Foi em clima de festa e num ambiente totalmente infernal que os Seniores do HCT se despediram do seu público na temporada 2017/2018. O Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel engalanou-se e as suas bancadas estiveram muito bem compostas na receção ao Valongo, em jogo a contar para 25ª e penúltima jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão. Depois da vitória em Valença (2-5) ter permitido assegurar matematicamente a manutenção, os alvinegros partiram em busca de uma vitória num dos últimos dois jogos (Valongo em casa e Braga fora) para assegurarem também a presença na edição de 2018/2019 da Taça CERS. Os comandados de Nelson Lourenço entraram com tudo, ainda tremeram com as incidências atribuladas da partida, mas decidiram não deixar para a última, obtendo um fantástico triunfo (8-6) frente a uma equipa do Valongo jovem e poderosa, mas que foi incapaz de reverter o elã dos da casa, após a tranquilidade da manutenção. Os cinco golos anotados pelo capitão e artilheiro Vasco Luís deram o mote para uma noite épica que teve de tudo, até uma arbitragem complicativa de uma das duplas mais conceituadas do país. No final houve homenagem bonita e sentida do clube a Janeka, Pedro Vaz, Tuga e Daniel Matias, quatro atletas que deixarão de fazer parte dos quadros alvinegros na próxima temporada. As famílias dos quatro estiveram presentes, foram entregues algumas lembranças, houve discurso de todos eles e o público não arredou pé, correspondendo com cânticos e aplausos, sendo que a beleza e emoção do momento ficarão guardadas para sempre na memória de todos os presentes.

Primeiro tempo com entrada demolidora do Valongo no capítulo defensivo, os pupilos de Miguel Viterbo entraram a pressionar em todo o rinque desde o primeiro ao último segundo e isso partiu o jogo por completo, o que até nem se revelou muito mau para as características individuais dos avançados turquelenses Vasco Luís e André Moreira. No entanto, nos primeiros momentos do jogo, a equipa da casa esteve sempre de “costas” para o seu ataque e apresentou algumas dificuldades para movimentos verticais em direção à baliza de Leonardo Pais. Todavia, aos cinco minutos Vasco Luís rompeu ao seu estilo pela esquerda, ganhou a frente a Poka e a Pedro Mendes antes de cair no interior da área do Valongo. O árbitro Miguel Guilherme não teve dúvidas e assinalou penalty que o mesmo Vasco Luís se encarregaria de converter no 1-0, aplicando uma stickada forte e colocada no ângulo superior esquerdo da baliza de Leonardo Pais. Um minuto depois Poka viu a cartolina azul por agarrar ostensivamente André Pimenta numa transição rápida dos alvinegros e livre direto para Vasco Luís desta feita não conseguir converter, atirando em força para boa intervenção do guarda-redes visitante, ele que parece ter-se mexido bem antes da bola partir, sendo que na recarga o capitão do Turquel atirou ao lado. Cinco minutos depois e com o jogo totalmente “partido”, dada a pressão que os forasteiros exerciam, André Moreira combinou com Vasco Luís e assistiu o seu capitão para este atirar rasteiro e colocado, fazendo o seu “bis” e o momentâneo 2-0. A reação do Valongo foi forte, tal como era de esperar e com a rotatividade que é habitual na equipa comandada por Viterbo, os jovens valonguenses ganharam outro fôlego e reduziram para 2-1 a cerca de dez minutos do descanso, numa longa distância de Rúben Pereira, ele que aproveitou o facto de Tuga se encontrar encoberto por outros jogadores aquando da stickada. Cinco minutos volvidos e os forasteiros lograram mesmo o empate, na conversão de uma penalidade por Tuga não ter solto uma bola que estava junto às suas pernas. O “bombardeiro” Poka fez uso da sua poderosa stickada e atirou a contar para deixar tudo empatado (2-2) como no início. Quando se pensava que o jogo poderia arrastar-se até ao intervalo com equilíbrio de forças e poucas mexidas no marcador, eis que Janeka soltou o seu génio, fugiu a Poka pela direita e perante Leonardo Pais fez o 3-2 com uma “picadinha” carregada de classe. No mesmo minuto Janeka lançou Pedro Vaz no cara a cara com Leonardo Pais, o camisola 53 turquelense atirou ao lado, mas na recarga e aproveitando uma descoordenação entre Pedro Mendes e o seu guardião, Vasco Luís atirou a contar, completou o seu “hat-trick” e levou os alvinegros para o intervalo a vencer por 4-2.      

