Fotos: Hélder Matias

  • Pontos ficaram em Viana do Castelo

    A meio da semana o H.C. Turquel foi derrotado em casa frente ao O.C. Barcelos por 1-4 e chegou a Viana do Castelo disposto a recuperar os pontos perdidos. No entanto, uma primeira parte de fraco nível deixou o marcador em 2-1 no descanso e uma reação pouco expedita na etapa complementar levaram a que a viagem ao Minho não tenha permitido trazer qualquer ponto na bagagem (derrota por 3-2). Os Brutus 1964 voltaram a estar presentes, tal como em Riba de Ave, mas nem o seu apoio livrou os da aldeia do hóquei da derrota, eles que tiveram no guardião Tuga o elemento de maior destaque, tendo rubricado uma exibição fantástica.

    Primeiro tempo com entrada a todo o gás dos da casa e desconcentrações constantes dos visitantes que permitiram a Tó Silva (40 anos) aproveitar uma assistência de André Azevedo (40 anos) para fazer o 1-0, ainda não estava completo o minuto de jogo. Esta jogada entre “quarentões” foi precoce e mostrou um HCT desconcentrado, mas a resposta alvinegra foi quase imediata, já que dois minutos depois Luís Silva igualou a uma bola, conduzindo e finalizando um ataque rápido pela direita e batendo um Edo Bosch (41 anos) que foi sempre mais espetador do que ator, durante grande parte do encontro. A partir dos minutos iniciais em que o marcador funcionou para os dois lados, o jogo assumiu proporções desgarradas, nem sempre aprazível à vista dos muitos espetadores presentes nas bancadas. Só a três minutos do final da primeira parte é que se deu algo de relevante, primeiro com Diogo Fernandes a permitir dupla intervenção a Tuga na transformação de um livre direto, numa sanção que não teve amostragem de cartões, e depois foi Luís Silva a ser admoestado com a cartolina azul por suposto derrube a Nuno Santos, num lance que deixou muitas dúvidas no ar. Na tentativa de transformação de novo livre direto Tó Silva mais uma vez não conseguiu ultrapassar Tuga. Em Power-Play a equipa orientada por Renato Garrido descobriu o antídoto para “furar” a defesa turquelense e marcou mesmo por intermédio de Francisco Silva, num desvio oportuno ao segundo poste com assistência de Tó Silva. Ao intervalo 2-1.                 

    Na segunda metade os turquelenses conseguiram um bom período em termos ofensivos, foram mais práticos e chegaram um pouco mais perto da baliza de Edo Bosch, que até então tinha sido um autêntico “figurante”. No entanto, no plano defensivo, os da aldeia do hóquei continuaram a acumular erros primários que só foram sendo corrigidos por Tuga, que mostrou categoria na baliza alvinegra. Ainda assim, aos nove minutos e numa transição rápida Janeka puxou dos galões e à meia volta marcou um grande golo igualando (2-2) uma partida que pareceu sempre estar fora do controlo dos visitantes. No minuto seguinte Vasco Luís viu-lhe ser marcado penalty contra por suposto toque num stique adversário, lance que mais uma vez deixou inúmeras dúvidas. Quem não se importou com isso foi Francisco Silva que atirou forte, mas para nova defesa de Tuga, sendo que a recarga do camisola seis vianense saiu ao lado. Um minuto volvido caiu a 10ª falta de equipa da Juventude Viana, mas Janeka não conseguiu enganar o experiente Edo Bosch na transformação do devido livre direto. O encontro voltou então a “partir-se”, os visitados quebraram um pouco em termo físicos e o Turquel chegou mais perto, mas Xanoca por duas vezes e Luís Silva numa outra ocasião não conseguiram bater Bosch no cara a cara com o catalão. Com três minutos para jogar caiu a 10ª falta de equipa do HCT, mas André Azevedo não conseguiu ultrapassar um Tuga inspiradíssimo entre os postes, ele que parou a quarta bola parada da noite em quatro tentativas. Contudo, depois de tanto porfiar, o Viana conseguiu mesmo marcar e pelo mesmo André Azevedo, ele que veio desde o seu meio campo, “cortou” o rinque com uma diagonal longa e desferiu uma bomba desde a esquerda do seu ataque que só parou no fundo da baliza de um desamparado Tuga, fazendo o 3-2. Nos festejos André Azevedo excedeu-se perante um dos árbitros da partida e os impropérios proferidos levaram a que visse a cartolina vermelha. O jogo estava parado e não houve lugar à marcação de um livre direto a favor dos turquelenses, mas os cerca de três minutos que faltavam iam ser jogados com o Turquel em superioridade numérica, caso não conseguisse o golo do empate. Esse golo acabou mesmo por não surgir, apesar de Vasco Luís primeiro e Pedro Vaz depois, terem enviado a bola ao travessão da baliza contrária. Os três pontos ficaram em Viana, numa exibição algo apagada dos “brutos dos queixos”.

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Municipal de Monserrate – Viana do Castelo

    Dia/Hora: 3 de dezembro de 2016, às 21:30H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (9ª jornada)

    Árbitros: António Santos (Aveiro), Domingos Oliveira (Porto) e Rui Miguel Torres (3º árbitro) (Minho)

    A. Juventude Viana: [47] Edo Bosch (GR), [27] André Azevedo (1), [37] Nelson Pereira, [6] Francisco Silva (1), [8] Tó Silva (1), [7] Diogo Fernandes, [22] Nuno Santos, [2] Gustavo Lima e [17] Gonçalo Suíssas. Não jogou: [28] Jorge Correia (GR) (C).

    Treinador: Renato Garrido

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta, [53] Pedro Vaz, [22] Luís Silva (1), [9] Vasco Luís (C), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [4] Daniel Matias e [57] João Silva “Janeka” (1). Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    Faltas de Equipa: 11-14

    Disciplina: Cartão Azul a [22] Luís Silva (HCT) e cartão vermelho a [27] André Azevedo (AJV) [protestos].

    Resultado ao intervalo: 2-1

    Resultado Final: 3-2

    No próximo sábado, dia 10 de dezembro de 2016 pelas 21 horas, o HCT volta a casa para defrontar o “super reforçado” Sporting C.P., versão 2016/2017. Os verde e brancos iniciaram o campeonato com muita pujança, mas têm vindo a perder algum fulgor. Apesar de tudo, o favoritismo leonino tentará ser contrariado pelos turquelenses que querem rapidamente conquistar pontos e sair dos lugares de baixo da tabela classificativa. Um jogo a não perder!

    Pontos ficaram em Viana

    A meio da semana o H.C. Turquel foi derrotado em casa frente ao O.C. Barcelos por 1-4 e chegou a Viana do Castelo disposto a recuperar os pontos perdidos. No entanto, uma primeira parte de fraco nível deixou o marcador em 2-1 no descanso e uma reação pouco expedita na etapa complementar levaram a que a viagem ao Minho não tenha permitido trazer qualquer ponto na bagagem (derrota por 3-2). Os Brutus 1964 voltaram a estar presentes, tal como em Riba de Ave, mas nem o seu apoio livrou os da aldeia do hóquei da derrota, eles que tiveram no guardião Tuga o elemento de maior destaque, tendo rubricado uma exibição fantástica.

