Breves

  • Prof. João Simões em declarações ao "Região de Cister"

    João Simões, treinador da equipa sénior, prestou declarações ao jornal "Região de Cister", abordando temas desde o seu regresso, ao desafio que encontrou e futuro no clube.

    Como foi voltar a uma casa na qual esteve tanto tempo? Como foi recebido?

    Nunca saí do H.C.Turquel desde que deixei de estar com a equipa sénior. Mantive-me como coordenador técnico e a acompanhar os escalões de formação.

     

    Qual foi a abordagem que o HC Turquel teve consigo para voltar a treinar a equipa?

    Com a vontade de sair do Nelson Lourenço a direção viu-se forçada a encontrar um substituto e como já trabalhámos juntos muito tempo tudo surgiu com bastante naturalidade.

     

    A resposta foi imediata? Em que é que pensou quando tomou a decisão?

    Não tinhamos muito tempo a perder, pois os jogos estavam já aí, e, depois de uma conversa tranquila com a minha família, pensei que talvez fosse o melhor para o clube regressar uma vez que conhecia bastante bem a equipa e o campeonato que disputávamos.

     

    Quais foram os objetivos que lhe pediram quando regressou?

    Tentar garantir a manutenção na 1.ª divisão.

     

    O que é que pediu à equipa na primeira vez que falou com o plantel depois do regresso?

    Tentámos passar a mensagem que fomos nós que nos pusémos numa situação dificil e que teriamos de ser nós a sair dela. Era importante treinar com confiança, ambição e foco no jogo seguinte prepararando-o o melhor possivel.

     

    A equipa ficou a 3 pontos da descida, e fez uma das piores épocas desde que está na 1.ª Divisão. O que é que correu mal e o que é que faltou à equipa?

    O campeonato nacional da 1.ª divisão está a ficar cada vez mais profissionalizado e com planteis mais preparados para a competição. Uma equipa como a nossa, que gere um orçamento reduzido e controlado com umalocalização geográfica longe dos grandes centros, terá sempre dificuldades acrescidas. Na primeira volta desperdiçámos alguns pontos em casa e numa prova com este grau de dificuldade é o suficiente para ficarmos numa situação mais complicada.

     

    Sente que a mudança de treinador a meio da época influenciou a parte psicológica da equipa?

    Não acredito em milagres nem sou supersticioso. Creio que a tomada de decisão para uma saída deve partir sempre do treinador que lidera o processo de treino e numa situação em que sente que a mensagem já não está a passar.

    Aliás, se reparamos, durante este ano na 1.ª divisão existiram 4 mudanças de treinadores. Duas delas desceram de divisão e outra terminou mais afastada do título do que quando começou. É verdade que em Turquel as coisas correram bem mas a equipa viu-se reforçada do João Souto que fez uma segunda volta com bastante influência no rendimento da equipa. O que fizémos foi dar continuidade ao trabalho feito pelo Nelson colocando o nosso cunho pessoal à medida que nos deparávamos com o trabalho diário da equipa.

     

    Houve algum momento ou alguma situação em que sentiu que a equipa não ia deixar fugir a manutenção? Qual foi o momento chave?

    Face ao calendário que tínhamos, teríamos de ser fortíssimos fora de casa e a verdade é que nesse capítulo fomos muito competentes e terminámos como a 5.ª melhor equipa na 2.ª volta. Queríamos muito ter vencido em Paço de Arcos mas a verdade é que foi um jogo onde perdemos identidade e a oportunidade de fazer uma reta final mais tranquila. Felizmente, à exepção deste jogo, e do 6.º classificado para baixo, conquistámos pontos a todos. O momento chave passou pela vitória em Tomar num jogo em que muitos de nós nunca tinha disputado 50 min que podiam ditar uma descida ou manutenção, mas no qual mostrámos uma maturidade competitiva ajustada ao momento e carimbámos a difícil mas merecida manutenção.

     

    Como descreveria esta época e, sobretudo, a meia-época em que esteve na equipa?

    Foram 4 meses marcados pela pressão da tabela classificativa onde o facto de termos muito pouca margem de erro nos obrigava a lidar de forma positiva com essa situação. Todos os jogadores, sem excepção, se empenharam, se mantiveram unidos e onde fomos crescendo coletivamente treino a treino e jogo a jogo.

     

    Se por um lado, esta foi uma das piores épocas no principal escalão nacional, por outro bateram o recorde do clube de temporadas consecutivas na 1.ª Divisão. Qual é a sensação de ter estado em grande parte deste recorde assim como no regresso ao principal escalão?

    Este é um feito do qual muito me orgulho, mas que precisaríamos de muitos parágrafos para podermos falar de todos os que contribuíram para este feito.

    Foi difícil subir, não o conseguimos às primeiras, mas penso que mesmo ainda na segunda divisão já nos preparávamos para nos tornarmos um clube de primeira. Fomos crescendo com os erros, nunca perdemos a nossa linha orientadora e mantivemo-nos sempre fiéis aos nossos princípios. É verdade que fizémos umas épocas melhores do que outras e todos gostaríamos de fazer mais e melhor, mas um clube de uma aldeia poder estar consecutivamente entre os grandes naquele que é o melhor campeonato do mundo e que recebe ano após ano os melhores jogadores e treinadores, deve ser um motivo de orgulho para todos os turquelenses. Que venham muitos mais!

     

    Anunciada está já a saída de alguns jogadores. E quanto à continuidade do treinador na liderança da equipa na próxima temporada, já há alguma resposta? Já houve proposta?

    Tudo aponta para que continue como treinador. Todos os jogadores que saíram foram convidados a continuar mas a verdade é que são decisões muito pessoais e que a nós só nos compete perceber, apoiar e agradecer tudo o que fizeram pelo clube. Desejar-lhes que encontrem aquilo que procuram e, à exepção das situações em que nos possamos defrontar, estaremos sempre a torcer por eles.

     

    Os adeptos podem esperar a chegada de algum atleta da formação à equipa principal?

    O H.C.Turquel desde sempre tem colocado jogadores da sua formação na equipa principal e para o ano não será exepção. O Gonçalo Duarte fará parte do plantel pincipal e teremos mais 3 juniores a acompanhar diariamente a nossa equipa. A verdade é que cada vez mais o campeonato da 1.ª divisão se afasta em termos competitivos da realidade dos campeonatos nacionais de sub 20. Se nos lembrarmos da transição júnior/sénior do Vasco Luís, do Daniel Matias ou do Samuel Santos, a verdade é que tiveram a tarefa muito mais facilitada do que os juniores de agora,uma vez que a fizeram para uma equipa que participava na segunda divisão e onde eles puderam consolidar rotinas e aprendizagens.

     

    Obrigado Nélson Lourenço!

    Durante a semana que sucedeu o jogo contra o SC Tomar, o Treinador Nélson Lourenço, comunicou à direção do clube, a sua vontade, pessoal e bem ponderada, em deixar o cargo que ocupava.

    Analisadas as razões evocadas, a direção, embora tivesse feito de tudo para manter a ligação do treinador de 49 anos à equipa sénior, aceitou o pedido de demissão, tendo de forma amigável sido efetuada a respectiva rescisão do cargo que ocupava no respectivo escalão.

    A direção do Hóquei Clube de Turquel e toda a sua estrutura, agradecem o profissionalismo, o empenho e a dedicação com que Nélson ocupou a função até então representada, e o bom relacionamento pessoal sempre existente. Obrigado por tudo Nélson!


    O sucessor do cargo, até então ocupado por Nélson Lourenço, será, o conhecido de todos nós, Professor João Simões, que regressa ao posto de treinador da equipa sénior, 1 ano e meio depois de ter deixado o comando técnico da equipa, no final de 2016/2017.

  • João Souto chega no mercado de inverno e é reforço de peso para o HC Turquel em 2019

    O Hóquei Clube de Turquel, e o avançado internacional português João Souto (26 anos), ex-A.D. Valongo, chegaram na tarde desta sexta-feira a acordo para que o experiente pivô assinasse um vínculo até junho de 2019 com os alvinegros. Um reforço de inverno surpresa para o plantel turquelense de 2018/19.

    Com as recentes lesões do capitão Vasco Luís e de André Moreira, a equipa técnica e a direção do clube convergiram ideias e decidiram ir ao mercado em busca de um reforço que lhes garantisse dinâmica e compromisso, tendo em conta as características do plantel atual. João Souto desvinculou-se do Valongo por razões profissionais, dado que é médico de formação e a partir de janeiro irá exercer a profissão no Hospital Distrital de Santarém, pelo que a sua vinda para sul foi inevitável. Com vários clubes da zona de Lisboa e zona centro a quererem garantir os seus préstimos, entre eles o Turquel, Souto teve muito por onde escolher, mas decidiu vir jogar para aldeia do hóquei, pela identificação de proximidade que ele próprio tem com o clube, com as suas gentes e com a sua organização, numa decisão pessoal que deve orgulhar todos os turquelenses.  

