Jogo decisivo para Candelária e Turquel nos Açores, mais precisamente na Ilha do Pico, em jogo a contar para a 26ª e derradeira jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão. Só uma vitória em terras picarotas e uma derrota do Tomar em Valença garantiria à equipa de João Simões o oitavo posto e o apuramento para a Taça CERS e para a Elite Cup. Quanto aos da casa, apenas um triunfo e a conjugação de outros dois resultados (derrota do Riba d’Ave e perca de pontos do Valença) poderia garantir a manutenção à equipa comandada pelo treinador/jogador, Tiago Resende, ele que terminou a carreira neste jogo. A entrada na partida foi dinâmica e mandona por parte dos visitantes, colocando o adversário em sentido. O HCT adiantou-se no marcador, permitiu o empate, mas saiu para o intervalo com uma vantagem de 1-3 que lhe permitiu gerir o segundo tempo com propriedade, defendendo a contento e contra atacando de forma mortífera, conseguindo mais três tentos nesse capítulo do jogo, contra apenas um do adversário, até ao 2-6 final. Os irrequietos Daniel Matias e Luís Silva, com um “bis” cada um, foram os elementos em maior destaque nos alvinegros, naquela que foi uma das melhores exibições da temporada, na melhor altura possível, dado que o Tomar perdeu mesmo em Valença (5-0) e o HCT garantiu mesmo o que pretendia.

Início de jogo marcado pela intensidade e também pelo pragmatismo alvinegro que logo aos dois minutos inaugurou o marcador num contra-ataque de 4x3, com Daniel Matias a conduzir e a “disparar” um míssil que só parou no fundo da baliza de Diogo Rodrigues “Matraco”. O Candelária, a necessitar desesperadamente da vitória, acabou por reagir e conseguiu igualar através de um penalty superiormente convertido por Tiago Resende (33 anos), naquele que pode ter sido o último golo da carreira do capitão e treinador do Candelária (despediu-se visivelmente emocionado no final do jogo). O 1-1 colocou “água na fervura” e ambos os conjuntos começaram a arriscar apenas e só pela certa. A oito minutos do intervalo Xanoca derrubou Pedro Afonso de forma involuntária, mas o camisola 79 turquelense, a realizar o seu último encontro de alvinegro ao peito, não se livrou da cartolina azul. O livre direto acabou por não dar em nada pois Tuga parou a tentativa de Pedro Afonso e os visitados acabaram por pagar bem caro o desperdício quatro minutos depois, com Vasco Luís a desviar uma excelente assistência de Pedro Vaz, num lance de laboratório, perfeitamente executado que deu o 1-2. À beira do intervalo Xanoca foi derrubado de forma ostensiva quando se ia isolar perante Matraco e o árbitro minhoto, Florindo Cardoso, apontou para a marca de livre direto, mesmo sem mostrar a cartolina azul ao jogador da casa. Chamado à responsabilidade de tentar converter o livre direto, Janeka não vacilou e “quebrou os rins” ao guardião contrário, dando uma “almofada de conforto” (1-3) aos visitantes na ida para os balneários.        

Na etapa complementar o Candelária “agarrou-se” à réstia de esperança que tinha para se poder manter na 1ª Divisão, mas caiu na tentação de subir em demasia as suas linhas e expôs-se de forma perigosa, sendo que aos sete minutos sofreu o 1-4, depois de Daniel Matias finalizar um contra-ataque de 3x2, com assistência do capitão Vasco Luís. Ainda assim, os da casa conseguiram reagir de forma positiva e um minuto depois André Moreira (futuro reforço do HCT), num lance de insistência junto da baliza de Tuga, reduziu para 2-4, sendo que Pedro Vaz viu a cartolina azul por protestos na sequência de um lance que parece ter sido precedido de falta de Moreira sobre Tuga. A jogar em inferioridade numérica durante dois minutos os turquelenses tiveram um verdadeiro teste à sua resistência e responderam de forma positiva, tapando todos os caminhos para a sua baliza e resistindo à enormepressão dos picarotos. A doze minutos do fim do jogo os da “aldeia do hóquei” deram a “machadada final” no jogo e no adversário (derrota despromovia automaticamente o Candelária à 2ª Divisão), com Luís Silva a receber um passe de Vasco Luís desde a direita do ataque e a encarar Matraco para fazer o 2-5. Um minuto depois as diferenças acentuaram-se e os protagonistas foram os mesmos, já que Luís Silva surgiu de novo na cara de Matraco e voltou a não perdoar, “bisando” e fixando o resultado no 2-6 com que se haveria de chegar ao fim do encontro e que confirmou a descida do Candelária e a subida do HCT ao oitavo lugar, fruto da derrota do Tomar em Valença por 5-0. No final do jogo destaque para a despedida emocionada do capitão e treinador dos insulares, Tiago Resende, ele que se formou no C.D. Paço d’Arcos, sendo contemporâneo de Tuga no clube da linha e que no final deste encontro disse adeus à modalidade enquanto atleta, num ano em que completa 33 anos de idade. O estilo e a conduta de Resende deixarão saudades pela forma de estar e pela qualidade demonstrada ao longo dos anos. Bem-haja!

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Gimnodesportivo da Candelária – Ilha do Pico, Açores

Dia/Hora: 17 de junho de 2017, às 17H locais (18H em Portugal Continental)

Competição: Campeonato Nacional da 1ª divisão de Hóquei em Patins 2016/17 (26ª jornada)

Árbitros: Florindo Cardoso (Minho), Rui Martins (Ponta Delgada) e José Pereira (3º árbitro) (Pico)

Candelária S.C.: [10] Diogo Rodrigues “Matraco” (GR), [3] Tiago Resende (C) (1), [23] Pedro Afonso, [6] João Vieira “Johe”, [8] Alan Fernandes, [7] André Moreira (1), [5] Márcio Nunes e [20] Edgar Pereira “Piló”. Não jogaram: [11] Milton Jorge (GR) e [9] Paulo Pereira.

Treinador/Jogador: Tiago Resende

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [4] Daniel Matias (2), [22] Luís Silva (2), [9] Vasco Luís (C) (1), [79] Alexandre Marques “Xanoca”, [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta e [57] João Silva “Janeka”. Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

Treinador: João Simões

Faltas de Equipa: 7-13

Disciplina: Cartão Azul a [79] Alexandre Marques “Xanoca” (HCT) e [53] Pedro Vaz (HCT).

Resultado ao intervalo: 1-3

Resultado Final: 2-6

A época 2016/2017 terminou para os alvinegros e apesar de reconhecidamente os comandados de João Simões terem rubricado uma temporada menos conseguida, a equipa turquelense conseguiu chegar ao oitavo lugar no Campeonato Nacional da 1ª Divisão, foi eliminada pelo S.L. Benfica no “golo de ouro” em casa para a Taça de Portugal e caiu às portas da Final Four da Taça CERS com nova derrota em “golo de ouro” frente aos italianos do CARISPEZIA Hockey Sarzana. Ainda assim, a sua prestação acabou por chegar para garantir o acesso direto à Taça CERS e também ao prestigiado torneio de pré-época, “Elite Cup”, que este ano se realiza no início de outubro, e que reúne os oito primeiros classificados do campeonato anterior.

Na próxima temporada, com o novo técnico Jorge Godinho aos comandos da “nau alvinegra”, espera-se uma época igualmente difícil, mas também se deseja que a equipa possa “navegar por mares bem mais tranquilos” do que os “velejados” ao longo deste ano.