    Primeiro tempo com entrada a todo o gás dos da casa e desconcentrações constantes dos visitantes que permitiram a Tó Silva (40 anos) aproveitar uma assistência de André Azevedo (40 anos) para fazer o 1-0, ainda não estava completo o minuto de jogo. Esta jogada entre “quarentões” foi precoce e mostrou um HCT desconcentrado, mas a resposta alvinegra foi quase imediata, já que dois minutos depois Luís Silva igualou a uma bola, conduzindo e finalizando um ataque rápido pela direita e batendo um Edo Bosch (41 anos) que foi sempre mais espetador do que ator, durante grande parte do encontro. A partir dos minutos iniciais em que o marcador funcionou para os dois lados, o jogo assumiu proporções desgarradas, nem sempre aprazível à vista dos muitos espetadores presentes nas bancadas. Só a três minutos do final da primeira parte é que se deu algo de relevante, primeiro com Diogo Fernandes a permitir dupla intervenção a Tuga na transformação de um livre direto, numa sanção que não teve amostragem de cartões, e depois foi Luís Silva a ser admoestado com a cartolina azul por suposto derrube a Nuno Santos, num lance que deixou muitas dúvidas no ar. Na tentativa de transformação de novo livre direto Tó Silva mais uma vez não conseguiu ultrapassar Tuga. Em Power-Play a equipa orientada por Renato Garrido descobriu o antídoto para “furar” a defesa turquelense e marcou mesmo por intermédio de Francisco Silva, num desvio oportuno ao segundo poste com assistência de Tó Silva. Ao intervalo 2-1.                 

    Na segunda metade os turquelenses conseguiram um bom período em termos ofensivos, foram mais práticos e chegaram um pouco mais perto da baliza de Edo Bosch, que até então tinha sido um autêntico “figurante”. No entanto, no plano defensivo, os da aldeia do hóquei continuaram a acumular erros primários que só foram sendo corrigidos por Tuga, que mostrou categoria na baliza alvinegra. Ainda assim, aos nove minutos e numa transição rápida Janeka puxou dos galões e à meia volta marcou um grande golo igualando (2-2) uma partida que pareceu sempre estar fora do controlo dos visitantes. No minuto seguinte Vasco Luís viu-lhe ser marcado penalty contra por suposto toque num stique adversário, lance que mais uma vez deixou inúmeras dúvidas. Quem não se importou com isso foi Francisco Silva que atirou forte, mas para nova defesa de Tuga, sendo que a recarga do camisola seis vianense saiu ao lado. Um minuto volvido caiu a 10ª falta de equipa da Juventude Viana, mas Janeka não conseguiu enganar o experiente Edo Bosch na transformação do devido livre direto. O encontro voltou então a “partir-se”, os visitados quebraram um pouco em termo físicos e o Turquel chegou mais perto, mas Xanoca por duas vezes e Luís Silva numa outra ocasião não conseguiram bater Bosch no cara a cara com o catalão. Com três minutos para jogar caiu a 10ª falta de equipa do HCT, mas André Azevedo não conseguiu ultrapassar um Tuga inspiradíssimo entre os postes, ele que parou a quarta bola parada da noite em quatro tentativas. Contudo, depois de tanto porfiar, o Viana conseguiu mesmo marcar e pelo mesmo André Azevedo, ele que veio desde o seu meio campo, “cortou” o rinque com uma diagonal longa e desferiu uma bomba desde a esquerda do seu ataque que só parou no fundo da baliza de um desamparado Tuga, fazendo o 3-2. Nos festejos André Azevedo excedeu-se perante um dos árbitros da partida e os impropérios proferidos levaram a que visse a cartolina vermelha. O jogo estava parado e não houve lugar à marcação de um livre direto a favor dos turquelenses, mas os cerca de três minutos que faltavam iam ser jogados com o Turquel em superioridade numérica, caso não conseguisse o golo do empate. Esse golo acabou mesmo por não surgir, apesar de Vasco Luís primeiro e Pedro Vaz depois, terem enviado a bola ao travessão da baliza contrária. Os três pontos ficaram em Viana, numa exibição algo apagada dos “brutos dos queixos”.

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Municipal de Monserrate – Viana do Castelo

    Dia/Hora: 3 de dezembro de 2016, às 21:30H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (9ª jornada)

    Árbitros: António Santos (Aveiro), Domingos Oliveira (Porto) e Rui Miguel Torres (3º árbitro) (Minho)

    A. Juventude Viana: [47] Edo Bosch (GR), [27] André Azevedo (1), [37] Nelson Pereira, [6] Francisco Silva (1), [8] Tó Silva (1), [7] Diogo Fernandes, [22] Nuno Santos, [2] Gustavo Lima e [17] Gonçalo Suíssas. Não jogou: [28] Jorge Correia (GR) (C).

    Treinador: Renato Garrido

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta, [53] Pedro Vaz, [22] Luís Silva (1), [9] Vasco Luís (C), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [4] Daniel Matias e [57] João Silva “Janeka” (1). Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    Faltas de Equipa: 11-14

    Disciplina: Cartão Azul a [22] Luís Silva (HCT) e cartão vermelho a [27] André Azevedo (AJV) [protestos].

    Resultado ao intervalo: 2-1

    Resultado Final: 3-2

    No próximo sábado, dia 10 de dezembro de 2016 pelas 21 horas, o HCT volta a casa para defrontar o “super reforçado” Sporting C.P., versão 2016/2017. Os verde e brancos iniciaram o campeonato com muita pujança, mas têm vindo a perder algum fulgor. Apesar de tudo, o favoritismo leonino tentará ser contrariado pelos turquelenses que querem rapidamente conquistar pontos e sair dos lugares de baixo da tabela classificativa. Um jogo a não perder!

  • Sempre a correr atrás do prejuízo

    Duas vitórias consecutivas frente a Riba d’Ave H.C. (1-7) para o campeonato e S.K. Germania Herringen (4-3) na 2ª Mão da Pré-Eliminatória da Taça CERS trouxeram ao HCT um aporte extra de confiança para mais um jogo diante dos seus adeptos, desta feita frente ao vencedor da Taça CERS da época 2015/2016, o histórico O.C. Barcelos. Jogada à quarta-feira à noite a partida mostrou uma equipa alvinegra uns “furos” abaixo daquilo que costuma e pode produzir, que se deixou-se enredar por uma teia bem montada por um adversário com muita experiência e com uma qualidade acima da média. Com 0-2 ao intervalo e depois de uma primeira parte fraca, os turquelenses ainda esboçaram uma reação, com André Pimenta a ser mais uma vez o “porta-voz” da revolta turquelense, mas o golo que apontou nunca atormentou os forasteiros que acabaram por vencer por justo 1-4.

    Primeira parte com muito pouco “sal” por parte dos anfitriões, a equipa comandada por João Simões mostrou alguma precipitação em ataque organizado e foi sempre inconsequente nas transições ofensivas, apenas incomodando o internacional Ricardo Silva na baliza minhota com stickadas de meia-distância. Aos oito minutos o capitão barcelense Luís Querido ludibriou Luís Silva no meio-campo, stickou rasteiro e o oportuno Hugo Costa (grande exibição) desviou no meio da confusão para o 0-1. Dois minutos depois Vieirinha aproveitou um desentendimento entre Vasco Luís e Luís Silva e descobriu Hugo Costa na cara de Tuga que, à segunda, não enjeitou a possibilidade de “bisar” e de colocar os da casa em maus lençóis (0-2). Com muita experiência e com grande profundidade num plantel cheio de soluções, os barcelenses rodaram a equipa e aproveitaram um mau período dos turquelenses que demoraram a encontrarem-se e foram para o intervalo com dois golos à menor.   