    Nascido em Gondomar no Norte do país, Souto dividiu a sua formação enquanto hoquista entre o G.D.C. Fânzeres e o F.C. Porto, o atleta teve um percurso brilhante nas camadas jovens, com chamadas constantes às seleções nacionais portuguesas de Sub-17, Sub-20 e Sub-23, tendo mesmo sido campeão da europa de Sub-17 em 2008, Sub-20 em 2010 e vencedor da Taça Latina de Sub-23 em 2014. No entanto, foi já nos Seniores e no Valongo de Paulo Pereira que ganhou maior notoriedade, tendo mesmo alcançado o título de campeão nacional em 2013/14 ao lado de jogadores como Ângelo Girão (Guarda-Redes), Rafa Costa, Telmo Pinto, Nuno Araújo e até de Miguel Viterbo (atual treinador do Valongo) entre outros. Foi aí que foi chamado por Luís Sénica para a Seleção Nacional de Seniores, por altura da Taça das Nações de 2015, e Portugal conquistou o título em Montreux, Suíça, com o avançado alvinegro a marcar dois golos em cinco partidas. Em 2015/16 o avançado gondomarense deu o salto para a poderosa U.D. Oliveirense, mas a formação do distrito de Aveiro não conseguiu corresponder às expetativas no que à conquista de títulos diz respeito, almejando apenas uma Taça Continental (antiga Supertaça Europeia) em 2016/17 e no início desta temporada, também por razões profissionais, Souto decidiu voltar a Valongo, onde foi tão feliz durante largos anos.

    Internacional por 33 vezes pelas diversas seleções nacionais do nosso país, João Souto anotou 26 golos de quinas ao peito e apresenta um currículo assinalável, garantindo experiência e qualidade no último terço, chegando para reforçar o plantel na posição de pivô, onde é um verdadeiro “matador”.

    Conheça, “à lupa”, o perfil, o passado e o currículo do atleta:

    QUEM É QUEM?

    Nome Completo: JOÃO Pedro SOUTO Silva

    BI: Gondomar, 25-07-1992, 26 anos, 1,78 m, 74 kg

    Posição: Avançado

    Clubes: F.C. Porto (de 2000 a 2002 e de 2004 a 2011), A.D. Valongo (de 2011 a 2015 e em 2018/19), U.D. Oliveirense (de 2015 a 2018), H.C. Turquel (2018/19)

    Estreia nos Seniores: A.D. Valongo (1ª Divisão, 2011/12)

    Estreia na 1ª Divisão: A.D. Valongo (1ª Divisão, 2011/12)

    Títulos – Clubes

    A.D. Valongo

    [2013/14] Campeão Nacional

    [2014/15] Vencedor da Supertaça António Livramento

    U.D. Oliveirense
    [2016/17] Vencedor da Taça Continental

    Títulos - Seleções

    Portugal

    [2008] Vencedor do Campeonato da Europa de Sub-17 (Bassano del Grappa, Itália)

    [2010] Vencedor do Campeonato da Europa de Sub-20 (Viareggio, Itália)

    [2014] Vencedor da Taça Latina de Sub-23 (Viana do Castelo, Portugal)

    [2015] Vencedor da Taça das Nações de Seniores (Montreux, Suíça)

    Internacionalizações/Golos: 33 Internacionalizações (10 pelos Sub-17, 12 pelos Sub-20, 6 pelos Sub-23 e 4 pelos Seniores) / 26 golos (10 pelos Sub-17, 11 pelos Sub-20, 3 pelos Sub-23 e 2 pelos Seniores)

    Contrato: Até junho de 2019

    João Souto é um reforço inesperado na aldeia do hóquei, sendo a única contratação de inverno do HCT de que há memória nos últimos anos. O experiente pivô natural de Gondomar traz um aporte de qualidade e experiência a um plantel de grande valia, que pretende melhorar as exibições e conseguir escalar posições na tabela classificativa. Com esta contratação, e no momento, o plantel é composto por onzeelementos, nove jogadores de rinque e dois guarda-redes.

    Bem-vindo à família dos “brutos dos queixos” João, esperemos que sejas muito feliz e que nos faças muito felizes!

    Fotos: Lucas Luís

    Formação de Treinadores já tem as inscrições abertas

    O conceituado formador em softskills e autor do livro: “COMO SER UM TREINADOR DE EXCELÊNCIA”, Alcino Rodrigues, levará a cabo, tal como em 2017, em estreita colaboração com o Hóquei Clube de Turquel, a Ação de Formação: "GESTÃO DE EQUIPAS E ATLETAS – Da Formação à Transformação", que se realizará no próximo domingo, dia 16 de setembro de 2018, entre as 9:30h e as 13:30h, no Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel.

    O evento referido funcionará em paralelo com o “XVII TORNEIO DR. JOAQUIM GUERRA – 2018” e atribuirá 0.8 Unidade de Crédito (4h) para a renovação do Título Profissional de Treinador Desportivo (cédula de treinador), pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (Formação Contínua de Treinadores - Componente de Formação Geral) para treinadores de todas as modalidades (Nível I, II, III e IV).

    Os potenciais interessados poderão verificar todos os detalhes da formação e efetuar a sua inscrição em: https://lifesportscoaching.eu/produto/gestao-de-equipas-e-atletas-da-formacao-a-transformacao-turquel/

    Valor da inscrição – 10€/formando

  • Daniel Matias recua na decisão de abandonar e ocupa vaga em aberto no plantel turquelense para 2018/2019

    Após de ter anunciado o abandono definitivo da modalidade, e após um período de reflexão individual, Daniel Matias recuou na decisão que tinha tomado inicialmente e foi sensível ao apelo da direção do clube, que, após a saída inesperada de Tiago Rafael no início do mês de agosto, se viu a contas com um grande problema em mãos. O nome de Daniel Matias foi consensual entre os membros diretivos e equipa técnica, como sendo o atleta ideal para ocupar a vaga em aberto.

    Depois de completar duas temporadas (2016/17 e 2017/18) seguidas ao serviço do Hóquei Clube de Turquel, posteriormente a ter feito um interregno na carreira de hoquista em 2015/16, o camisola quatro alvinegro estará às ordens de Nelson Lourenço em 2018/2019, numa decisão que se saúda e que “fecha” o plantel turquelense para a dura época que se avizinha.

    Nascido e criado na freguesia vizinha da Benedita, Daniel deu os primeiros passos com os patins debaixo dos pés na extinta secção de Hóquei em Patins do C.R.P. Ribafria, antes de chegar a Turquel bem cedo no seu percurso. Ao longo dos anos transformou-se num símbolo do clube tendo feito todo o seu trajeto nos escalões de formação alvinegros, até fazer a sua estreia nos Seniores na 2ª Divisão em 2004, a par de Vasco Luís, numa altura em que ambos tinham idade de Sub-20 de primeiro ano. Esteve na subida ao 1º escalão em 2011/12 e nos seis últimos anos de Turquel na 1ª Divisão, jogou apenas cinco, pois, como já foi referido, em 2015/16 fez um interregno de uma temporada por razões pessoais, voltando à atividade em 2016/17.

    O atleta, que fará 31 anos de idade em outubro de 2018, é possuidor de um percurso muito interessante no clube, que lhe confere muita experiência acumulada, tendo realizado mais de 130 jogos pelo Hóquei Clube de Turquel na 1ª Divisão e anotado a excelente soma de 73 golos. Sempre se caracterizou por ser um atleta polivalente, com excelentes capacidades físicas, sendo a velocidade de execução uma das suas maiores virtudes.

    Conheça os seus números no HCT, na relação jogos/golos em partidas oficiais apenas e só nas cinco épocas em que defendeu as cores do clube na 1ª Divisão:

    Daniel Matias (HCT)

    Camp. Nac. 1ª Div.

    Taça Portugal

    Taça CERS

    Jogos

    Golos

    Jogos

    Golos

    Jogos

    Golos

    2012/2013

    30

    24

    1

    -

    -

    -

    2013/2014

    30

    24

    3

    1

    6

    2

    2014/2015

    26

    13

    3

    1

    2

    1

    2015/2016

    NC

    -

    NC

    -

    NC

    ­-

    2016/2017

    26

    9

    1

    -

    6

    1

    2017/2018

    25

    3

    1

    -

    6

    1

    Total/Competição

    137

    73

    9

    2

    20

    5

    Total Acumulado

    166 jogos/80 golos

                NC = Não Competiu

    A direção alvinegra, toda a estrutura do clube, bem como o HCT.pt vêm, por este meio e de forma oficial, agradecer ao Daniel a dedicação e o carácter demonstrados nesta decisão, que é o espelho da humildade e união que a família turquelense granjeia além-fronteiras, aproveitando também para lhe desejar as maiores felicidades para o futuro próximo junto de nós.

    Obrigado Daniel!

    Fotos: Elisa Ercego e Hélder Matias

     

    Tiago Rafael abandona o Hóquei Clube de Turquel

    É oficial, Tiago Rafael (34 Anos) depois de ter protagonizado o segundo regresso a casa, tal como o tinha feito em 2013/2014, e após ter chegado a acordo com a direção do Hóquei Clube de Turquel para representar os alvinegros em 2018/2019, deixa agora os quadros do clube, ainda antes dos trabalhos de pré-temporada começarem. Numa decisão estritamente pessoal e completamente à revelia da estrutura diretiva do HCT, que se opôs a esta saída desde o início do processo, o atleta decidiu abandonar o projeto e irá rumar a outras paragens.

     

    Bem cedo, ainda antes de terminar a época 2017/2018, surgiram rumores do seu regresso à aldeia do hóquei, e daí até à confirmação oficial foi um pequeno passo. No entanto, o acordo que existia entre o atleta e o clube que o viu nascer e crescer para o Hóquei em Patins caiu por terra, depois do experiente defesa-médio, ex-S.L. Benfica, ter forçado a saída nos últimos dias.

    A direção do Hóquei Clube de Turquel vem por este meio, e de forma oficial, vincar de forma reforçada que fez de tudo para que o atleta não saísse, tendo sido completamente contra esta deliberação e que a partida do Tiago se processa em “rota de colisão” com o órgão diretivo, sendo uma decisão totalmente pessoal do atleta.