O HCT entrou para o segundo tempo tapado com nove faltas de equipa, mas antes de ter cometido a 10ª, Vasco Luís em jogada individual logo nos primeiros segundos, almejou o seu “poker” com um golo de belo efeito, depois de ter passado com facilidade pela marcação de Xavier Cardoso, dando uma expressão carregada ao marcador e alcançando um inimaginável 5-2. A reação dos valonguenses voltou a ser forte, pois no minutos seguinte, numa fantástica jogada de contra-ataque, Rúben Pereira e Poka combinaram de forma perfeita e o primeiro, com assistência do segundo, encostou para fazer o seu “bis” e o 5-3. No mesmo minuto Janeka patinou com bola desde trás da baliza, sofreu um toque meio no stique, meio na bola por parte de Leonardo Pais e Miguel Guilherme decidiu apitar penalty. Vasco Luís voltou a ir para a marca do castigo máximo, mas atirou um “míssil” à trave da baliza visitante. Na jogada imediatamente a seguir o mesmo Vasco Luís derrubou Rúben Pereira e viu a cartolina azul pela infração. Novo livre direto e Poka seguiu convicto para o frente a frente com Tuga, levando a melhor mais uma vez, “bisando” na partida e reduzindo para 5-4. Dois minutos depois caiu a 10ª falta de equipa do Turquel e Poka voltou à marca do livre direto, desta vez para enfrentar o recém-entrado Samuel Santos. Numa primeira instância o camisola 18 do Valongo atirou ao lado da baliza turquelense, mas na recarga enganou Samuel com um lance de fino recorte técnico, fazendo o seu “hat-trick” e restabelecendo nova igualdade, desta feita a cinco bolas. Este início de segunda metade foi eletrizante, com 4 golos em menos de cinco minutos. Aos dezoito minutos caiu a 10ª falta de equipa do Valongo, mas Luís Silva não conseguiu ultrapassar Leonardo Pais na tentativa de transformação do respetivo livre direto. Volvidos dois minutos André Moreira e Xavi Cardoso envolveram-se em agarrões mútuos longe da bola, com o atleta valonguense a cair no solo e com Miguel Guilherme a mostrar a cartolina azul apenas ao jogador do Turquel. Novo livre direto para Poka e novamente o duelo com Samuel Santos, mas desta feita o defesa-médio forasteiro atirou muito por cima. Com menos um elemento em rinque durante pelo menos dois minutos o HCT defendeu-se como pôde e ainda conseguiu ir lá a frente “picar o ponto”, com Vasco Luís a cair na área depois de um ligeiro toque de Poka e a conseguir mais uma penalidade para a sua equipa. Saltado do banco e com toda a convicção do mundo, Janeka assumiu a responsabilidade em noite de despedida e “bisou” no encontro, batendo Leonardo Pais pela sexta vez na partida. Faltavam 15 minutos para o fim e muito mais ação estava para vir. Ainda a jogar com um elemento a menos e já quase no esgotar do tempo da inferioridade turquelense, Guilherme Silva, assistido por Pedro Mendes, desferiu uma “bomba” do meio da rua, batendo Tuga e fazendo o 6-6. O jogo passou depois por uma fase estranha de acalmia, que não se tinha visto até então, e só a quatro minutos do fim é que as emoções regressaram. Primeiro no livre direto a punir a 15ª falta de equipa do Valongo, livre direto esse que Janeka tentou converter com uma “picadinha”, mas Leonardo Pais fez uma das defesas da noite com a luva esquerda e um minuto depois Rúben Pereira foi derrubado por Daniel Matias em situação prometedora, sendo que Ricardo Leão apontou de imediato para a marca do livre direto, sem admoestar o camisola 4 alvinegro com o cartão azul. Voltou a ser Poka a encarregar-se da transformação do livre direto, sendo que desta vez conduziu o esférico em vez de o bater direto, mas acabou por ser desarmado por Tuga. Não marcou o Valongo, marcou o Turquel, num contra-ataque 3x2 conduzido por Vasco Luís que assistiu Luís Silva na direita e este simulou o passe para André Pimenta ao segundo poste, mas colocou a bola ao primeiro e ludibriou por completo o guardião contrário no 7-6. O público entrou em delírio, o pavilhão ia vindo abaixo, mas faltavam pouco menos de três minutos para o final do encontro e sabia-se que a reação visitante iria ser forte. Nelson Lourenço pediu o seu timeout a cerca de dois minutos do fim para acalmar as hostes e o Valongo decidiu colocar logo o sistema ofensivo de guarda-redes avançado, com Leonardo Pais a sair para dar lugar a um jogador de rinque. O Valongo carregou sobre o último reduto dos da casa, conseguiu alguns lances de perigo junto da baliza de Tuga, mas expôs-se em demasia e numa transição rápida André Moreira assistiu Vasco Luís que bem de fora da área desferiu um remate varrido ao qual Leonardo Pais (entretanto entrado e em corrida desenfreada para voltar à baliza) não conseguiu suster, apesar do voo que efetuou. Estava feita a “manita” (cinco golos) do capitão alvinegro e o 8-6 no marcador, que sentenciou por completo as dúvidas quanto ao vencedor. Até final destaque ainda para novo penalty a favor dos turquelenses, a castigar falta de Pedro Mendes sobre André Moreira, mas o jovem Tiago Mateus, chamado à conversão do castigo atirou ao lado. Com o soar do apito final da dupla de arbitragem de Lisboa a festa implodiu nas bancadas e no rinque, estava consumado o apuramento dos da aldeia do hóquei para a edição de 2018/2019 da Taça CERS, depois de um jogo fantástico que teve emoção a rodos e incerteza total no marcador quase até final. Realce ainda para a homenagem do clube turquelense a Janeka, Pedro Vaz, Tuga e Daniel Matias, eles que não farão parte dos planos alvinegros para a próxima época, registando-se alguns momentos de emoção, mesclada com alegria e sensação de dever cumprido.      