    No segundo tempo a entrada em jogo coincidiu com um dos melhores períodos dos da casa, mas Ricardo Silva respondeu com qualidade na baliza minhota, inviabilizando qualquer tipo de reação por parte dos “brutos dos queixos”. Com oito minutos decorridos, numa transição rápida, Pedro Vaz rasteirou Joca e viu a cartolina azul pela infração cometida. Na transformação do devido livre direto o talentoso Alvarinho ludibriou Tuga com categoria e deixou o marcador em 0-3, tornando a missão dos da aldeia do hóquei ainda mais difícil. No entanto, o espírito dos visitados não esmoreceu e apesar das adversidades os atletas foram em busca de algo mais. Aos dez minutos o capitão Vasco Luís, na transformação do livre direto da 10ª falta de equipa do Barcelos atirou direto para nova excelente intervenção de Ricardo Silva, mas dois minutos depois, numa meia-distância poderosa, André Pimenta furou finalmente a “barreira visitante”, colocando em delírio os muitos adeptos que deram um colorido interessante às bancadas. O 1-3 teve o condão de acordar o pavilhão e os jogadores turquelenses partiram com tudo para cima do adversário, muitas vezes mais com o coração do que com a cabeça. Por seu turno, os de Barcelos tentavam longas trocas de bola e procuravam amiúde a baliza de Tuga, gerindo um resultado que lhes era bem favorável. Já perto do fim Janeka teve uma bola ao 2º poste que parece ter batido em Ricardo Silva e deixado a dúvida no ar se terá entrado ou não, mas o árbitro internacional Luís Peixoto, bem colocado, não validou o golo. Na resposta, jogada fantástica entre Hugo Costa e o irrequieto Vieirinha, com o primeiro a assistir o segundo e este, com finalização em “picadinha”, a bater Tuga pela quarta e última vez, estabelecendo o resultado final em 1-4, a favor da equipa mais consistente em rinque, não obstante ter havido ainda tempo para Reinaldo Ventura atirar ao poste na conversão do livre direto a castigar a 10ª falta de equipa dos da casa.  

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 30 de novembro de 2016, às 21H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (8ª jornada)

    Árbitros: Luís Peixoto (Lisboa), João Duarte (Lisboa) e António Peça (3º árbitro) (Leiria)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta (1), [53] Pedro Vaz, [22] Luís Silva, [9] Vasco Luís (C), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [4] Daniel Matias e [57] João Silva “Janeka”. Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    O.C. Barcelos/SAD: [01] Ricardo Silva (GR), [19] Luís Querido (C), [74] Miguel Vieira “Vieirinha” (1), [8] Rúben Sousa, [9] Hugo Costa (2), [66] Reinaldo “Rei” Ventura, [47] Álvaro “Alvarinho” Morais (1), [4] José Pedro Pereira e [7] João “Joca” Guimarães. Não jogou: [10] João Pereira “Ginho” (GR)

    Treinador: Paulo Freitas

    Faltas de Equipa: 10-13

    Disciplina: Cartão Azul a [53] Pedro Vaz (HCT).

    Resultado ao intervalo: 0-2

    Resultado Final: 1-4

    Neste sábado, 3 de dezembro de 2016 pelas 21:30h, o HCT tem nova deslocação ao Minho, mais precisamente a Viana do Castelo, para defrontar a equipa mais veterana da 1ª Divisão, a A. Juventude Viana (9º classificado com os mesmos 7 pontos que o HCT que é 10º). Comandados pelo jovem treinador Renato Garrido (ex-adjunto do F.C. Porto) os vianenses têm nas suas fileiras atletas como o guarda-redes Edo Bosch (ex-F.C. Porto), e os jogadores de rinque Tó Silva, André Azevedo e Nuno Félix, tudo hoquistas que têm já mais de 40 anos de idade e que são a prova provada que a idade não joga. As equipas ainda não se defrontaram nesta temporada e o HCT terá de fazer frente a um conjunto muito forte, que em sua casa costuma fazer a “vida negra” aos seus adversários.

    Todos à espreita dos Nacionais

    Os escalões de competição do H.C. Turquel estão todos apurados para os Campeonatos Nacionais dos respetivos escalões, com os Sub-17 e os Sub-15 ainda na luta pelo título de Campeões Regionais. Os Sub-20 conseguiram seguir em frente como um dos dois melhores terceiros classificados na 2ª Fase do Regional e os Sub-13, ainda com dois jogos pela frente, apenas jogam o 1º (acesso ao apuramento de Campeão Regional) ou 2º lugar da sua série.

    Os Sub-20, orientados por Davide Coelho, depois de na temporada transata terem falhado o apuramento para o Nacional do escalão, conseguiram, no final da 2ª Fase, garantir o apuramento como um dos dois melhores terceiros classificados das três séries de apuramento (7 pontos somados), sendo que o pódio foi alcançado na Série G, atrás de Sporting (15 pontos) e Paço de Arcos (10 pontos). A “viagem” até à consumação do primeiro objetivo da época foi longa e sinuosa, mas a equipa respondeu bem e estão reunidas as condições para a estabilidade, a desinibição e a evolução.

    Já os Sub-17, comandados por Hélder Coelho, terminaram a 2ª Fase em primeiro na Série H, com os mesmos pontos do S.C. Tomar (15), mas com vantagem no confronto direto e por apenas um golo, já que os alvinegros perderam em Tomar na primeira volta por 4-2 e venceram em casa por 4-1. Um tento fez a diferença e a equipa turquelense segue agora para uma 3ª Fase em que irá disputar o apuramento de Campeão Regional, já com o objetivo primário de apuramento para o Campeonato Nacional assegurado.

    Os Sub-15 de Hélio Gonçalves ainda não terminaram a 2ª Fase na Série H [deslocam-se ao 2º classificado Oeiras nesta 5ªF (01/12) para o último jogo da Série], mas foram o conjunto, de entre as quatros da aldeia do hóquei, que até agora conseguiu melhor aproveitamento. Os jovens e talentosos alvinegros contam por vitórias os jogos disputados nesta época e têm mostrado potencial para poderem fazer um Nacional de bom nível, assim os processos e a humildade se mantenham.

    Por fim, os Sub-13 de Nelson Lourenço, a dois jogos do fim da 2ª Fase, Série G, somam 12 pontos e também contam por vitórias os jogos disputados nesta temporada, tendo progredido a contento. Apesar da participação no Campeonato Nacional do escalão em 2016/2017 já estar garantida, os “brutinhos” ainda têm de confirmar o 1º lugar da sua série nos dois jogos que faltam [ambos fora, no Tojal (01/12) e em Sintra (03/12)] para poderem disputar o apuramento de Campeão Regional, ainda que um empate num dos dois embates assegure esse objetivo.

    Apoie as nossas equipas de formação/competição e não falte ao chamamento dos “craques do futuro”!

  • Seguir em frente sem acelerar

    Na 2ª Mão Pré-eliminatória da Taça CERS o HCT realizou o jogo de volta frente aos alemães do S.K. Germania Herringen e venceu por “apertados” 4-3. Depois de uma 1ª mão em que trouxe uma vantagem mínima (2-3) da Alemanha, a equipa alvinegra rubricou um jogo um pouco aquém do esperado, e para tal talvez tenha contribuído o relaxamento que imperou após a fuga antecipada no marcador (2-0 ao intervalo e 3-0 no início da 2ª parte). Os “brutos dos queixos” brindaram os seus adeptos com uma exibição q.b. e o técnico João Simões aproveitou também para rodar a equipa, tendo em conta os compromissos duros que se avizinham (Barcelos e Juventude Viana). Quem não faltou à chamada foram os adeptos locais e o colorido dado por um clube que prima por ser um excelente anfitrião voltou a marcar pontos na Europa do Hóquei em Patins.

     

    Na primeira metade entrada forte dos de Turquel, que quiseram ditar as suas leis na sua própria casa e terminar com as indefinições que o resultado da 1ª mão (2-3) tinha deixado no ar. Aos sete minutos, num ataque rápido, Vasco Luís stickou duas vezes para duas intervenções de nível do guardião Timo Tegethoff, mas à terceira a bola sobrou para André Pimenta, que junto ao poste esquerdo da baliza empurrou para o 1-0 e fez o seu quarto golo nos últimos três jogos. Os alemães, privados de uma das suas estrelas, o tecnicista Kevin Karschau (não viajou para Portugal por fobia em andar de avião), reagiram ao choque inicial e foi o irmão de Kevin e capitão de equipa Lucas Karschau a levar a sua equipa para a frente e a criar perigo junto da baliza de um Tuga a atravessar um excelente momento de forma. Nem Lucas Karschau, nem Robin Schulz (também demonstrou muita qualidade) conseguiram bater o guardião alvinegro e, a seis minutos do descanso, foi Luís Silva recém-entrado na partida a aproveitar uma meia-distância potente do também entrado Janeka para fazer o 2-0 com que se chegou ao intervalo.

