Após uma vitória importante em Tomar (2-5) que, conjugada com outros resultados, garantiu matematicamente a manutenção na 1ª Divisão, o HCT recebeu uma equipa em grandes dificuldades na tabela classificativa, o Valença H.C., que só com uma vitória na aldeia do hóquei poderia manter-se na luta pela manutenção. O jogo teve um início que indiciava uma vitória confortável por parte dos da casa (antes dos dez minutos já venciam por 2-0), mas os visitantes agarraram-se à réstia de esperança de se salvarem e conseguiram equilibrar as contas para chegarem ao intervalo a perder por apenas uma bola (3-2). A entrada no segundo tempo levou o jogo para uma toada de parada e resposta e o Valença saiu a ganhar com isso. A equipa de Orlando Graça teve a sorte do jogo e chegou à vantagem pela primeira vez no encontro a 4-5. O HCT ainda empatou a cinco bolas, mas o veterano Luís Viana emergiu nos minutos finais para fechar as contas com dois golos de antologia e dar uma vitória (5-7) fulcral para uma equipa que, na última jornada, passa a depender apenas de si para ficar na 1ª divisão. No que diz respeito às contas turquelenses esta derrota teve tanto de inesperada como de perigosa, pois a equipa, com um jogo por realizar, ainda corre em busca de pelo menos manter o nono lugar e o consequente apuramento direto para a Taça CERS.

Primeiro tempo com entrada fogosa dos visitados, logo aos dez segundos Xanoca roubou uma bola a José Campos "Ziga" e foi derrubado por este em situação eminente de perigo. Sem contemplações com a infração do camisola 44 valenciano, o árbitro Miguel Guilherme puxou do cartão azul e mostrou-o a Ziga. O capitão turquelense Vasco Luís avançou para o livre direto, mas permitiu a defesa ao “saltitão” Rodolfo Sobral (excelente exibição!). Em superioridade numérica os da casa demoraram tempo a engrenar, mas conseguiram inaugurar o marcador por intermédio de Vasco Luís, ele que se redimiu do desperdício do livre direto e finalizou de primeira, na área, uma excelente assistência de Luís Silva. Aos nove minutos numa jogada de excelente entendimento entre Xanoca e Vasco Luís, o primeiro assistiu o segundo e o 2-0 surgiu com naturalidade no “bis” do capitão alvinegro. O Valença reagiu e tentou fazer pela vida, indo em busca do único resultado que lhe poderia interessar, a vitória. A pouco mais de dez minutos do descanso Ziga ludibriou Luís Silva e “furou” a oposição de Tuga com um remate violento, reduzindo para 2-1 e seis minutos depois foi Gil Vicente a finalizar uma jogada de laboratório que teve assistência primordial do veterano Luís Viana “Zorro”, ele que viria a ser decisivo mais à frente no jogo. O Turquel acordou da letargia em que se encontrava mergulhado e reagiu menos de três minutos depois num potente remate de meia-distância por parte de Pedro Vaz, ele que aproveitou um bom bloqueio direto de Janeka para voltar a colocar os visitados na frente (3-2). Até ao intervalo destaque apenas para uma bola na área do Valença, jogada pelo patim do capitão minhoto Miguel Fernandes “Micha” ele que curiosamente acumula as funções de atleta e também de, imagine-se, presidente do clube. A dupla de arbitragem lisboeta (Miguel Guilherme e Ricardo Leão) nada assinalou e ao intervalo a vantagem de 3-2 era magra, dada a superioridade evidente dos turquelenses.                    