    Fotos: Catarina Maria

  • Elvis Canas será o treinador-adjunto de Nelson Lourenço em 2018-2019

    Com mais uma solução interna, que incorpora um elemento da mais extrema competência na estrutura dos Seniores Masculinos do Hóquei Clube de Turquel, a Direção do clube chegou a acordo com Elvis Canas (40 anos) para substituir André Luís (H.C. Os Tigres de Almeirim) no cargo de treinador-adjunto da equipa alvinegra, na temporada 2018/19.

    Natural das Caldas da Rainha e com um percurso como atleta efetuado na secção de Hóquei em Patins do Hóquei Clube das Caldas, onde atuou durante 22 anos e ainda 2 anos na extinta secção do Grupo Desportivo Sanguinhal/O Melro, Elvis é um técnico de reconhecidos méritos e com um trabalho notável nos escalões de formação turquelenses, tendo chegado ao HCT na época 2014/15. Formado profissionalmente em Educação Física pela Xistarca em Lisboa e licenciado em Gestão das Organizações Desportivas, pela Escola Superior de Desporto de Rio Maior, o caldense esteve já quatro épocas ao serviço do clube da aldeia do hóquei, apresentando sempre uma postura inexcedível, acumulando ainda mais experiência na modalidade.

    Com a confirmação de Elvis Canas na coadjuvação a Nelson Lourenço e com a continuidade de João Lapa (Treinador de Guarda-Redes) e de João Guerra (Fisioterapeuta), a equipa técnica fica completa, sendo que o plantel já se encontrava confirmado desde algum tempo a esta parte. 

    Com esta decisão a Direção do clube parte para férias com o grupo totalmente fechado e com a tranquilidade necessária para que no regresso ao trabalho a equipa possa focar-se exclusivamente, e desde bem cedo, nos objetivos a que se propuser.

    Plantel (com números das camisolas) e Staff do H.C. Turquel na época 2018/19:

    7 - André Moreira

    8 - Pedro Batista (ex – H.R.C. Monza, Itália)

    9 - Vasco Luís [C]

    10 - Samuel Santos [GR]

    14 - Tiago Rafael (ex – S.L. Benfica)

    22 - Luís Silva

    23 - Diogo Almeida [GR] (ex – C.D. Paço de Arcos)

    24 - André Pimenta

    58 - Tiago Mateus

    74 - Zé Costa (ex – Sporting C.P.)

    Treinador: Nelson Lourenço

    Treinador-Adjunto: Elvis Canas

    Treinador de Guarda-Redes: João Lapa

    Fisioterapeuta: João Guerra

    Ecónomo/Mecânico: José Pedro

    A direção turquelense, toda a estrutura do clube, bem como o HCT.pt vêm, por este meio e de forma oficial, agradecer todo o esforço, dedicação e carácter demonstrados pelo Elvis ao longo das últimas épocas, e vêm também desejar-lhe as maiores felicidades para o futuro próximo na sua nova função.

    Obrigado pela confiança e por continuares connosco Elvis!

    Foto: Carmo Honório

    André Luís sai do Turquel depois de mais de três décadas de alvinegro ao peito

    André Coelho Luís (35 anos) não chegou a acordo com a direção do clube para continuar nos quadros da equipa da aldeia do hóquei na próxima época. Atleta do Hóquei Clube de Turquel durante 30 anos, capitão dos Seniores Masculinos durante mais de uma década, treinador da formação durante 18 anos e treinador adjunto de João Simões, Jorge Godinho e Nelson Lourenço no escalão maior do hóquei turquelense nas últimas três épocas (2015/16, 2016/17 e 2017/18), André Luís sai para abraçar novo projeto.

    Filho de elementos ligados ao clube de forma íntima, neto de ex-presidente e sobrinho de dois hoquistas turquelenses, André Luís esteve ligado ao clube durante mais de três décadas e “bebeu” das influências familiares, começando a patinar na Iniciação alvinegra em 1985, com apenas 3 anos de idade. Como atleta foi internacional e Campeão Europeu de Sub-17 pelo nosso país em 1998 e estreou-se nos Seniores do Turquel, na 2ª Divisão, frente à Associação Académica de Coimbra nos finais da década de 90, ainda com idade de Sub-20 de primeiro ano, e pela mão de António Rocha. Na 1ª Divisão capitaneou os “brutos dos queixos” em quase uma centena e meia de jogos oficiais, sendo que ao longo de todo o seu percurso como atleta acumulou mais de 700 jogos de alvinegro ao peito em todos os escalões.

    Após 30 anos, passados como atleta turquelense, o “eterno capitão” deixou de jogar na temporada 2014/15, sendo que na época seguinte (2015/16) assumiu de imediato a função de treinador adjunto de João Simões nos Seniores Masculinos do HCT, permanecendo na função até à data. André foi ainda treinador de todos os escalões de formação, da Iniciação aos Sub-20, desde o início do milénio até aos dias de hoje, num total de 18 épocas como treinador, tendo sido ainda coordenador técnico durante três temporadas.

    A partida de André Luís acresce às saídas de João Silva “Janeka” (H.C. Amatori Vercelli, Itália), Pedro Vaz (C.D. Paço de Arcos), Marco Barros “Tuga” (S.L. Benfica) e Daniel Matias (abandona a modalidade), sendo que apesar disso a equipa dos Seniores Masculinos do H.C. Turquel, versão 2018/19, tem a sua estrutura praticamente definida, faltando apenas perceber quem será o sucessor de André Luís na coadjuvação a Nelson Lourenço, tendo em conta que o Fisioterapeuta, João Guerra, manter-se-á em funções na equipa técnica da próxima temporada.

    A direção alvinegra, toda a estrutura do clube, bem como o HCT.pt vêm, por este meio e de forma oficial, agradecer todo o esforço e dedicação demonstrados pelo André ao longo dos 33 anos em que assumiu funções na nossa instituição enquanto atleta, treinador e coordenador técnico do H.C. Turquel, entre outras funções, e vem também desejar-lhe as maiores felicidades do mundo para o seu futuro, com a certeza de que as nossas portas estarão sempre abertas para o seu regresso.

    O nosso maior respeito e muito obrigado por tudo André!

    Fotos: Carmo Honório

  • Nelson Lourenço continua no comando técnico do HC Turquel em 2018/19

    A Direção do H.C. Turquel e Nelson Mendes Lourenço (48 anos) chegaram a acordo para a continuidade do experiente técnico turquelense no comando técnico dos Seniores Masculinos do Hóquei Clube de Turquel na temporada 2018/19. A aposta na continuidade do técnico é natural, tendo em conta que Nelson Lourenço sucedeu a Jorge Godinho no cargo de treinador principal dos Seniores Masculinos em fevereiro do corrente ano, tendo sido na altura a solução interna para o vazio que se criou, tendo conseguido assegurar a manutenção com duas jornadas por jogar no campeonato e ainda o apuramento para a edição da Taça CERS da próxima época. Ao todo, no total de todas as competições, o técnico alvinegro orientou a equipa em 13 jogos e almejou 5 vitórias, 8 derrotas, não tendo empatado qualquer jogo.

    Conheça a totalidade dos números de Nelson Lourenço no HCT, enquanto treinador, na relação entre jogos, vitórias, empates, derrotas, golos marcados, golos sofridos, diferença entre marcados e sofridos e pontos somados em partidas oficiais na temporada 2017/2018:

    Nelson Lourenço (Treinador - HCT)

    Campeonato Nacional da 1ª Divisão

    Taça CERS

    C

    J

    V

    E

    D

    GM

    GS

    DIF

    P

    J

    V

    E

    D

    GM

    GS

    DIF

    Eliminatória

    2017/2018

    11

    5

    -

    6

    44

    51

    -7

    15

    2

    -

    -

    2

    7

    9

    -2

    Quartos-Final*

    Totais Acumulados

    13J | 5V | 0E | 8D | 51GM | 60GS | -9DIF | 15P

                                         

    Legenda: C = Classificação | J = Jogos | V = Vitórias | E = Empates | D = Derrotas | GM = Golos Marcados | GS = Golos Sofridos | DIF = Diferença entre Golos Marcados e Sofridos | P = Pontos

    *Eliminado

    Tendo iniciado o seu percurso como jogador no H.C. Turquel (até aos Sub-17), ainda jovem jogou no H.C. Leiria (duas épocas nos Sub-20), terminando a sua carreira por essa altura. Como treinador, Nelson Lourenço destacou-se nos escalões jovens do HCT em meados dos anos 90, tendo ascendido aos Seniores Masculinos, como técnico principal, no início do milénio, logrando a subida à 1ª Divisão em 2001/02, para descer novamente no ano seguinte. Posteriormente reformulou e iniciou um projeto enriquecedor na formação do S.L. Benfica (2003/04 a 2009/10), dando “corpo” ao que o clube encarnado ainda dispõe nos dias de hoje. Após a saída do clube da Luz esteve ainda em Almeirim (2011/12), onde assumiu funções de treinador da equipa principal e dos Sub-20 dos Tigres, regressando depois ao HCT (2012/13 em diante) onde se manteve, até hoje, nos escalões de formação, acumulando os cargos de treinador, de coordenador técnico e por fim a função de treinador principal dos seniores (2017/18). 

    Com esta decisão a Direção do clube pretende trazer ao grupo a tranquilidade necessária para poder trabalhar de forma focada de modo a “atacar” os objetivos a que se propuser logo bem cedo, desde o início da época, desejando toda a sorte do mundo ao Nelson.