    Na etapa complementar, quando alguns adeptos ainda procuravam retomar o seu lugar na bancada, Xanoca puxou dos galões, saiu do canto com a bola dominada e desferiu um remate potente, ao meio da baliza, que só parou no fundo das redes de Tegethoff. O 3-0 trouxe tranquilidade a todos os presentes, mas fez a equipa turquelense baixar a guarda e acumular alguns erros no período que se seguiu ao golo do camisola 79 visitado. Aos sete minutos Robin Schulz deu expressão à desconcentração alvinegra, recuperou uma bola na tabela lateral e seguiu solto pela esquerda do ataque, mostrando categoria no “cara a cara” com Tuga para fazer o 3-1. O técnico João Simões, ainda assim, sentiu as coisas controladas, deu rotação a todo o seu plantel e foi já aos dezasseis minutos que André Pimenta acelerou pela esquerda e assistiu primorosamente o júnior Tiago Mateus na área, que de primeira encostou para o 4-1, fazendo o seu primeiro golo oficial da época nos Seniores. Mais uma vez a tranquilidade do resultado levou a que os da aldeia do hóquei se desconcentrassem e um minuto depois Luis Hages, num lance muito confuso, bateu o recém-entrado Samuel Santos para fazer o 4-2. Com três minutos por jogar caiu a 10ª falta de equipa dos forasteiros mas Xanoca, chamado à conversão do respetivo livre direto, não conseguiu enganar Tegethoff. O jogo arrastou-se até aos últimos segundos e foi aí que surgiu Lucas Karschau a reduzir para 4-3, num remate colocado à entrada da área, com a bola a bater no poste e nas costas de Samuel Santos antes de entrar na baliza alvinegra, naquele que foi um prémio merecido para a excelente exibição individual do camisola 29 alemão. O apito final da dupla de árbitros espanhola (nem se deu por ela) veio logo a seguir e o agregado final de 7-5 no conjunto das duas mãos diz bem das dificuldades controladas que os turquelenses tiveram para passarem aos oitavos-de-final da competição.

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 26 de novembro de 2016, às 21H locais (22H na Álemanha)

    Competição: Pré-Eliminatória da Taça CERS (2ª Mão) [1ª Mão: 2-3 favorável ao H.C. Turquel]

    Árbitros: Alberto Veiga (Espanha), Jose Juan Melero (Espanha) e Armando Henriques (3º árbitro) (Portugal, Leiria)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta (1), [9] Vasco Luís (C), [4] Daniel Matias, [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva (1), [79] Alexandre Marques “Xanoca” (1), [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus (1).

    Treinador: João Simões

    S.K. Germania Herringen: [1] Timo Tegethoff (GR), [29] Lucas Karschau (C) (1), [18] Robin Schulz (1), [3] Liam Hages, [9] Stefan Gürtler, [77] Luis Hages (1) e [11] Philipp Michler. Não jogou: [17] Michael Baukloh. 

    Treinador: Christian Zarod

    Faltas de Equipa: 7-12

    Disciplina: Nada a assinalar.

    Resultado ao intervalo: 2-0

    Resultado Final: 4-3

    Resultado agregado das duas mãos: 7-5

    Nos oitavos-de-final da competição o HCT enfrenta novamente uma equipa germânica, desta feita o RESG Walsum, terceiro classificado do campeonato interno e que conta com dois portugueses nas sua fileiras, o minhoto Pedro Queirós (ex-O.C. Barcelos entre outros) e Nuno Rilhas (ex-H.C. Sintra entre outros). Será uma eliminatória em que o HCT terá de assumir de novo o favoritismo, mas as dificuldades serão encontradas, esperando-se, apesar de tudo, a passagem aos quartos-de-final. A 1ª mão joga-se em Turquel no dia 17 de dezembro de 2016 às 21h, a 2ª Mão realiza-se na cidade de Duisburgo, mais precisamente no distrito de Walsum, no dia 14 de janeiro de 2017 às 19h locais (menos uma hora em Portugal Continental).

    Nesta quarta-feira, 30 de novembro de 2016 pelas 21h, os alvinegros colocam em dia a jornada do Nacional da 1ª Divisão, recebendo no Gimnodesportivo de Turquel o O.C. Barcelos, na 8ª ronda da prova. O clube minhoto, por ter sido finalista vencedor em 2015/2016, ficou isento da participação na Pré-Eliminatória deste ano da Taça CERS e, para “consumo interno”, encontra-se no 6º lugar da tabela classificativa com nove pontos somados, tendo como grande resultado alcançado até à data uma fantástica vitória em casa frente ao reforçado Sporting, por concludentes 7-3. Na última jornada, o conjunto orientado por Paulo Freitas, venceu em casa os vizinhos e rivais da Juventude Viana por 7-6, num jogo de loucos. Não falte à chamada e apoie a nossa equipa. Força HCT!

    Resposta convicta

    Um empate (3-3) inesperado em casa nos segundos finais frente ao Valongo transportou o H.C. Turquel para os lugares de baixo da tabela classificativa e a viagem a Riba d’Ave não se afigurava fácil. Mas uma resposta há campeões, com uma entrega e personalidade fortes, levou a equipa de João Simões a uma vitória por números concludentes (1-7). O Parque das Tílias costuma ser um inferno para os adversários do Riba d’Ave H.C., mas o HCT facilitou a vida a si próprio, defendeu com muita propriedade e anulou por completo o jogo direto e agressivo dos visitados. O guardião Tuga voltou a responder de forma positiva e assinou a melhor exibição individual da temporada, com Luís Silva a secundá-lo e ainda com o regressado Daniel Matias, que voltou a mostrar toda a sua potencialidade num ambiente adverso. Os cerca de quinze adeptos alvinegros que se deslocaram ao Minho foram fundamentais no apoio à equipa e tudo conjugado deu numa vitória necessária e tremendamente saborosa. 

    Primeira parte, como já seria esperado, com entrada muito forte por parte dos da casa, que tomaram de assalto a baliza de Tuga, ora com meias-distâncias para desvios ora com movimentos atrás da baliza para tentar encontrar uma nesga de rinque por onde furar. No entanto, os turquelenses apresentaram-se muito bem preparados, anularam todas as tentativas dos minhotos e colocaram-se em vantagem aos catorze minutos por intermédio de André Pimenta, ele que desviou uma fantástica assistência do regressado Daniel Matias, isto depois da equipa alvinegra já ter esbanjado várias ocasiões soberanas para abrir o marcador. Até ao descanso os visitados tentaram por todos os meios, mas a segurança defensiva dos da aldeia do hóquei e Tuga não deixaram que o marcador voltasse a mexer. Ao intervalo 0-1.                 