O início da segunda metade ficou marcado por um lance em tudo idêntico ao do final da primeira, mas na área alvinegra, com Pedro Vaz a tocar a bola com o patim e desta feita com Miguel Guilherme a não ter dúvidas e a apontar para a marca da grande penalidade. Chamado à conversão do castigo Zé Braga foi assertivo e voltou a igualar a contenda (3-3). No minuto seguinte o argentino Guido Pellizari derrubou Xanoca de forma ostensiva e viu a cartolina azul, mas chamado à conversão do devido livre direto Janeka não fez melhor do que Vasco Luís no início do jogo e permitiu a defesa a Rodolfo Sobral. A jogar em superioridade numérica a equipa turquelense pareceu atordoada, mas conseguiu voltar para a frente do marcador (4-3), depois de Janeka assistir Pedro Vaz e este “bisar” ao atirar rasteiro ao meio da baliza, com o guardião Rodolfo Sobral a ficar um pouco mal na fotografia. No minuto seguinte caiu a 10ª falta de equipa do Turquel e Zé Braga avançou para a marca de livre direto para enfrentar Samuel Santos (entrou para tentar defender o castigo), igualando o jogo a quatro bolas. A partir daqui o encontro ficou quezilento e desgarrado e os da casa saíram a perder, somando 11 faltas de equipa em apenas catorze minutos e vendo os de Valença sobressaírem no encontro. A cerca de treze minutos do fim Guido Pellizari aproveitou uma sobra à entrada da área de Tuga e stickou forte e colocado à meia volta, surpreendendo o guardião turquelense no 4-5. Três minutos depois caiu a 10ª falta de equipa do Valença, mas Xanoca não conseguiu bater Sobral na conversão do livre direto. Na entrada para os dez minutos finais e em desvantagem o HCT carregou sobre o adversário, mas incorreu em demasiadas faltas de equipa, chegando rapidamente às quinze. Novo livre direto para os visitantes, mas desta vez Zé Braga atirou à trave e deixou tudo como estava. Logo a seguir Vasco Luís rompeu pelo meio do denso bloco defensivo do Valença e conseguiu passar Sobral para fazer o seu “hat-trick” e colocar o marcador em 5-5. Faltavam cerca de sete minutos para o término do encontro e as coisas iam “aquecer”, mas o HCT foi com “muita sede ao pote” e acabou por se desequilibrar em ataque permitindo que Luís Viana finalizasse uma boa transição de 3x2, com remate frontal no 5-6 e que viesse a “bisar”, já dentro do último minuto no livre direto da 20ª falta de equipa do HCT, num lance fantástico, carregado de classe e de técnica individual, só ao alcance de um grande artista. Pelo meio destaque para mais um livre direto desperdiçado por Vasco Luís, a castigar a 15ª falta de equipa do Valença, no qual o capitão turquelense atirou a bola por cima. As contas fecharam num 5-7 favorável à equipa mais feliz e inspirada, frente a um Turquel que parecia ter tudo para vencer de forma confortável e que acabou a fazer contas de cabeça na entrada para a última jornada.

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

Dia/Hora: 10 de junho de 2017, às 21H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (25ª jornada)

Árbitros: Miguel Guilherme (Lisboa), Ricardo Leão (Lisboa) e Rui Nave (3º árbitro) (Lisboa)

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [4] Daniel Matias, [22] Luís Silva, [9] Vasco Luís (C) (3), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [10] Samuel Santos (GR), [53] Pedro Vaz (2), [57] João Silva “Janeka” e [24] André Pimenta. Não jogou: [58] Tiago Mateus.

Treinador: João Simões

Valença H.C.: [10] Rodolfo Sobral (GR), [92] Guido Pellizari (1), [20] Miguel “Micha” Fernandes (C), [77] Hélder Martins, [44] José Campos “Ziga” (1), [7] José “Zé” Braga (2), [9] Gil Vicente (1) e [4] Luís Viana “Zorro” (2). Não jogaram: [94] Paulo Matos (GR) e [54] Tiago Pereira “Bolinhas”.

Treinador: Orlando Graça

Faltas de Equipa: 21-15

Disciplina: Cartão Azul a [44] José Campos "Ziga" (VHC), [92] Guido Pellizari (VHC).

Resultado ao intervalo: 3-2

Resultado Final: 5-7

No próximo sábado, dia 17 de junho de 2017 pelas 17 horas locais, mais uma hora em Portugal Continental, o HCT fecha a temporada na ilha do Pico nos Açores, frente ao “aflito” Candelária. Só uma vitória interessa a ambos os conjuntos, mais ainda aos picarotos, que precisam de conquistar os três pontos frente aos turquelenses e esperar que o Riba d’Ave perca no Dragão Caixa e que o Valença pelo menos empate em casa frente ao Tomar. No que diz respeito aos alvinegros, uma vitória, agregada a uma derrota do Tomar em Valença dará o oitavo lugar e o consequente apuramento para a Taça CERS e para a Elite Cup. Por outro lado, uma derrota nos Açores e um empate ou uma vitória do Paço d’Arcos em casa frente à Juventude Viana colocará a equipa de João Simões em décimo lugar e fora das competições europeias. Na primeira volta em Turquel as equipas empataram a quatro bolas.