    Confira o plantel que Nelson Lourenço terá à sua disposição para trabalhar em 2018/19:

    - André Moreira;

    - André Pimenta;

    - Diogo Almeida [GR] (ex – C.D. Paço de Arcos);

    - José Costa (ex  - Sporting C.P.);

    - Luís Silva;

    - Pedro Batista (ex – H.R.C. Monza);

    - Samuel Santos [GR];

    - Tiago Mateus;

    - Tiago Rafael (ex – S.L. Benfica);

    - Vasco Luís.

    A direção turquelense, toda a estrutura do clube, bem como o HCT.pt vêm, por este meio e de forma oficial, agradecer todo o esforço, dedicação e carácter demonstrados pelo Nelson ao longo desta época, e vêm também desejar-lhe as maiores felicidades para o futuro próximo junto de nós.

    Obrigado pela confiança e por continuares connosco Nelson!

    Fotos: Catarina Maria & Carmo Honório

    Pedro Batista retorna a casa e reforça plantel turquelense na próxima época

    Diz o ditado que “o bom filho a casa torna” e três temporadas depois de ter saído, Pedro Miguel Vicente Batista (20 Anos) [ex-H.R.C. Monza, Itália], no seu segundo ano de sénior, chegou a acordo com a direção do Hóquei Clube de Turquel e com o clube detentor do seu passe, para voltar à aldeia do hóquei na temporada 2018/2019, por empréstimo do S.L. Benfica.

    Nado e criado nos escalões de formação do Hóquei Clube de Turquel, descende de uma família com passado no Hóquei em Patins, os seus dois irmãos jogaram nos escalões de formação do Hóquei Clube de Turquel e o seu pai, Paulo Batista, foi Selecionador Nacional, atleta e treinador dos Seniores Masculinos do HCT, entre outros clubes. Internacional por 21 vezes nas diversas seleções nacionais portuguesas, o mais novo do clã Batista tem já, com apenas 20 anos, um currículo invejável e foi uma escolha consensual da direção turquelense para reforçar o plantel, depois das saídas de Janeka, de Pedro Vaz, de Tuga (Guarda-Redes) e de Daniel Matias, garantindo velocidade e imprevisibilidade no último terço, assim como agressividade defensiva.

    A experiência no H.R.C. Monza em Itália em 2017/18 (emprestado pelo Benfica), no seu primeiro ano de sénior, foi muito positiva e produtiva para o Pedro. Registou 24 golos em 26 partidas na Série A1 italiana, sendo este um pecúlio assinalável, numa das temporadas em que certamente adquiriu as maiores e melhores vivências do seu percurso de formação pessoal e enquanto atleta. De referir que Batista fez a sua estreia nos Seniores do HCT, ainda com idade de primeiro ano de Sub-20, na temporada 2014/15, pelas mãos de João Simões, sendo que na altura ascendeu ao plantel sénior depois da saída de Isidro Evangelista por motivos profissionais, já com a época a decorrer. Na altura envergou a camisola 77 e ajudou a equipa a alcançar os quartos-de-final da Taça de Portugal, o 9º lugar no campeonato (30 pontos somados), o último que dava acesso à Taça CERS da época seguinte e fez ainda a sua estreia nas competições europeias. Apesar de não ter conseguido marcar qualquer golo oficial pelos Seniores, foi um elemento muito importante para dar a qualidade necessária que a equipa precisava, após a saída inesperada de Isidro Evangelista. Em 2018/19 Pedro Batista volta a envergar a camisola do HCT, o seu clube de sempre.

    Conheça, “à lupa”, o perfil, o passado e o currículo de mais um “filho da terra”:

    QUEM É QUEM?

    Nome Completo: PEDRO Miguel Vicente BATISTA

    BI: Caldas da Rainha, 09-09-1997, 20 anos, 1,76 m, 70 kg

    Posição: Avançado

    Clubes: H.C. Turquel (de 2001 a 2015 e 2018/19), S.L. Benfica (2015/16 e 2016/17), H.R.C. Monza (2017/18)

    Estreia nos Seniores: H.C. Turquel (1ª Divisão, 2014/2015, ainda com idade de Sub-20)

    Estreia na 1ª Divisão: H.C. Turquel (2014/2015, ainda com idade de Sub-20)

    Títulos - Clubes

    S.L. Benfica
    [2016/17] Campeão Nacional de Sub-20

    Títulos - Seleções

    Portugal
    [2013] Vencedor do Campeonato da Europa de Sub-17 (Alcobendas, Espanha)

    [2015] Vencedor do Campeonato Mundial de Sub-20 (Vilanova, Espanha)

    [2016] Vencedor do Campeonato da Europa de Sub-20 (Pully, Suíça)

    Internacionalizações: 21 (6 pelos Sub-17, 12 pelos Sub-20 e 3 pelos Sub-23, totalizando 17 golos, 5 nos Sub-17, 10 nos Sub-20 e 2 nos Sub-23)

    Contrato: Emprestado pelo S.L. Benfica até Junho de 2019

    Pedro Batista é mais um reforço esperado e saudado por todos, que marca a tendência da direção alvinegra em fazer retornar jogadores formados no clube, e que se junta às adições de Zé Costa (Sporting C.P.), do guardião Diogo Almeida (C.D. Paço de Arcos), de Tiago Rafael (S.L. Benfica) e às permanências de Samuel Santos (Guarda-Redes), André Pimenta, Luís Silva, André Moreira, Tiago Mateus e do capitão Vasco Luís. Com esta contratação a equipa apresenta dez elementos e o plantel parece estar fechado, faltando apenas confirmar o nome do timoneiro (treinador) que liderará os atletas referidos em cima.

    Desejamos-te um excelente regresso Pedro…bem-vindo de novo!

    Foto: Roberto Del Bo & Catarina Maria

  • Tiago Rafael protagoniza novo regresso e é reforço de peso para o Turquel versão 2018/2019

    É certo e oficial, Tiago Miguel Rafael (34 Anos) regressa a casa pela segunda vez, depois de em 2013/14 o ter feito antes de também retornar ao Benfica, e fixa acordo com o HCT para a temporada 2018/19. Os rumores da sua chegada à aldeia do hóquei circularam antes da confirmação oficial da direção do clube, mas é como sempre o HCT.pt que confirma formalmente o acordo com o experiente defesa-médio, ex-S.L. Benfica, que Turquel viu nascer e crescer para o hóquei em patins.

    O irmão mais velho do “clã” Rafael regressa de novo ao clube no qual iniciou a sua formação e que o ajudou a fazer-se homem e jogador. Internacional por 44 vezes pelos diversos selecionados nacionais portugueses, Tiago Rafael tem um currículo invejável e foi uma das primeiras escolhas da direção turquelense para reforçar o plantel, sendo que depois das saídas confirmadas de Janeka, de Pedro Vaz, de Tuga (Guarda-Redes) e de Daniel Matias, seria importante e até primordial garantir um atleta com um aporte de experiência e qualidade inegáveis.

    Quase treze anos após ter deixado o clube, Tiago Rafael regressou a Turquel em 2013/14, proveniente da equipa açoriana do Candelária, para ajudar a formação então orientada por João Simões a conseguir alcançar um fantástico 6º lugar no Nacional da 1ª Divisão e os quartos-de-final da Taça de Portugal e da Taça CERS. Nessa temporada fez 39 jogos de alvinegro ao peito e anotou 25 golos em todas as competições, 15 no campeonato, 1 na Taça de Portugal e 9 na Taça CERS. Em 2018/19 voltará a envergar a camisola do HCT, ele que debutou no escalão Sénior ainda pelos “brutos dos queixos”, quando tinha apenas idade de Sub-17, numa partida a contar para o Nacional da 2ª divisão, na longínqua época 1999/00, em casa frente ao Alenquer e pelas mãos do então treinador turquelense, António Rocha, pai do atual jogador do S.L. Benfica e ex-colega de Tiago, Miguel Rocha.

    Conheça, “à lupa”, o perfil, o passado recente e o currículo deste “filho da terra”:

    QUEM É QUEM?

    Nome Completo: TIAGO Miguel RAFAEL

    BI: Caldas da Rainha, 09-09-1983, 34 anos, 1,76 m, 82 kg

    Posição: Defesa/Médio

    Clubes: H.C. Turquel (de 1986 a 2000, 2013/14 e 2018/19), C.D. Paço d’Arcos (de 2000 a 2004), A.C.R. Gulpilhares (em 2004/05), O.C. Barcelos (de 2005 a 2008), S.L. Benfica (de 2008 a 2011 e de 2014 a 2018), Candelária S.C. (de 2011 a 2013)

    Estreia nos Seniores: H.C. Turquel (2ª Divisão, 1999/2000, ainda com idade de Sub-17)

    Estreia na 1ª Divisão: C.D.Paço d’Arcos (2002/03, ainda com idade de Sub-20)

    Títulos - Clubes

    S.L. Benfica
    [2009/10] Vencedor da Taça de Portugal

    [2010/11] Vencedor da Taça CERS
    [2010/11] Vencedor da Supertaça “António Livramento”

    [2014/2015] e [2015/2016] Campeão Nacional da 1ª Divisão

    [2015/2016] Vencedor da Liga Europeia de Clubes

    Títulos - Seleções

    Portugal
    [1999] Vencedor do Campeonato da Europa de Sub-17 (Vasto, Itália)

    [2009] Vencedor do Torneio Internacional de Montreux (Suíça)

    Internacionalizações: 44 (6 pelos Sub-17 e 38 pelos Seniores, totalizando 14 golos, 4 nos Sub-17 e 10 nos Seniores)

    Contrato: Até Junho de 2019

    Após as contratações de Zé Costa (Sporting C.P.), do guardião Diogo Almeida (C.D. Paço de Arcos) e de Tiago Rafael (S.L. Benfica), falta apenas preencher uma vaga no plantel dos “brutos dos queixos” de 2018/19, tendo em conta que Samuel Santos (Guarda-Redes), André Pimenta, Luís Silva, André Moreira, Tiago Mateus e Vasco Luís estão assegurados.