    Na etapa complementar a vantagem dos turquelenses alargou-se, mas não sem antes Vítor Hugo Moreira permitir a defesa de Tuga no livre direto da 10ª falta de equipa do HCT. Não marcou o Riba d’Ave, marcou o Turquel numa jogada individual de Pedro Vaz, a deixar a bola ao primeiro poste e a fazer o 0-2. A equipa da casa sentiu o toque e aos onze minutos André Pimenta teve todo o espaço do mundo para “bisar” ao desferir uma meia-distância frontal e poderosa, que só parou no fundo da baliza de João Ferreira. Estava feito o 0-3 e no minuto seguinte o capitão minhoto, Raul Meca, viu a cartolina azul por falta dura sobre Pedro Vaz. Na transformação do devido livre direto Vasco Luís introduziu a bola na baliza contrária à segunda, mas Rui Torres, um dos árbitros da partida, marcou golpe duplo, alegando que tinha deixado de ver a bola momentaneamente. A jogar com um elemento a mais os visitantes ampliaram o score, com Vasco Luís, de primeira, a responder positivamente a uma assistência de Pedro Vaz. Numa fase do jogo muito “acesa”, André Pimenta viu também ele a cartolina azul por derrube a Vítor Hugo Moreira, mas nem na conversão do respetivo livre direto por Tiago Pimenta, nem em Power-Play, os da casa conseguiram aproximar-se no marcador. Com a igualdade de atletas reposta, caiu a 10ª falta de equipa do Riba d’Ave e João Silva “Janeka” puxou dos galões para sentenciar a partida com o 0-5. Faltavam oito minutos para o fim, e mesmo com um resultado tão díspar, os visitados não baixaram os braços, foram com tudo para cima do HCT, muito mais com o coração do que com a cabeça, mas Tuga parecia intransponível na baliza alvinegra. A quatro minutos do fim Vasco Luís “bisou” ao surgir isolado após excelente assistência de André Pimenta, colocando a bola por entre as pernas de João Ferreira. Dois minutos depois, num lance caricato, Luís Silva, quando tentava assistir André Pimenta, fez um passe fortuito para a baliza, mas a bola caprichosamente passou por baixo da perna do guardião da casa e estava feito o 0-7. Até ao fim destaque para as inúmeras percas de bola de parte a parte e para o golo de honra dos minhotos, por intermédio de Bruno Pinto “Serôdio”, na transformação de uma grande penalidade, estabelecendo o 1-7 final.                

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão do Parque das Tílias – Riba de Ave

    Dia/Hora: 19 de novembro de 2016, às 18:30H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (7ª jornada)

    Árbitros: Rui Torres (Minho), José Pinto (Porto) e Rui Miguel Torres (3º árbitro) (Minho)

    Riba d’Ave H.C.: [10] João Ferreira (GR), [5] Raul Meca Lopes (C), [9] Nuno Pereira “Miccoli”, [6] Tiago Pimenta, [33] Hugo Azevedo, [85] Vítor Hugo Moreira, [55] Bruno Pinto “Serôdio” (1), [3] Ricardo Lopes e [4] Daniel Pinheiro. Não jogou: [1] João Costa (GR).

    Treinador: Diogo Pereira “Dipi”

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta (2), [22] Luís Silva (1), [9] Vasco Luís (C) (2), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” (1) e [53] Pedro Vaz (1). Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    Faltas de Equipa: 11-14

    Disciplina: Cartão Azul a [5] Raul Lopes Meca (C) (RAHC) e [24] André Pimenta (HCT).

    Resultado ao intervalo: 0-1

    Resultado Final: 1-7

    No próximo sábado, dia 26 de novembro de 2016 pelas 21 horas, o HCT joga a 2ª Mão da Pré-Eliminatória da Taça CERS frente ao vice-campeão alemão, o S.K. Germania Herrigen, depois de na 1ª Mão na Alemanha os turquelenses terem triunfado por tangenciais 2-3, com golos de Vasco Luís, Janeka e Xanoca. Será um embate de “matar ou morrer” em que as facilidades serão reduzidas, perante um adversário de valor e que potencia muito bem as suas melhores características. O apoio de todos é indispensável!

    Foto: Dinis Vicente

  • Repartição de pontos

    Numa semana tremendamente dura, com viagens à Alemanha para vencer o S.K. Germania Herrigen por 2-3 e a Lisboa para perder pela margem mínima frente ao S.L. Benfica (6-5), o HCT regressou a casa para ter um verdadeiro teste à sua resistência, na 6ª jornada do Nacional da 1ª Divisão. Frente a um velho conhecido, o Valongo, assistiu-se a um encontro muito parado, a entrada dos turquelenses até foi forte, mas alguns episódios estranhos durante o primeiro tempo fizeram com que os visitantes se mantivessem sempre por perto no marcador, apesar das inúmeras situações de golos desperdiçadas pelos da casa. Um segundo tempo nervoso permitiu que os valonguenses se mantivessem à tona e apesar da vantagem alvinegra (3-2) perto do final, os forasteiros igualaram (3-3) já bem dentro do minuto final para garantirem um ponto que fizeram por merecer. O defesa/médio André Pimenta esteve em destaque entre os “brutos dos queixos” ele que com um golo de belo efeito e uma assistência para Pedro Vaz foi o que mais remou contra o marasmo instalado na equipa turquelense.

    Primeiro tempo, à semelhança do que tinha acontecido frente à Oliveirense, com entrada demolidora dos da casa que impuseram o ritmo no ataque organizado e nas transições. Logo aos 4 minutos num bom contra-ataque de 3x2, André Pimenta conduziu e atirou uma meia distância frontal que bateu, sem apelo nem agravo, o guardião forasteiro. O 1-0 foi seguido por várias oportunidades para ampliar e o Valongo parecia completamente petrificado, perante a avalanche ofensiva dos “brutos dos queixos”. Entre as ocasiões de golo destaque para duas penalidades desperdiçadas pelo artilheiro Vasco Luís, uma delas com direito a repetição. Nesse meio, Guilherme silva (protestos) e João Guimarães (enganchamento a Xanoca na área defensiva) viram a cartolina azul, mas nas duas vezes em que se encontraram em superioridade numérica (Power-Play), os turquelenses não lograram bater Leonardo Pais, que foi chegando para todas as “encomendas”. Como quem não marcar se arrisca a sofrer, num excelente contra-ataque de 2x1, o capitão Rúben Pereira assistiu Xavi Cardoso e este perante Tuga não desperdiçou igualando a partida completamente contra a corrente do jogo. O HCT não se desmoronou e no minuto seguinte, numa excelente combinação entre André Pimenta e Pedro Vaz, o primeiro assistiu o segundo que, no interior da área, desviou de Leonardo Pais, voltando a colocar os turquelenses na frente, desta feita por 2-1. Três minutos depois, Guilherme Silva aproveitou um erro defensivo dos da casa e desde trás da baliza colocou a bola pelo “buraco da agulha” para fazer o 2-2 e deixar tudo na primeira forma. Até final houve nervosismo de parte a parte, muitas paragens de jogo com os responsáveis valonguenses em constantes protestos e sem que a dupla de arbitragem ribatejana, composta por Rui Taborda e Teófilo Casimiro, fizesse algo para os parar. Uns segundos antes do descanso surgiu a 10ª falta de equipa do Valongo, mas Luís Silva, chamado à conversão do devido livre direto, atirou a bola ao ferro no primeiro remate e na recarga voltou a acertar no ferro. Ao intervalo, empate a duas bolas com sabor a injustiça, que penalizou a ineficácia alvinegra.

    Na etapa complementar, o HCT pagou um pouco a fatura do desgaste acumulado pelos últimos jogos e nunca conseguiu “disparar” no marcador. A equipa apenas conseguiu criar perigo junto da baliza de Leonardo Pais em ataque organizado e muitas das vezes com um hóquei aos repelões que não ia chegando para uma muito esticada defesa valonguense. Só a cerca de dois minutos do fim do jogo é que o empate voltou a desbloquear, numa boa transição de ataque rápido, com Daniel Matias a descobrir Luís Silva na direita e este a colocar a bola por baixo do corpo do guardião contrário, levando ao delírio os muitos adeptos que presenciaram a partida. Com pouco tempo para jogar, o HCT tentou longos tempos de circulação de bola em ataque e consegui-o, mas cometeu um pecado capital, em menos de um minuto cometeu duas faltas de equipa na transição defensiva junto da baliza adversária, ambas com os jogadores do Valongo de costas para o jogo. A segunda delas deu o livre direto correspondente à 10ª falta de equipa do HCT, com Pedro Mendes a encarregar-se da marcação e a bater Tuga no 3-3 final, que puniu de sobremaneira uma equipa da casa que não conseguiu produzir aquilo que pode e sabe, principalmente no segundo tempo.

