Na “ressaca” do empate (2-2) no “Clássico” frente ao Tomar em casa, o HCT, sem tempo para “respirar”, deslocou-se a Viana do Castelo na 9ª jornada do Nacional da 1ª Divisão. Jogo muito difícil, frente ao adversário com a média de idades mais alta da 1ª Divisão e a perceção de que, apesar do momento menos bom que a equipa atravessava, era possível trazer pontos do Minho, com uma exibição sólida, baseada na consistência defensiva. Perante tal adversário, e a jogar no Pavilhão de Monserrate, a equipa de Jorge Godinho sabia que qualquer erro poderia ser fatal e deixar a Juventude Viana passar para a frente do marcador poderia significar a perca dos três pontos. Com um primeiro tempo imaculado e até com algum ascendente, os alvinegros mostraram que traziam a lição bem estudada, apresentando um fantástico rigor defensivo, mas como vem sendo hábito nos últimos jogos foram muito pouco eficazes nas transições ofensivas e em ataque planeado, levando o jogo para o intervalo com um nulo no marcador. A entrada visitante no segundo tempo teve tanto de inexplicável como de desastrosa e aos quatro minutos os “brutos dos queixos” já perdiam por 2-0, depois de na primeira parte não terem dado qualquer hipótese ao adversário de desfeitear Tuga. A reação aos dois golos sofridos foi forte, mas teve a particularidade de ser sempre sucedida de novo golo visitado, depois do 2-1 chegou logo o 3-1 e depois do 3-2 veio o 4-2 final, funcionando como dois “socos no estômago”, numa equipa pouco confiante, que acabou por ser infeliz em alguns momentos na hora de finalizar e que também não teve sorte no que saiu do trabalho da dupla de arbitragem.

Primeira metade do jogo muito positiva por parte do HCT, que entrou em rinque de forma consistente, mostrando muito rigor defensivo e excelente proteção ao seu guardião Tuga, que se sentiu como “peixe na água” a proteger as suas redes. Os ataques pelos corredores laterais dos veteranos da Juventude Viana, Tó Silva e André Azevedo (41 anos de idade para cada um), esbarraram sempre no “muro” defensivo construído à frente da área de Tuga e a equipa, apesar de não estar a conseguir explodir no contra-ataque, tinha ascendente sobre os visitados, colocando em sentido Jorge Correia na baliza vianense. O experiente guardião dos da casa cotou-se mesmo como uma das figuras do primeiro tempo, evitando alguns golos cantados e vendo Luís Silva atirar ao poste. Do outro lado, o argentino Emanuel Garcia, reforço dos minhotos para esta temporada, tinha entrado em rinque para colocar em sentido o último reduto turquelense, mas não conseguiu fazer a diferença para mexer com o resultado. Ao intervalo o nulo que se verificava no marcador penalizava mais os visitantes, num jogo bastante calmo, com apenas quatro faltas de equipa para cada lado.             