    Bem-vindo de volta a casa Tiago!

    Foto: Catarina Maria

    Zé Costa regressa à “casa de partida” e é reforço turquelense para 2018/2019

    Em 2015, com idade de Sub-20, saiu para o Sporting e despediu-se do clube que o formou dizendo: “Deixo a minha casa na esperança de um dia voltar!” Três temporadas depois de ter saído, José Eduardo Alves Costa (21 Anos) ou apenas…”Zé Costa” (ex-Sporting C.P. “B”), no seu segundo ano de sénior, chegou a acordo com a direção do Hóquei Clube de Turquel para poder voltar a jogar de alvinegro ao peito na temporada 2018/2019.

    Entrado no clube no início do milénio, Zé Costa percorreu todos os escalões de formação no Hóquei Clube de Turquel, tendo-se destacado desde cedo pela sua qualidade técnica individual acima da média. Nunca foi internacional, mas com apenas 21 anos, o Zé pode orgulhar-se de ter um título de Campeão Nacional de Seniores da 1ª Divisão no currículo, tendo em conta que ao longo desta temporada esteve em quatro jogos da equipa principal do Sporting e como tal tornou-se campeão nacional de forma automática. Após as saídas de Janeka, de Pedro Vaz e de Daniel Matias, Zé Costa é garante de qualidade e de encaixe rápido naquilo que será pedido, abarcando ainda os atributos de estabilidade emocional e trabalho constante.

    A experiência no Sporting C.P. “B” em 2017/18, no seu primeiro ano de sénior, foi muito positiva e produtiva para o Zé, que conseguiu muitos minutos de jogo num campeonato tão competitivo como o da 2ª Divisão – Zona Sul, tendo registado 16 golos em 26 partidas no segundo escalão do hóquei nacional, sendo este um pecúlio assinalável, numa das temporadas em que certamente acumulou muita experiência. De referir que Zé Costa fez a sua estreia no escalão Sénior na 3ª Divisão no Sporting C.P. “B” em 2016/17, ainda com idade de Sub-20 e almejou logo a subida de divisão, tendo anotado 18 golos em 28 jogos nessa temporada. Em 2018/19 o Zé volta a envergar a camisola do HCT, o seu clube de sempre e o seu regresso saúda-se de forma efusiva.

    Conheça, “à lupa”, o perfil, o passado e o currículo deste “filho da terra”:

    QUEM É QUEM?

    Nome Completo: JOSÉ Eduardo Alves COSTA

    BI: Caldas da Rainha, 28-03-1997, 21 anos, 1,73 m, 69 kg

    Posição: Defesa/Médio

    Clubes: H.C. Turquel (de 2001 a 2015 e 2018/19), Sporting C.P. e Sporting C.P. “B” (2015/16, 2016/17 e 2017/18)

    Estreia nos Seniores: Sporting C.P. “B” (3ª Divisão, 2016/17, ainda com idade de Sub-20)

    Estreia na 1ª Divisão: Sporting C.P. (2017/18)

    Títulos - Clubes

    Sporting C.P.
    [2017/18] Campeão Nacional da 1ª Divisão

    Contrato: Até Junho de 2019

    Zé Costa é o segundo reforço alvinegro para a próxima época, que se junta a Diogo Almeida (ex-C.D. Paço de Arcos) e às permanências de Samuel Santos (GR), André Pimenta, Luís Silva, André Moreira, Tiago Mateus e Vasco Luís, perfazendo um total de oito atletas que compõem para já o plantel alvinegro, tendo em vista a temporada 2018/19.

    Bem-vindo de volta Zé!

    Fotos: Carmo Honório

  • Diogo Almeida é reforço e chega para ocupar a vaga de Tuga na baliza turquelense

    Agora sim é oficial, o guarda-redes Diogo Almeida (30 anos), ex-C.D. Paço de Arcos (estava emprestado pelo Benfica ao clube da linha de Cascais), filho do atual treinador do Infante Sagres e antiga glória do S.L. Benfica, Fernando Almeida, também ele guarda-redes, termina o vínculo de dois anos que tinha com o clube da Luz e é um jogador livre, reforçando o plantel de 2018/19 do Hóquei Clube de Turquel. Diogo Almeida chega a Turquel para ocupar a vaga deixada em aberto por Marco Barros “Tuga”, este último que regressa precisamente ao Benfica.  

    Nascido e criado em Gulpilhares no Norte do país, nos “anos de ouro” do clube gaiense no panorama da formação de jovens hoquistas em Portugal, Diogo Almeida teve um percurso brilhante nas camadas jovens, com chamadas constantes às seleções nacionais portuguesas de Sub-17 e Sub-20 tendo mesmo sido campeão da europa de Sub-20 em 2005 na cidade espanhola de Santander. Mais tarde, já com idade sénior e quando se encontrava de forma sólida como titular da baliza da Oliveirense (cinco épocas ao serviço dos Seniores da forte formação do distrito de Aveiro), foi chamado por Luís Sénica para representar Portugal no Campeonato da Europa de Paredes em Portugal, que decorreu em 2012. Nessa competição esteve na sombra de Ângelo Girão e Portugal acabaria por perder o título para a Espanha nos últimos segundos do derradeiro encontro. Internacional por 28 vezes pelas diversas seleções nacionais do nosso país, Diogo Almeida apresenta um currículo assinalável, garante experiência e qualidade, e chega para reforçar o plantel na posição específica de guarda-redes, após a saída de Marco Barros “Tuga”.

    Conheça, “à lupa”, o perfil, o passado e o currículo do atleta:

    QUEM É QUEM?

    Nome Completo: DIOGO Barbosa ALMEIDA

    BI: Porto, 23-09-1987, 30 anos, 1,75 m, 75 kg

    Posição: Guarda-Redes

    Clubes: A.C.R. Gulpilhares (de 1992 a 2010), U.D. Oliveirense (de 2010 a 2015), H.C. Braga SAD (2015/16), S.L. Benfica (2016/17), C.D. Paço de Arcos (2017/18, emprestado pelo S.L. Benfica), H.C. Turquel (2018/19)

    Estreia nos Seniores: A.C.R. Gulpilhares (1ª Divisão, 2006/07, ainda com idade de Sub-20)

    Estreia na 1ª Divisão: A.C.R. Gulpilhares (1ª Divisão, 2006/07, ainda com idade de Sub-20)

    Títulos - Clubes

    U.D. Oliveirense
    [2011/12] Vencedor da Taça de Portugal

    Títulos - Seleções

    Portugal

    [2005] Vencedor do Campeonato da Europa de Sub-20 (Santander, Espanha)

    Internacionalizações: 28 (11 pelos Sub-17, 11 pelos Sub-20 e 6 pelos Seniores)

    Contrato: Até Junho de 2019

    Diogo Almeida é o reforço que se adivinhava para a baliza da equipa da aldeia do hóquei, sendo a primeira de quatro contratações turquelenses para 2018/19. O experiente guardião junta-se às permanências do seu “homólogo” de posição Samuel Santos e dos jogadores de rinque, André Pimenta, Luís Silva, André Moreira, Tiago Mateus e Vasco Luís. Com esta contratação, e no momento, o plantel encontra-se composto por seteelementos, sendo que as saídas confirmadas pressupõem a entrada de mais três atletas, entradas essas que poderão ser anunciadas e oficializadas nos próximos dias.

    Bem-vindo à família dos “brutos dos queixos” Diogo!

    Foto: Catarina Maria

    Derrota em Braga na despedida

    Último jogo do Hóquei Clube de Turquel na temporada 2017/2018 e deslocação a Braga na 26ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão para defrontar uma equipa em apuros na tabela classificativa. Os pupilos de Vítor Silva, a jogarem em casa, precisavam de vencer para não dependerem do resultado do Valença (recebeu o Valongo no seu reduto) e conseguiram-no (3-2), muito por culpa de uma exibição pouco conseguida dos pupilos de Nelson Lourenço, principalmente no segundo tempo. Na primeira metade, apesar de alguns erros defensivos, os turquelenses conseguiram uma vantagem de 0-2 com que se chegou ao descanso. A segunda metade foi abaixo da média, a equipa alvinegra manteve a postura pouco agressiva no capítulo defensivo e foi sendo cada vez mais curta em ataque, permitindo uma reviravolta a uma equipa bracarense a jogar completamente “sobre brasas”, e que acabou por ter uma mãozinha da dupla de arbitragem que viajou desde Lisboa. Os suspeitos do costume, André Moreira e Vasco Luís, assinaram os golos dos “brutos dos queixos”, num jogo que assinalou a despedida de Tuga, Janeka, Daniel Matias e de Pedro Vaz do clube turquelense. Destaque negativo neste encontro para a lesão do atleta turquelense Pedro Vaz, que no dia da sua despedida, após seis anos a vestir a camisola alvinegra, teve o infortúnio de embater com violência na tabela ainda na 1ª Parte, tendo sido assistido no Hospital de Braga com suspeita de fratura do antebraço esquerdo, lesão que se veio a confirmar.