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

Dia/Hora: 2 de junho de 2018, às 21H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (25ª jornada)

Árbitros: Miguel Guilherme (Lisboa), Ricardo Leão (Lisboa), António Peça [3º Árbitro] (Leiria) e Orlando Ramos [4º Árbitro] (Leiria)

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [22] Luís Silva (1), [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C) (5), [7] André Moreira, [10] Samuel Santos (GR), [53] Pedro Vaz, [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” (2) e [58] Tiago Mateus.

Treinador: Nelson Lourenço

A.D. Valongo: [10] Leonardo Pais (GR), [39] Xavier “Xavi” Cardoso, [18] Daniel Oliveira “Poka” (3), [49] Pedro Mendes, [7] Diogo Fernandes, [57] Rúben Pereira (2), [9] Guilherme Silva (1), [20] Luís Melo e [4] Diogo Abreu. Não jogou: [12] Bernardo Mendes (GR).

Treinador: Miguel Viterbo

Faltas de Equipa: 10-15

Disciplina: Cartão azul a [18] Daniel Oliveira “Poka” (ADV), [9] Vasco Luís (HCT) e [7] André Moreira (HCT.

Resultado ao intervalo: 4-2

Resultado Final: 8-6

No próximo sábado, 9 de junho de 2018 pelas 18 horas, na última jornada do campeonato, o HCT desloca-se de novo ao Minho para defrontar o H.C. Braga SAD no Pavilhão das Goladas, na cidade dos arcebispos. Apesar dos principais objetivos dos turquelenses estarem consumados, este será um encontro importante para os alvinegros, que querem finalizar a prova atingindo a barreira dos 30 pontos (somam 27 à entrada para este jogo) e também as três vitórias consecutivas, algo que seria inédito nesta temporada. Por seu turno, o Braga, equipa orientada pelo experiente técnico Vítor Silva, está no primeiro lugar acima da zona de despromoção, com dezassete pontos averbados, mais um que o Valença que é a primeira equipa abaixo da linha de água. Uma vitória bracarense garante aos locais a manutenção automática, mas qualquer resultado que não seja a vitória frente ao H.C. Turquel colocará em causa a permanência entre a elite do hóquei nacional. Encontro explosivo em perspetiva!

Fotos: Hélder Matias