Na etapa complementar, quando se previa que a toada se iria manter, as “três equipas” inverteram posturas, o Viana entrou com tudo para conseguir chegar-se à frente e, com base na experiência dos “quarentões”, Tó Silva e André Azevedo, e dos “trintões”, Nelson Pereira e Emanuel Garcia, inauguraram o marcador logo aos dois minutos, num excelente desvio de Emanuel Garcia, que fugiu à marcação de Pedro Vaz para receber uma primorosa assistência de Tó Silva e fazer o 1-0. Ainda mal se tinham refeito do primeiro golo, já os turquelenses estavam a sofrer o segundo, num lance tirado a “papel químico” do anterior, mas desta feita com André Azevedo a assistir Emanuel Garcia para este “bisar”, ludibriando a oposição de André Pimenta e desviando de forma fantástica o esférico com apenas uma mão no stique para o fundo das redes de Tuga. O técnico Jorge Godinho pediu o seu “timeout” para acalmar as hostes alvinegras e a paragem surtiu efeito, pois logo a seguir, André Pimenta assistiu de forma aérea André Moreira no interior da área e este, na cara de Jorge Correia, desviou para fazer o 2-1. Renascia a esperança dos forasteiros, quando ainda haviam vinte minutos pela frente. Contudo, dois minutos depois, Tó Silva e André Azevedo (o segundo assistiu o primeiro) ultrapassaram a oposição de Luís Silva e de Vasco Luís, combinando quase de “olhos fechados”, numa transição rápida de 2x2, e voltaram a repor a vantagem visitada em dois golos (3-1). Um revés grande na crença turquelense que, apesar de tudo, não se deixou abater e foi em busca de encurtar de novo as diferenças, conseguindo-o quatro minutos depois, num excelente contra-ataque 4x3 em que André Moreira assistiu de forma sublime Vasco Luís ao segundo poste e o capitão só teve de encostar para fazer o 3-2. Voltava a acreditar o conjunto orientado por Jorge Godinho, mas a equipa estava tapada por faltas, muito por força de uma arbitragem desconcentrada e implicativa de Paulo Almeida (Aveiro) e de Florindo Cardoso (Minho), que produziram erros primários e desconexões nas decisões em catadupa ao longo de toda a segunda parte. A 10ª falta de equipa dos alvinegros caiu a cerca de doze minutos do fim e, chamado à conversão do devido livre direto, Emanuel Garcia enganou Tuga, fazendo o seu “hat trick” com muita classe, mostrando (se dúvidas existissem!) ser reforço de peso para a formação orientada por Renato Garrido. Até final o HCT subiu as suas linhas e foi em busca de conseguir aproximar-se no resultado, sendo que as melhores oportunidades para reduzir surgiram num contra-ataque 3x2 conduzido por Pedro Vaz. O camisola 53 do HCT stickou forte da zona central, numa primeira instância Jorge Correia defendeu para a sua esquerda, Daniel Matias recargou à trave, Pedro Vaz fez uma segunda recarga para defesa de recurso do guarda-redes vianense e Luís Silva, solto no coração da área, atirou incrivelmente por cima na terceira recarga do lance. Na entrada do último minuto do encontro, livre direto da 10ª falta de equipa da Juventude e Janeka, que tinha saltado do banco dois minutos antes, permitiu a defesa a Jorge Correia na tentativa de transformação do castigo. O encontro terminou logo depois com o 4-2 para os da casa a prevalecer.

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Municipal de Monserrate – Viana do Castelo

Dia/Hora: 16 de dezembro de 2017, às 21:30H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (9ª jornada)

Árbitros: Paulo Almeida (Aveiro), Florindo Cardoso (Minho), Sílvia Coelho [3º árbitro] (Porto), Bruno Antão [4º Árbitro] (Minho)

A. Juventude Viana: [28] Jorge Correia (GR), [16] André Azevedo, [37] Nelson Pereira, [8] Tó Silva (C) (1), [6] Francisco “Chico” Silva, [84] Emanuel Garcia (3), [7] João Guimarães, [22] Nuno Santos e [2] Gustavo Lima. Não jogou: [3] Paulo Matos (GR).

Treinador: Renato Garrido

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [4] Daniel Matias, [22] Luís Silva, [9] Vasco Luís (C) (1), [7] André Moreira (1), [24] André Pimenta, [53] Pedro Vaz e [57] João Silva “Janeka”. Não jogaram: [10] Samuel Santos (GR) e [58] Tiago Mateus.

Treinador: Jorge Godinho

Faltas de Equipa: 10-13

Disciplina: Nada a assinalar.

Resultado ao Intervalo: 0-0

Resultado Final: 4-2

No próximo fim-de-semana a competição sofre um interregno para as comemorações natalícias e a ação volta na semana seguinte, mais precisamente a 30 de dezembro de 2017 pelas 21 horas, com o HCT a receber a U.D. Oliveirense/Simoldes no Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel, formação comandada por Tó Neves e que entra no lote das quatro melhores equipas do país. Um teste duríssimo para a equipa de Jorge Godinho, que terá de mostrar a sua “melhor cara” para poder pensar em “retirar” pontos deste encontro. O apoio de todos é fundamental!   

Fotos: Catarina Maria