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 12 de novembro de 2016, às 21H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (6ª jornada)

    Árbitros: Rui Taborda (Ribatejo), Teófilo Casimiro (Ribatejo) e Luís Nunes (3º árbitro) (Ribatejo)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta (1), [22] Luís Silva (1), [9] Vasco Luís (C), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [53] Pedro Vaz (1), [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus. Não jogou: [10] Samuel Santos (GR).

    Treinador: João Simões

    A.D. Valongo: [10] Leonardo Pais (GR), [39] Xavier “Xavi” Cardoso (1), [6] João Guimarães, [49] Pedro Mendes (1), [23] João Almeida, [81] Pedro Freitas (GR), [9] Guilherme Silva (1), [57] Rúben Pereira (C) e [7] Bernardo Marques. Não jogou: [8] Diogo Seixas.

    Treinador: Miguel Viterbo

    Faltas de Equipa: 10-13

    Disciplina: Cartão Azul a [9] Guilherme Silva (ADV) [protestos no banco com o jogo parado] e [6] João Guimarães (ADV).

    Resultado ao intervalo: 2-2

    Resultado Final: 3-3

    No próximo sábado, dia 19 de novembro de 2016 pelas 18:30h, o HCT desloca-se ao Minho, para defrontar o recém-promovido, Riba d’Ave H.C. (12º classificado), num duelo entre duas equipas com um percurso muito idêntico até ao momento no Campeonato Nacional da 1ª Divisão. As duas formações têm ambas uma vitória e um empate, e em consequência quatro pontos conquistados. Existe ainda a particularidade de terem o mesmo número de golos marcados (21) e sofridos (35), sendo que ambas ostentam o epíteto de piores defesas do campeonato. Um embate a doer e muito importante para os dois conjuntos que farão de tudo para descolar dos lugares de baixo da tabela classificativa.

    Créditos Fotos: Hélder Matias

    Verdade escondida em jogo de alto nível

    Acerto de calendário após compromissos europeus nos quais Benfica e Turquel triunfaram exatamente pela mesma margem (3-2) frente a Vic (Espanha) e Herrigen (Alemanha) respetivamente. Tradicionalmente, na Luz, o HCT consegue colocar algumas dificuldades aos encarnados e o jogo desta quarta-feira não foi exceção. Apesar de um início de primeiro tempo mau, em que ficou logo em desvantagem por 4-1, a equipa turquelense reagiu e partiu para uma segunda parte de luxo, perante um Benfica acomodado e a cometer os mesmos erros dum passado recente, mas com a conivência de uma dupla de arbitragem a “empurrar” os “brutos dos queixos” cada vez mais para trás. Com o jogo empatado a cinco bolas perto do final e com o guardião Samuel Santos (substituiu Tuga ao intervalo na baliza visitante) a realizar uma exibição de luxo, a dupla de arbitragem descortinou uma penalidade sobre Adroher que permitiu a João Rodrigues estabelecer o resultado final, num 6-5 bem apertado a favor do campeão nacional e europeu.

    Primeiro tempo com entrada desastrosa dos de Turquel que aos oito minutos já perdiam por 2-0, fruto dos golos do turquelense Chiquinho em transição e de Nicolia num ressalto na área de Tuga. O capitão alvinegro, Vasco Luís, reduziu aos dez de penalty, mas nos dois minutos seguintes Nicolia “bisou” no 3-1 num remate enrolado e Miguel Rocha disparou um míssil desde a esquerda para fazer o 4-1. Com menos de metade da primeira parte jogada o Benfica parecia ter as coisas controladas e o Turquel parecia um pouco perdido. Contudo, os encarnados baixaram a guarda e o técnico João Simões foi operando mexidas com a equipa a conseguir um bom final de primeira metade, mesmo que tenha jogado em Under-Play durante dois minutos por azul mostrado a André Pimenta (enganchou Nicolia). Imediatamente antes do descanso o HCT reduziu, num fantástico contra-ataque de 2x1 definido por Luís Silva, que respondeu da melhor maneira a uma grande assistência de Vasco Luís. Ao intervalo 4-2.                 

    No segundo tempo os papéis inverteram-se, o HCT entrou com tudo e o Benfica relaxou em demasia, parecendo sempre que estava a fazer um favor a si mesmo no jogo. Logo aos três minutos Xanoca desperdiçou o livre direto da 10ª falta de equipa encarnada, mas o mesmo jogador, três minutos depois, não enjeitou uma excelente assistência de Pedro Vaz ao segundo poste para encurtar para a margem mínima (4-3), ainda que pareça que a bola tenha batido em Trabal e não em Xanoca antes de entrar. O golo foi no entanto atribuído ao camisola 79 alvinegro e o Benfica sentiu o toque. O Turquel teve então o seu melhor período na partida, conseguiu pôr em sentido Trabal e o guarda-redes Samuel Santos, que tinha entrado ao intervalo para o lugar de Tuga, começou a brilhar de forma intensa, parando todas as investidas dos da casa, incluindo o livre direto a castigar a 10ª falta de equipa dos da aldeia do hóquei, que Nicolia não conseguiu transformar em golo. Como “quem não mata morre”, Janeka, num ataque rápido, desferiu uma bomba do meio da rua, restabelecendo uma igualdade (4-4) até então impensável depois do que se tinha visto no início do primeiro tempo. Dois minutos depois, o mesmo Janeka teve soberana oportunidade para adiantar a equipa comandada por João Simões, mas desperdiçou o livre direto da 15ª falta de equipa do Benfica. Com seis minutos para jogar, a dupla de arbitragem assumiu um protagonismo indesejado, num lance em que Xanoca é rasteirado ostensivamente, aleijando-se na boca na queda. Ao não interromper o lance para prestar a devida assistência ao avançado alvinegro, que ficou prostrado no solo, os juízes da partida permitiram um contra-ataque que deu ao Benfica o 5-4, por intermédio de Miguel Rocha (“bisou”). Os protestos turquelenses foram em vão, num lance por demais evidente. Ainda assim, o episódio não desconcentrou os visitantes, que no minuto seguinte igualaram de novo, desta feita a cinco bolas, num lance em que André Pimenta faz um passe batido para o interior da área e Luís Silva, a meias com Miguel Rocha, parece desviar o esférico. O golo foi atribuído ao 22 da formação de Turquel e com cinco minutos para jogar o “pequeno estava a bater o pé ao gigante”. Até final, voltou a aparecer a sobranceria da equipa de arbitragem, André Pimenta viu novo azul por supostamente ter enganchado Jordi Adroher (ficam muitas dúvidas no lance), mas João Rodrigues não conseguiu bater Samuel Santos que estava em noite sim. Em Under-Play a equipa forasteira aguentou como pôde, sendo que a sorte também a protegeu. Reposta a igualdade numérica, seguiam-se três minutos finais eletrizantes, mas num ataque rápido Adroher fugiu pela esquerda e rematou em queda para defesa de Samuel Santos, com a dupla de arbitragem a considerar penalty por toque de Daniel Matias no avançado benfiquista. O lance deixou pairar todas as dúvidas do mundo no ar e a incredulidade de todos os presentes fez-se sentir. Quem não se importou com isso foi o especialista João Rodrigues que fez o 6-5 final com um remate seco e rasteiro. Até final os turquelenses ainda tentaram pressão a toda a largura do rinque e um 5x4 nos últimos segundos que acabou por não resultar. A exibição dos alvinegros no segundo tempo foi fantástica e a sonegação de pelo menos um ponto é um castigo demasiado pesado para uma equipa que fez por merecer muito mais do que uma decisão através de terceiros.               

