A quatro jornadas do fim do campeonato e com a manutenção à distância de poucos pontos, o HCT deslocou-se até Oliveira de Azeméis para defrontar a União local, na tentativa de trazer pelo menos um ponto na bagagem. Perante um conjunto recheado de jogadores de valia individual do melhor que há no mundo e depois da mudança de treinador (saída de Tó Neves e entrada de Renato Garrido) a tarefa dos comandados de Nelson Lourenço adivinhava-se difícil. Tal facto veio a constatar-se, pois a rotatividade imposta por Garrido na sua equipa deixou sempre o ritmo de jogo muito alto e os turquelenses tiveram dificuldades, principalmente no segundo tempo, em parar a avalanche ofensiva dos unionistas. Apesar de tudo a primeira parte foi equilibrada, com os de Turquel a mostrarem alguns argumentos e a chegarem amiúde junto da baliza do catalão Xevi Puigbí. A Oliveirense foi eficaz perante o desperdício dos forasteiros e foi para o intervalo a vencer por 2-0. O início do segundo tempo foi decisivo nas contas finais, a equipa turquelense ainda aguentou o ímpeto caseiro durante cinco minutos, mas depois das mexidas os “brutos dos queixos” perderam-se até ao 8-0 final, sem nunca terem conseguido criar real perigo junto da baliza adversária. O resultado foi pesado, mas a exibição foi cinzenta e com pouca chama.

Entrada na primeira parte com Renato Garrido a surpreender e a mexer no seu cinco inicial habitual, deixando o capitão Ricardo Barreiros e o avançado João Souto no banco, fazendo entrar para o seu lugar o rapidíssimo Jepi Selva e o pivot ofensivo Pablo Cancela. Os dois espanhóis entraram com tudo, a quererem mostrar serviço e tiveram a ajuda dos seus compatriotas Xevi Puigbí (GR) e Jordi Bargalló, bem como de Pedro Moreira, o único português no cinco inicial dos visitados. O HCT não se intimidou, ajustou marcações e conseguiu algum ascendente, tendo inclusivamente superioridade nos momentos de posse de bola, apesar de não ter sido muito prático no ataque à baliza contrária. Aos sete minutos André Pimenta e Vasco Luís surgiram em boa posição num contra-ataque de 2x1, mas a bola não chegou à baliza de Puigbí e na resposta, num ataque rápido 3x3, Bargalló mostrou classe e assistiu de forma primorosa Pablo Cancela que finalizou de forma perfeita no ar, inaugurando o marcador. Sete minutos depois, em momento defensivo organizado, Pedro Vaz escorregou na primeira linha e Jepi Selva aproveitou o infortúnio do defesa alvinegro para desferir uma bomba de meia distância, que só parou no fundo da baliza de Tuga. O 2-0 era ingrato e injusto para os de Turquel que até a esta altura tinham feito por merecer um pouco mais. Até ao intervalo os forasteiros tentaram de tudo para reduzir diferenças, mas a organização defensiva dos visitados não permitiu grandes momentos de perigo junto da sua baliza e o marcador não se alterou até ao descanso.  

No segundo tempo os da aldeia do hóquei conseguiram suster a entrada forte da Oliveirense, que tentou de tudo para decidir as coisas bem cedo, mas os de Turquel apenas aguentaram seis minutos, já que num contra-ataque 3x2 muito bem delineado, Pedro Moreira assistiu Pablo Cancela na esquerda e este fletiu para dentro para ludibriar Tuga com uma bola colocada ao primeiro poste, “bisando” e fazendo o 3-0 que deu uma “machadada” forte nas aspirações visitantes. Para agravar a situação, no minuto seguinte, o “gigante” Jordi Bargalló, em iniciativa individual, fletiu da esquerda para o centro da área e colocou a bola no fundo das redes de Tuga, fazendo o 4-0 que “acabou” com a reação dos de Turquel. A partir daqui o coração começou a funcionar à frente da cabeça e as coisas tornaram-se muito mais difíceis. Aos onze minutos, num lance flagrante, Xevi Puigbí levantou-se da baliza para disputar uma bola na tabela de fundo com Vasco Luís, tendo derrubado de forma inequívoca e grosseira o capitão turquelense. Os árbitros do encontro Paulo Almeida (Aveiro) e Júlio Teixeira (Minho) não viram a evidência e na sequência do lance, por protestos e já com o jogo parado, Tuga viu-lhe ser mostrada a cartolina azul. Uma situação clara de azul para Puigbí foi transformada em azul para Tuga e em inferioridade numérica, já com Samuel Santos na baliza, Jordi Bargalló acabou por “bisar” e fazer o 5-0 com um remate seco e colocado ao primeiro poste. Sete minutos depois Daniel Matias derrubou Jepi Selva no interior da sua área e o penalty foi prontamente assinalado, com Ricardo Barreiros a puxar dos galões e a fazer o 6-0 na transformação do castigo, sendo que Samuel Santos ainda tocou no esférico, apesar de não ter conseguido evitar o tento visitado. Dois minutos depois foi a vez de João Souto inscrever o seu nome na lista de marcadores, ao aproveitar duas recargas para fazer golo à segunda, num momento de passividade da defesa turquelense, que permitiu o 7-0. A dois minutos do apito final o mesmo João Souto viria também ele a “bisar“, aproveitando uma descoordenação entre Samuel Santos e a sua defensiva, para “enfiar” a bola pelo “buraco da agulha”, selando o 8-0 final, que acaba por ser um resultado demasiado pesado, numa vitória sem contestação da melhor equipa em rinque.    

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Dr. Salvador Machado – Oliveira de Azeméis

Dia/Hora: 19 de maio de 2018, às 17H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (23ª jornada)

Árbitros: Paulo Almeida (Aveiro), Júlio Teixeira (Minho), José Mendes [3º Árbitro] (Aveiro), Sérgio Silva [4º Árbitro] (Aveiro)

U.D. Oliveirense/Simoldes: [88] ­Xavier “Xevi” Puigbí (GR), [9] Jordi Bargalló (2), [7] Pedro Moreira, [29] Josep “Jepi” Selva (1), [74] Pablo Cancela (2), [26] Domingos Pinho (GR), [77] Ricardo Barreiros (C) (1), [4] Nuno Araújo, [44] João Souto (2) e [84] Jordi Burgaya.

Treinador: Renato Garrido

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [4] Daniel Matias, [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C), [7] André Moreira, [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva, [53] Pedro Vaz, [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus.

Treinador: Nelson Lourenço

Faltas de Equipa: 8-4

Disciplina: Cartão azul a [13] Marco Barros “Tuga” (HCT).

Resultado ao intervalo: 2-0

Resultado Final: 8-0

No próximo sábado, 26 de maio de 2018 pelas 21:30 horas, encontro de vital importância para os turquelenses, que se deslocam a Valença na 24ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão. Uma vitória alvinegra bem lá no cimo de Portugal Continental garante automaticamente a manutenção na 1ª Divisão à equipa comandada por Nelson Lourenço, mesmo que o Valença vença as duas últimas partidas (Oliveirense e Valongo em casa), nas duas últimas jornadas, e o Turquel perca os seus dois jogos (Valongo em casa e Braga fora). Na primeira volta em Turquel a vitória sorriu aos turquelenses por tangenciais 4-3.

Fotos de Arquivo: Catarina Maria