    Primeira metade com entrada morna por parte dos dois conjuntos, que mostrou um HCT a jogar na expetativa e com movimentos lentos e previsíveis e um Braga ansioso, a querer fazer tudo depressa demais, esbarrando sempre na última barreira turquelense, o guardião Tuga que se despediu da guarda das redes turquelenses com uma exibição sólida. Aos dez minutos, num livre frontal junto à área visitada, Luís Silva tocou para André Moreira e este bateu forte e bem junto à barreira, batendo o guardião Francisco Veludo pela primeira vez. Menos de dois minutos depois o mesmo André Moreira assistiu Vasco Luís desde trás da baliza e o capitão do Turquel encostou, dando o segundo “murro no estômago” em pouco tempo, a uma equipa da casa cada vez mais desassossegada. A reação ao 0-2 foi quase imediata, já que um minuto depois Pedro Vaz perdeu uma bola em ataque e o contra-ataque de 3x2 dos bracarenses terminou num lance em que André Moreira dá um toque meio na bola meio no stick de Pedro Delgado “Bekas”. O juiz Luís Peixoto mostrou excesso de zelo e “foi na cantiga” da queda aparatosa do camisola 73 bracarense, admoestando Moreira com a cartolina azul, sem que nada o fizesse prever. Na tentativa de transformação do livre direto Bekas não conseguiu levar a melhor sobre Tuga. Até ao intervalo o destaque vai inteiro para o lance da lesão referida em cima, com Ângelo Fernandes a prensar Pedro Vaz de forma inadvertida na tabela de fundo ofensiva dos visitantes e o camisola 53 dos da aldeia do hóquei a terminar prematuramente a sua carreira de alvinegro ao peito. Até ao descanso o jogo foi repartido e o perigo rondou sempre de forma mais intensa a baliza de Tuga, mas o futuro guarda-redes do S.L. Benfica ia mostrando categoria e ajudou a levar a sua equipa com dois golos de vantagem para o intervalo.

    Após o descanso esperava-se uma reação forte e decidida por parte dos jogadores da casa, e isso veio a acontecer. Com um minuto de jogo decorrido, Bekas roubou uma bola em zona subida a Tiago Mateus, num lance que parece ter-se desenrolado à margem das leis, e conseguiu colocar a bola pelo buraco da agulha, perante a oposição do recém-entrado Samuel Santos na baliza forasteira. Ficaram muitas dúvidas quanto à legalidade do lance e se a bola entrou ou não, mas João Duarte não teve dúvidas, validou o golo e proporcionou a primeira explosão de alegria aos adeptos da casa no lance do 1-2. O Braga sentiu a força vinda das bancadas e carregou sobre uma equipa do Turquel muito presa de movimentos, principalmente nas ações defensivas, assim como na saída para o ataque. Aos seis minutos Janeka derrubou Gonçalo Meira na área e Márcio Rodrigues assumiu a responsabilidade de tentar converter o penalty, mas Samuel Santos disse que não e fez uma defesa espetacular. Cinco minutos volvidos, num lance conduzido pela esquerda do seu ataque o irrequieto Gonçalo Meira tentou assistir Gonçalo Suíssas pelo ar ao segundo poste, a bola caprichosamente bateu no braço de Samuel Santos e só parou no fundo da baliza do guardião turquelense. Estava feito o empate a duas bolas e o Braga sonhava com a vitória, pois os ecos que chegavam de Valença não abonavam a seu favor, sendo que o Valença ia vencendo o Valongo no seu reduto. Logo depois do 2-2 caiu a 10ª falta de equipa do Braga, Vasco Luís avançou para a tentativa de transformação do respetivo livre direto, mas não conseguiu vencer a oposição de Veludo, ele que claramente se mexeu bem antes da bola partir. Os protestos turquelenses de nada valeram e o jogo prosseguiu, sempre com o Braga a criar mais perigo e com Samuel Santos a responder de forma muito positiva. A cerca de seis minutos do fim Gonçalo Meira fez uma diagonal longa desde a direita até à esquerda do seu ataque e atirou-se em voo por cima dos stiques dos seus adversários. Luís Peixoto foi claramente ludibriado pelo aparato da queda do jovem internacional português e mostrou nova cartolina azul a Moreira, a segunda neste jogo para o camisola 7 forasteiro. Bekas assumiu de novo a conversão do livre direto, não conseguiu ultrapassar a excelente oposição inicial de Samuel Santos, mas na recarga foi mais lesto a reagir do que o guardião visitante e atirou a contar para “bisar”, fazer o 3-2 e operar a reviravolta no marcador. Até final o Braga controlou as operações, abdicou de ir para a baliza e o HCT tentou de tudo para chegar pelo menos ao empate, mas Veludo esteve à altura e já nos segundos finais Janeka, também na sua despedida, viu nova cartolina azul, por derrube ostensivo a Gonçalo Meira. Com o dito popular no pensamento que…“à terceira é de vez”, Bekas foi no frente a frente com Samuel Santos e voltou a perder o duelo, com o guarda-redes natural de Turquel a efetuar mais uma excelente intervenção. Não havia mais tempo para jogar, a partida terminou logo a seguir com o 3-2 a ser o resultado final e a festa passou da bancada para o interior do rinque, com os adeptos e os atletas do Braga a festejarem a permanência no principal escalão do hóquei nacional como se de um título se tratasse.  

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão das Goladas - Braga

    Dia/Hora: 9 de junho de 2018, às 18H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (26ª jornada)

    Árbitros: Luís Peixoto (Lisboa), João Duarte (Lisboa), Pedro Figueiredo [3º Árbitro] (Minho) e Carlos Correia [4º Árbitro] (Minho)

    H.C. Braga SAD: [1] Francisco “Xico” Veludo (GR), [9] Carlos Loureiro, [16] Gonçalo Meira (1), [73] Pedro Delgado “Bekas” (2), [17] Gonçalo Suíssas, [6] Ângelo Fernandes (C), [87] Tomás Castanheira [4] António Trabulo e [7] Márcio Rodrigues. Não jogou: [10] Gabriel Costa (GR).

    Treinador: Vítor Silva

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [22] Luís Silva, [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C) (1), [7] André Moreira (1), [10] Samuel Santos (GR), [53] Pedro Vaz, [4] Daniel Matias, [58] Tiago Mateus e [57] João Silva “Janeka”.

    Treinador: Nelson Lourenço

    Faltas de Equipa: 12-5

    Disciplina: Cartão Azul a [7] André Moreira (HCT) [2X] e [57] João Silva “Janeka” (HCT).

    Resultado ao intervalo: 0-2

    Resultado Final: 3-2

    A época 2017/2018 terminou para os alvinegros e apesar de reconhecidamente os comandados de Jorge Godinho primeiro e Nelson Lourenço depois terem rubricado uma temporada menos conseguida, a equipa turquelense conseguiu chegar ao nono lugar no Campeonato Nacional da 1ª Divisão e foi eliminada pelo Hockey Breganze (Itália), tendo caído às portas da Final Four da Taça CERS. Momento mais negro da temporada foi mesmo a derrota por 6-1 frente ao Riba d’Ave (2ª Divisão) nos 16 Avos-de-Final da Taça de Portugal, resultado que precipitou a saída de Jorge Godinho em fevereiro de 2018. Ainda assim, a prestação turquelense, apesar de modesta, permitiu garantir a permanência a duas jornadas do fim e a Taça CERS a uma jornada do fim.

    Na próxima temporada, espera-se que a “nau alvinegra” navegue por mares bem menos agitados, ainda que se saiba que no melhor campeonato do mundo não há facilidades e os esforços têm de ser redobrados.

    Foto: António Silva

  • 4º Raid BTT Hóquei Clube de Turquel/Valsabor está logo aí e as inscrições já estão abertas

    Já estão abertas as inscrições para o “4º RAID BTT Hóquei Clube de Turquel/Valsabor”, a realizar no dia 29 de julho de 2018, pelas 09:30h em Turquel. Esta é uma prova dinamizada pela secção de BTT do Hóquei Clube de Turquel/Valsabor e demais colaboradores, que têm brindado os atletas e todos os acompanhantes com organizações de ponta ao longo dos últimos 4 anos.

    Este evento é a 4ª prova do “Troféu Ribatejo Norte” e contempla um percurso fantástico para os amantes do BTT, que será certamente um desafio para os mais competitivos, mas sem deixar de ser acessível para os mais relaxados.

    Os participantes poderão optar por duas distâncias, o Raid de 55 km ou o Mini Raid de 35 km, sendo que a tabos preços

    Fase

    Evento

    Preço

    Data limite de pagamento

    Fase 1

    Mini-Raid 35km

    10€

    Até dia 26 de julho de 2018

    Fase 1

    Raid 55km

    10€

    Até dia 26 de julho de 2018

     

    Categorias onde os participantes se podem inscrever:

    - Sub-23/Elites;

    - Veteranos A;

    - Veteranos B;

    - Veteranos C;

    - Elites Femininas;

    - Veteranas Femininas;

    Programa:

    Sábado - 28 de julho de 2018

    Abertura do secretariado: 15:00h

    Fecho do secretariado: 22:00h

    Domingo - 29 de julho de 2018

    Abertura do secretariado: 7:30h

    Fecho do secretariado: 09:00h

    Inicio do controlo para grelha de partida: 09:00h

    Briefing: 09:20h

    Partida: 09:30h

    Entrega de prémios: 12:00h

    Almoço: 12:30h

    O posicionamento dos atletas nas boxes de partida é definido por ordem sequencial de número de dorsal conforme as inscrições sejam confirmadas (inscrição paga), ou seja, quanto mais cedo o atleta se inscrever e confirmar a sua inscrição, melhor posição terá na linha de partida. Cada box de partida comporta 50 atletas.