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Fidelidade, Estádio da Luz - Lisboa

    Dia/Hora: 9 de novembro de 2016, às 21:30H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (5ª jornada)

    Árbitros: Luís Peixoto (Lisboa), Jaime Vieira (Alentejo) e Gisela Infante (3º árbitro) (Lisboa)

    S.L. Benfica: [10] Guillem Trabal (GR), [2] Valter Neves (C), [4] Diogo Rafael “Chiquinho” (1), [5] Carlos Nicolia (2), [9] João Rodrigues (1), [7] Jordi Adroher, [44] Miguel Rocha (2) e [14] Tiago Rafael. Não jogaram: [23] Diogo Almeida (GR) e [55] João Sardo.

    Treinador: Pedro Nunes

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C) (1), [79] Alexandre Marques “Xanoca” (1), [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva (2), [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” (1) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: João Simões

    Faltas de Equipa: 17-14

    Disciplina: Cartão Azul a [24] André Pimenta (HCT) (2X).

    Resultado ao intervalo: 4-2

    Resultado Final: 6-5

    No próximo sábado, dia 12 de novembro de 2016 pelas 21 horas, o HCT recebe o último classificado, a A.D. Valongo, uma equipa em contraciclo com anos anteriores, muito jovem e que tem apenas um ponto somado em cinco jornadas, fruto do empate (4-4) consentido em casa frente ao recém-promovido Riba d’Ave. Na pré-temporada as duas formações defrontaram-se nada mais, nada menos, do que três vezes, com vitórias turquelenses no Torneio Dr. Joaquim Guerra em Turquel por 6-2 e no apuramento do 7º e 8º lugar da Elite Cup em Coimbra por 3-2. No Torneio Memorial Carlos Figueira em Valongo a vitória sorriu aos nortenhos por 4-3. Agora a contar, espera-se um jogo de nervos, com as duas equipas a ocuparem as duas últimas posições da tabela classificativa e a precisarem de pontos como de “pão para a boca”. Desloque-se ao Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel e apoie a nossa equipa!

  • Vantagem no intervalo da eliminatória

    A 1ª Mão da Pré-Eliminatória da Taça CERS ditou que o HCT fizesse uma viagem até terras alemãs, mais precisamente até à cidade de Hamm, para defrontar o vice-campeão alemão, o S.K. Germania Herrigen. Frente a um conjunto da casa forte, que mostra domínio, juntamente com o campeão ERG Iserlohn, no capítulo interno, os turquelenses passaram dificuldades esperadas, mas mostraram seriedade e respeitaram o adversário, conseguindo uma vantagem tangencial (2-3) para o jogo da 2ª Mão em Turquel. Colocando-se em vantagem no marcador por 0-2, a equipa orientada por João Simões ganhou tranquilidade e nem a igualdade a duas bolas conseguida pelos da casa no início da segunda parte tirou o foco aos alvinegros, que fizeram o 2-3 e nunca mais se deixaram apanhar no marcador para vencerem com inteira justiça. O capitão Vasco Luís, o reforço João Silva “Janeka” e Xanoca anotaram os tentos turquelenses.

     

    Primeira parte com entrada forte dos de Turquel, que tentaram impor as suas leis e logo aos cinco minutos o capitão turquelense, Vasco Luís, aproveitou um ataque rápido para desferir uma “bomba” e inaugurar o marcador. Os da casa tentaram reagir com os irmãos Kevin e Lucas Karschau a assumirem as despesas do jogo ofensivo dos germânicos, mas foi o reforço alvinegro, João Silva “Janeka” que conseguiu fazer o 0-2 com uma meia-distância colocada desde a esquerda do seu ataque. Com o segundo golo dos “brutos dos queixos” os ânimos dos adeptos alemães esfriaram, mas a equipa comandada pelo técnico Christian Zarod reagiu bem, criou algumas situações de perigo e reduziu bem no finalzinho da primeira parte, com Robin Schulz a assistir Luis Hages no interior da área e este com um toque subtil a desviar de Tuga para o 1-2, resultado com que se atingiu o intervalo.     

    A abrir o segundo tempo surgiu o empate (2-2). A dupla de arbitragem Suíça descortinou um penalty cometido por Vasco Luís no interior da área, alegando um “agarrão” do capitão turquelense a um contrário. Chamado à conversão, Robin Schulz parece ter permitido a defesa de Tuga, mas um dos árbitros do encontro, estranhamente, apitou para o centro do rinque, validando um golo que nunca pareceu ter existido, tendo em conta que o esférico, em momento algum, parece ter transposto a linha de baliza, ficando sim “presa” no corpo de Tuga. Apesar da polémica e da aparente injustiça os visitantes não se perderam e mantiveram o foco necessário para se colocarem de novo em vantagem (2-3) através de Xanoca, ele que combinou bem com Vasco Luís e colocou a bola pelo buraco da agulha, impedindo deste modo que os visitados pudessem galvanizar-se. Até final, os turquelenses fecharam linhas e bloquearam as tentativas de meia-distância do adversário, conseguindo sempre ir “picar o ponto” junto da baliza germânica. O júnior Tiago Mateus por duas vezes, Luís Silva e Pedro Vaz também em duas ocasiões, surgiram na cara do guardião Timo Tegethoff, mas o número 1 do Herrigen respondeu com qualidade e deixou a sua equipa a “respirar” e com aspirações de passagem à próxima eliminatória, numa segunda mão em Turquel que se prevê dura para os da aldeia do hóquei.

    Ficha Técnica:

    Local: Glückauf Arena – Hamm (Álemanha)

    Dia/Hora: 5 de novembro de 2016, às 18H locais (17H em Portugal Continental)

    Competição: Pré-Eliminatória da Taça CERS (1ª Mão)

    Árbitros: Johanes Schneider (Suíça), Roland Eggimann (Suíça), Bernd Ullrich (Alemanha) (Delegado CERH)

    S.K. Germania Herrigen: [1] Timo Tegethoff (GR), [2] Kevin Karschau, [29] Lucas Karschau (C), [3] Liam Hages, [9] Stefan Gürtler, [18] Robin Schulz (1), [77] Luis Hages (1). Não jogaram: [17] Michael Baukloh, [11] Philipp Michler e [13] Justin Klein.  

    Treinador: Christian Zarod

     H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C) (1), [22] Luís Silva, [79] Alexandre Marques “Xanoca” (1), [53] Pedro Vaz, [57] João Silva “Janeka” (1), [4] Daniel Matias e [58] Tiago Mateus. Não jogou: [10] Samuel Santos (GR)

    Treinador: João Simões

    Faltas de Equipa: 8-8

    Disciplina: Nada a assinalar.

    Resultado ao intervalo: 1-2

    Resultado Final: 2-3

    No próximo dia 26 de novembro de 2016, às 21 horas, o HCT joga em casa a 2ª Mão desta pré-eliminatória e partirá para o jogo de volta com apenas um golo à maior que os vice-campeões alemães, o S.K. Germania Herrigen, um adversário de valor, que vendeu cara a derrota e que trouxe dificuldades já esperadas pelos responsáveis turquelenses.

    Nesta quarta-feira, 9 de novembro pelas 21:30 horas, os alvinegros colocam em dia a jornada do Nacional da 1ª Divisão, deslocando-se até ao pavilhão da Luz para defrontarem o campeão nacional e europeu, S.L. Benfica, na quinta ronda da prova. Na pré-temporada as duas equipas defrontaram-se na Elite Cup em Coimbra e a vitória sorriu aos encarnados por 6-1. Vamos todos à Luz apoiar a nossa equipa, para que desta vez a história se possa escrever de maneira diferente.

    Fotos: Reiner Mroß

    Perícia e Mini-Hóquei foram um sucesso

    O evento de Perícia e Mini-Hóquei (3x3) organizado em parceria pela Associação de Patinagem de Leiria e pelo Hóquei Clube de Turquel e que teve lugar na tarde de Domingo, 30 de outubro de 2016 no Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel, foi um verdadeiro sucesso e trouxe prática organizada a 60 jovens atletas do escalão de Escolares. Alguns clubes das Associações de Patinagem de Leiria e do Ribatejo responderam ao apelo e a organização do evento não regateou esforços para proporcionar a todos uma tarde inesquecível para pequenos e graúdos. Indo ao encontro do estipulado no Planeamento da Associação de Patinagem de Lisboa, que tem organizado as provas regionais destas Associações nos últimos três anos, foi dado mais um passo para a evolução do Hóquei em Patins na região. De referir que este foi um evento grátis para todos os clubes, que contou com seis dezenas de atletas de entre sete clubes e que teve a particularidade de promover novas experiências e contacto entre os jovens, numa perspetiva social muito interessante.

    Num primeiro momento foram montados dois circuitos de perícia distintos em cada meio-campo, um para trabalho por áreas de exercício e um outro para trabalho em circuito. Na sala anexa os guarda-redes fizeram trabalho específico da posição. Posteriormente foi realizado um torneio de Mini-Hóquei (3x3) em dois campos reduzidos, num total de 42 jogos, com uma dinâmica assinalável e com os tempos previstos a serem cumpridos na íntegra, e até antecipados.

    Confira o número de atletas por equipa:

    Clubes

    Associação de Patinagem

    Nº de Equipas de Mini-Hóquei (3x3)

    Nº de Atletas

    Associação Alcobacense CD

    Leiria

    1

    4

    BIR Valado dos Frades

    Leiria

    2

    8

    Clube Natação de Rio Maior

    Ribatejo

    1

    5

    Hóquei Clube Santarém

    Ribatejo

    1

    5

    Hóquei Clube Tigres de Almeirim

    Ribatejo

    2

    9

    Hóquei Clube de Turquel

    Leiria

    5

    20

    Sporting Clube Marinhense

    Leiria

    2

    9

    Totais

    Leiria (4)/Ribatejo (3)

    14

    60

    Confira o Calendário do evento:

    14:00h

    PISTA

    SALA ANEXA

       

    PERÍCIA

    TREINO ESPECÍFICO DE GUARDA-REDES

       

    MINI-HÓQUEI (3x3)

       

    CAMPO 1

    CAMPO 2

       

    Hora

    Série

    Jogo

    Hora

    Série

    Jogo

     

    MINI-HÓQUEI (3X3)

    14:35h

    A

    HC Turquel 1 – HC Turquel 2

    14:35h

    B

    HC Turquel 3 – HC Turquel 4

     

    SÉRIE A

    SÉRIE B

    14:45h

    A

    BIR Valado Frades 1 – HC Tigres 1

    14:45h

    B

    HC Turquel 5 – BIR Valado Frades 2

     

    HC Turquel 1

    HC Turquel 3

    14:55h

    A

    A Alcobacense CD – HC Santarém

    14:55h

    B

    HC Tigres 2 – SC Marinhense 2

     

    HC Turquel 2

    HC Turquel 4

    15:05h

    A

    HC Turquel 1 – SC Marinhense 1

    15:05h

    B

    HC Turquel 3 – CN Rio Maior

     

    BIR Valado dos F. 1

    HC Turquel 5

    15:15h

    A

    HC Turquel 2 – HC Tigres 1

    15:15h

    B

    HC Turquel 4 – BIR Valado Frades 2

     

    HC Tigres 1

    BIR Valado dos F. 2

    15:25h

    A

    BIR Valado F. 1 – A Alcobacense CD

    15:25h

    B

    HC Turquel 5 – HC Tigres 2

     

    A Alcobacense CD

    HC Tigres 2

    15:35h

    A

    HC Santarém – SC Marinhense 1

    15:35h

    B

    SC Marinhense 2 – CN Rio Maior

     

    HC Santarém

    SC Marinhense 2

    15:45h

    A

    HC Turquel 1 – HC Tigres 1

    15:45h

    B

    HC Turquel 3 – BIR Valado Frades 2

     

    SC Marinhense 1

    CN Rio Maior

    15:55h

    A

    HC Turquel 2 – BIR Valado Frades 1

    15:55h

    B

    HC Turquel 4 – HC Turquel 5

       

    16:05h

    A

    A Alcobacense CD – SC Marinhense 1

    16:05h

    B

    HC Tigres 2 – CN Rio Maior

       

    16:15h

    A

    HC Tigres 1 – HC Santarém

    16:15h

    B

    BIR Valado F. 2 – SC Marinhense 2

       

    16:25h

    A

    HC Turquel 1 – BIR Valado Frades 1

    16:25h

    B

    HC Turquel 3 – HC Turquel 5

       

    16:35h

    A

    HC Tigres 1 – SC Marinhense 1

    16:35h

    B

    BIR Valado Frades 2 – CN Rio Maior

       

    16:45h

    A

    HC Turquel 2 – A Alcobacense CD

    16:45h

    B

    HC Turquel 4 – HC Tigres 2

       

    16:55h

    A

    HC Turquel 1 – HC Santarém

    16:55h

    B

    HC Turquel 3 – SC Marinhense 2

       

    17:05h

    A

    BIR Valado F. 1 – SC Marinhense 1

    17:05h

    B

    HC Turquel 5 – CN Rio Maior

       

    17:15h

    A

    HC Tigres 1 – A Alcobacense CD

    17:15h

    B

    BIR Valado Frades 2 – HC Tigres 2

       

    17:25h

    A

    HC Turquel 2 – HC Santarém

    17:25h

    B

    HC Turquel 4 – SC Marinhense 2

       

    17:35h

    A

    HC Turquel 1 – A Alcobacense CD

    17:35h

    B

    HC Turquel 3 – HC Tigres 2

       

    17:45h

    A

    HC Turquel 2 – SC Marinhense 1

    17:45h

    B

    HC Turquel 4 – CN Rio Maior

       

    17:55h

    A

    BIR Valado Frades 1 – HC Santarém

    17:55h

    B

    HC Turquel 5 – SC Marinhense 2

       

    FINAL

       
  • Sofrimento Desnecessário

    Terceiro de três jogos em casa depois dos empates frente a Candelária (4-4) e Sarzana (2-2) e margem de erro muito reduzida para o HCT, assim como para o seu adversário, o C.D. Paço de Arcos. O jogo foi quezilento, mas sempre ritmado, com muita i
  • Carnaval em Turquel está a chegar

    Nos próximos dias 26 (Domingo) e 28 (Terça-Feira) de fevereiro de 2017, vai ter lugar o tradicional Corso de Carnaval em Turquel, com a organização mais uma vez a ficar a cargo da estrutura do Hóquei Clube de Turquel. O povo mobiliza-se em massa
  • Tudo em aberto para a segunda mão em Itália

    Após duplo confronto com equipas alemãs na Pré-Eliminatória e nos Oitavos-de-Final da Taça CERS, a equipa comandada por João Simões recebeu na primeira mão dos quartos-de-final o CARISPEZIA Hockey Sarzana, nono classificado da Série A 1 ital
  • Repartição de pontos inesperada

    Regresso a casa depois dos desaires em Walsum (5-2) e em Valença (6-2) e perspetiva de “limpar a imagem” frente aos açorianos do Candelária (Ilha do Pico). Perante um pavilhão ávido de triunfos, os “brutos dos queixos” protagonizaram um
  • Dificuldades inesperadas ditaram nova derrota

    Vindos de uma viagem à Alemanha que trouxe um amargo de boca pela derrota (5-2), mas não pela passagem aos quartos-de-final da Taça CERS (5-6 para os turquelenses no agregado das duas mãos), o HCT viajou até ao “coruto de Portugal”, mais pre
pub1.png

Video da Semana

Publicidade

Corso Carnaval 2017 01

Formação

facebook

 
 

.

Localização

Contactos

Telefone: 262919 244

email: secretaria@hct.pt

web: www.hct.pt