    Mais Informações:

    E-Mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Site: https://hctbtt.weebly.com/raid-btt.html

    Telefone: 962 037 536

    Inscrições:

    http://www.prozis.com/raidbtthcturquel2018

    Regulamento da Prova:

    https://sscontent.secure.footprint.net/prozis/sportsevents/TermsConditions/Raid_BTT_HC_Turquel_2018.pdf

    Termo de Responsabilidade:

    https://hctbtt.weebly.com/uploads/1/0/2/9/102936468/termo_de_responsabilidade_2.pdf

    Foto: Página de Facebook do Evento criado por H.C. Turquel / BTT Team

    VI Gala HCT 2018: Estão abertas as inscrições…faça já a sua reserva!

    O Hóquei Clube de Turquel vai levar a efeito a 6ª Edição da “Gala HCT”, depois de na temporada passada ter sido realizada a “Adiafa”. Este grandioso evento que marca o encerramento da época desportiva no clube regressa à agenda do HCT e realizar-se-á no próximo sábado, 16 de junho de 2018, a partir das 19h, pelo que as inscrições já estão abertas.

    Programa:

    19h: Receção dos Convidados (exterior do pavilhão);

    20h: Abertura das portas do Pavilhão;

    20h30m: Início do Jantar;

    22h: Entrega de Prémios.

    Preços:

    Crianças até 6 anos: 5€

    Atletas e Seccionistas: 10€

    Amigos do Clube: 12,50€

    Reservas:

    Na Secretaria do clube ou pelo número 922222192 (Dias úteis das 14h às 20h e Sábado das 10:30h ao 12:30h), até ao dia 10 de junho.

    De referir que a Gala é aberta à população em geral e a presença de todos é fundamental, portanto se é sócio, atleta, dirigente, treinador, adepto ou amigo do HCT não falte a este fantástico evento.

  • Exibição de gala e “manita” de Vasco Luís garantem Europa em dia de despedidas

    Foi em clima de festa e num ambiente totalmente infernal que os Seniores do HCT se despediram do seu público na temporada 2017/2018. O Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel engalanou-se e as suas bancadas estiveram muito bem compostas na receção ao Valongo, em jogo a contar para 25ª e penúltima jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão. Depois da vitória em Valença (2-5) ter permitido assegurar matematicamente a manutenção, os alvinegros partiram em busca de uma vitória num dos últimos dois jogos (Valongo em casa e Braga fora) para assegurarem também a presença na edição de 2018/2019 da Taça CERS. Os comandados de Nelson Lourenço entraram com tudo, ainda tremeram com as incidências atribuladas da partida, mas decidiram não deixar para a última, obtendo um fantástico triunfo (8-6) frente a uma equipa do Valongo jovem e poderosa, mas que foi incapaz de reverter o elã dos da casa, após a tranquilidade da manutenção. Os cinco golos anotados pelo capitão e artilheiro Vasco Luís deram o mote para uma noite épica que teve de tudo, até uma arbitragem complicativa de uma das duplas mais conceituadas do país. No final houve homenagem bonita e sentida do clube a Janeka, Pedro Vaz, Tuga e Daniel Matias, quatro atletas que deixarão de fazer parte dos quadros alvinegros na próxima temporada. As famílias dos quatro estiveram presentes, foram entregues algumas lembranças, houve discurso de todos eles e o público não arredou pé, correspondendo com cânticos e aplausos, sendo que a beleza e emoção do momento ficarão guardadas para sempre na memória de todos os presentes.

    Primeiro tempo com entrada demolidora do Valongo no capítulo defensivo, os pupilos de Miguel Viterbo entraram a pressionar em todo o rinque desde o primeiro ao último segundo e isso partiu o jogo por completo, o que até nem se revelou muito mau para as características individuais dos avançados turquelenses Vasco Luís e André Moreira. No entanto, nos primeiros momentos do jogo, a equipa da casa esteve sempre de “costas” para o seu ataque e apresentou algumas dificuldades para movimentos verticais em direção à baliza de Leonardo Pais. Todavia, aos cinco minutos Vasco Luís rompeu ao seu estilo pela esquerda, ganhou a frente a Poka e a Pedro Mendes antes de cair no interior da área do Valongo. O árbitro Miguel Guilherme não teve dúvidas e assinalou penalty que o mesmo Vasco Luís se encarregaria de converter no 1-0, aplicando uma stickada forte e colocada no ângulo superior esquerdo da baliza de Leonardo Pais. Um minuto depois Poka viu a cartolina azul por agarrar ostensivamente André Pimenta numa transição rápida dos alvinegros e livre direto para Vasco Luís desta feita não conseguir converter, atirando em força para boa intervenção do guarda-redes visitante, ele que parece ter-se mexido bem antes da bola partir, sendo que na recarga o capitão do Turquel atirou ao lado. Cinco minutos depois e com o jogo totalmente “partido”, dada a pressão que os forasteiros exerciam, André Moreira combinou com Vasco Luís e assistiu o seu capitão para este atirar rasteiro e colocado, fazendo o seu “bis” e o momentâneo 2-0. A reação do Valongo foi forte, tal como era de esperar e com a rotatividade que é habitual na equipa comandada por Viterbo, os jovens valonguenses ganharam outro fôlego e reduziram para 2-1 a cerca de dez minutos do descanso, numa longa distância de Rúben Pereira, ele que aproveitou o facto de Tuga se encontrar encoberto por outros jogadores aquando da stickada. Cinco minutos volvidos e os forasteiros lograram mesmo o empate, na conversão de uma penalidade por Tuga não ter solto uma bola que estava junto às suas pernas. O “bombardeiro” Poka fez uso da sua poderosa stickada e atirou a contar para deixar tudo empatado (2-2) como no início. Quando se pensava que o jogo poderia arrastar-se até ao intervalo com equilíbrio de forças e poucas mexidas no marcador, eis que Janeka soltou o seu génio, fugiu a Poka pela direita e perante Leonardo Pais fez o 3-2 com uma “picadinha” carregada de classe. No mesmo minuto Janeka lançou Pedro Vaz no cara a cara com Leonardo Pais, o camisola 53 turquelense atirou ao lado, mas na recarga e aproveitando uma descoordenação entre Pedro Mendes e o seu guardião, Vasco Luís atirou a contar, completou o seu “hat-trick” e levou os alvinegros para o intervalo a vencer por 4-2.      

    O HCT entrou para o segundo tempo tapado com nove faltas de equipa, mas antes de ter cometido a 10ª, Vasco Luís em jogada individual logo nos primeiros segundos, almejou o seu “poker” com um golo de belo efeito, depois de ter passado com facilidade pela marcação de Xavier Cardoso, dando uma expressão carregada ao marcador e alcançando um inimaginável 5-2. A reação dos valonguenses voltou a ser forte, pois no minutos seguinte, numa fantástica jogada de contra-ataque, Rúben Pereira e Poka combinaram de forma perfeita e o primeiro, com assistência do segundo, encostou para fazer o seu “bis” e o 5-3. No mesmo minuto Janeka patinou com bola desde trás da baliza, sofreu um toque meio no stique, meio na bola por parte de Leonardo Pais e Miguel Guilherme decidiu apitar penalty. Vasco Luís voltou a ir para a marca do castigo máximo, mas atirou um “míssil” à trave da baliza visitante. Na jogada imediatamente a seguir o mesmo Vasco Luís derrubou Rúben Pereira e viu a cartolina azul pela infração. Novo livre direto e Poka seguiu convicto para o frente a frente com Tuga, levando a melhor mais uma vez, “bisando” na partida e reduzindo para 5-4. Dois minutos depois caiu a 10ª falta de equipa do Turquel e Poka voltou à marca do livre direto, desta vez para enfrentar o recém-entrado Samuel Santos. Numa primeira instância o camisola 18 do Valongo atirou ao lado da baliza turquelense, mas na recarga enganou Samuel com um lance de fino recorte técnico, fazendo o seu “hat-trick” e restabelecendo nova igualdade, desta feita a cinco bolas. Este início de segunda metade foi eletrizante, com 4 golos em menos de cinco minutos. Aos dezoito minutos caiu a 10ª falta de equipa do Valongo, mas Luís Silva não conseguiu ultrapassar Leonardo Pais na tentativa de transformação do respetivo livre direto. Volvidos dois minutos André Moreira e Xavi Cardoso envolveram-se em agarrões mútuos longe da bola, com o atleta valonguense a cair no solo e com Miguel Guilherme a mostrar a cartolina azul apenas ao jogador do Turquel. Novo livre direto para Poka e novamente o duelo com Samuel Santos, mas desta feita o defesa-médio forasteiro atirou muito por cima. Com menos um elemento em rinque durante pelo menos dois minutos o HCT defendeu-se como pôde e ainda conseguiu ir lá a frente “picar o ponto”, com Vasco Luís a cair na área depois de um ligeiro toque de Poka e a conseguir mais uma penalidade para a sua equipa. Saltado do banco e com toda a convicção do mundo, Janeka assumiu a responsabilidade em noite de despedida e “bisou” no encontro, batendo Leonardo Pais pela sexta vez na partida. Faltavam 15 minutos para o fim e muito mais ação estava para vir. Ainda a jogar com um elemento a menos e já quase no esgotar do tempo da inferioridade turquelense, Guilherme Silva, assistido por Pedro Mendes, desferiu uma “bomba” do meio da rua, batendo Tuga e fazendo o 6-6. O jogo passou depois por uma fase estranha de acalmia, que não se tinha visto até então, e só a quatro minutos do fim é que as emoções regressaram. Primeiro no livre direto a punir a 15ª falta de equipa do Valongo, livre direto esse que Janeka tentou converter com uma “picadinha”, mas Leonardo Pais fez uma das defesas da noite com a luva esquerda e um minuto depois Rúben Pereira foi derrubado por Daniel Matias em situação prometedora, sendo que Ricardo Leão apontou de imediato para a marca do livre direto, sem admoestar o camisola 4 alvinegro com o cartão azul. Voltou a ser Poka a encarregar-se da transformação do livre direto, sendo que desta vez conduziu o esférico em vez de o bater direto, mas acabou por ser desarmado por Tuga. Não marcou o Valongo, marcou o Turquel, num contra-ataque 3x2 conduzido por Vasco Luís que assistiu Luís Silva na direita e este simulou o passe para André Pimenta ao segundo poste, mas colocou a bola ao primeiro e ludibriou por completo o guardião contrário no 7-6. O público entrou em delírio, o pavilhão ia vindo abaixo, mas faltavam pouco menos de três minutos para o final do encontro e sabia-se que a reação visitante iria ser forte. Nelson Lourenço pediu o seu timeout a cerca de dois minutos do fim para acalmar as hostes e o Valongo decidiu colocar logo o sistema ofensivo de guarda-redes avançado, com Leonardo Pais a sair para dar lugar a um jogador de rinque. O Valongo carregou sobre o último reduto dos da casa, conseguiu alguns lances de perigo junto da baliza de Tuga, mas expôs-se em demasia e numa transição rápida André Moreira assistiu Vasco Luís que bem de fora da área desferiu um remate varrido ao qual Leonardo Pais (entretanto entrado e em corrida desenfreada para voltar à baliza) não conseguiu suster, apesar do voo que efetuou. Estava feita a “manita” (cinco golos) do capitão alvinegro e o 8-6 no marcador, que sentenciou por completo as dúvidas quanto ao vencedor. Até final destaque ainda para novo penalty a favor dos turquelenses, a castigar falta de Pedro Mendes sobre André Moreira, mas o jovem Tiago Mateus, chamado à conversão do castigo atirou ao lado. Com o soar do apito final da dupla de arbitragem de Lisboa a festa implodiu nas bancadas e no rinque, estava consumado o apuramento dos da aldeia do hóquei para a edição de 2018/2019 da Taça CERS, depois de um jogo fantástico que teve emoção a rodos e incerteza total no marcador quase até final. Realce ainda para a homenagem do clube turquelense a Janeka, Pedro Vaz, Tuga e Daniel Matias, eles que não farão parte dos planos alvinegros para a próxima época, registando-se alguns momentos de emoção, mesclada com alegria e sensação de dever cumprido.      

    Ficha Técnica:

    Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

    Dia/Hora: 2 de junho de 2018, às 21H

    Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (25ª jornada)

    Árbitros: Miguel Guilherme (Lisboa), Ricardo Leão (Lisboa), António Peça [3º Árbitro] (Leiria) e Orlando Ramos [4º Árbitro] (Leiria)

    H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [22] Luís Silva (1), [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C) (5), [7] André Moreira, [10] Samuel Santos (GR), [53] Pedro Vaz, [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” (2) e [58] Tiago Mateus.

    Treinador: Nelson Lourenço

    A.D. Valongo: [10] Leonardo Pais (GR), [39] Xavier “Xavi” Cardoso, [18] Daniel Oliveira “Poka” (3), [49] Pedro Mendes, [7] Diogo Fernandes, [57] Rúben Pereira (2), [9] Guilherme Silva (1), [20] Luís Melo e [4] Diogo Abreu. Não jogou: [12] Bernardo Mendes (GR).

    Treinador: Miguel Viterbo

    Faltas de Equipa: 10-15

    Disciplina: Cartão azul a [18] Daniel Oliveira “Poka” (ADV), [9] Vasco Luís (HCT) e [7] André Moreira (HCT.

    Resultado ao intervalo: 4-2

    Resultado Final: 8-6

    No próximo sábado, 9 de junho de 2018 pelas 18 horas, na última jornada do campeonato, o HCT desloca-se de novo ao Minho para defrontar o H.C. Braga SAD no Pavilhão das Goladas, na cidade dos arcebispos. Apesar dos principais objetivos dos turquelenses estarem consumados, este será um encontro importante para os alvinegros, que querem finalizar a prova atingindo a barreira dos 30 pontos (somam 27 à entrada para este jogo) e também as três vitórias consecutivas, algo que seria inédito nesta temporada. Por seu turno, o Braga, equipa orientada pelo experiente técnico Vítor Silva, está no primeiro lugar acima da zona de despromoção, com dezassete pontos averbados, mais um que o Valença que é a primeira equipa abaixo da linha de água. Uma vitória bracarense garante aos locais a manutenção automática, mas qualquer resultado que não seja a vitória frente ao H.C. Turquel colocará em causa a permanência entre a elite do hóquei nacional. Encontro explosivo em perspetiva!

    Fotos: Hélder Matias

    Samuel Santos firma acordo para continuar de alvinegro ao peito em 2018/2019

    O guarda-redes Samuel Alexandre Santos (29 anos), depois de uma temporada em que assumiu papel importante no complemento a Tuga nas balizas alvinegras, chegou a acordo com a direção do Hóquei Clube de Turquel para continuar no plantel sénior turquelense em 2018/19.

    Tendo feito quase todo o seu percurso de formação no Hóquei Clube de Turquel, Samuel Santos é um “filho da terra” que fez o seu último ano de Sub-20 no S.L. Benfica (2008/09) pelas mãos de Nelson Lourenço, tendo regressado uma época depois para integrar o plantel sénior dos “brutos dos queixos”, orientado na altura por João Simões. O seu trajeto enquanto sénior foi todo efetuado em Turquel até à temporada 2013/14, sendo que na época seguinte jogou na vizinha Associação Alcobacense de Cultura e Desporto (2ª Divisão), não tendo conseguido ajudar a evitar a despromoção dos alcobacenses à 3ª Divisão, ainda que só tenha feito a primeira metade da temporada. Em Turquel Samuel Santos brilhou intensamente na temporada 2010/11 na 2ª Divisão – Zona Sul, com Paulo Batista ao leme da equipa, numa época em que o Turquel ficou às portas da subida ao primeiro escalão e em que o Samuel se cotou como um dos melhores elementos do plantel de então.

    Não tendo ainda chegado aos 30 anos, o guardião alvinegro tem um percurso muito interessante, que lhe concede muita da experiência que os quase 300 encontros disputados pelos seniores do HCT lhe conferem e esta é inequivocamente uma renovação que se saúda, trazendo ao plantel, trabalho, estabilidade e muita qualidade. Samuel Santos caracteriza-se por ser um guarda-redes posicional, com excelentes capacidades físicas e que tem como maior virtude, a capacidade de se empenhar ao máximo em todas as situações. Com a saída de Tuga, Samuel poderá ter a oportunidade de conseguir um lugar de maior destaque na equipa em competição.

    Após as saídas confirmadas de Janeka, Tuga, Pedro Vaz e Daniel Matias e das renovações oficiais de André Pimenta, Luís Silva, André Moreira, Tiago Mateus, Vasco Luís e agora do guardião Samuel Santos, sobem para seis as vagas preenchidas no plantel alvinegro de 2018/19, ficando a faltar quatro reforços para completar a equipa.

    A direção turquelense, toda a estrutura do clube, bem como o HCT.pt vêm, por este meio e de forma oficial, agradecer todo o esforço, dedicação e carácter demonstrados pelo Samuel ao longo desta época, e vêm também desejar-lhe as maiores felicidades para o futuro próximo junto de nós.

    Obrigado pela confiança e por continuares connosco Samuel!

    Foto: Carmo Honório

     

  • Daniel Matias abandona modalidade e está fora das contas turquelenses para 2018/2019

    À beira de completar duas temporadas (2016/17 e 2017/18) seguidas ao serviço do Hóquei Clube de Turquel, depois de ter feito um interregno na carreira de hoquista em 2015/16, Daniel Ventura Policarpo Matias (30 anos) decidiu colocar um ponto final na sua carreira, e não fará parte do plantel alvinegro na época 2018/19.

    Nascido e criado na freguesia vizinha da Benedita, Daniel deu os primeiros passos com os patins debaixo dos pés na extinta secção de Hóquei em Patins do C.R.P. Ribafria, antes de chegar a Turquel bem cedo no seu percurso. Ao longo dos anos transformou-se num símbolo do clube tendo feito todo o seu trajeto nos escalões de formação alvinegros, até fazer a sua estreia nos Seniores na 2ª Divisão em 2004, a par de Vasco Luís, numa altura em que ambos tinham idade de Sub-20 de primeiro ano. Esteve na subida ao 1º escalão em 2011/12 e nos seis últimos anos de Turquel na 1ª Divisão, jogou apenas cinco, pois, como já foi referido, em 2015/16 fez um interregno de uma temporada por razões pessoais, voltando à atividade em 2016/17.

    Ainda com 30 anos (fará 31 em outubro de 2018), possuidor de um percurso muito interessante no clube que lhe conferiu experiência acumulada, Daniel Matias realizou mais de 130 jogos pelo Hóquei Clube de Turquel na 1ª Divisão e anotou a excelente soma de 73 golos. Sempre se caracterizou por ser um atleta polivalente, com excelentes capacidades físicas, sendo a velocidade de execução uma das suas maiores virtudes. Nas últimas temporadas foi sempre um dos elementos com maior importância na equipa e no balneário, foi um dos capitães de equipa a par de Vasco Luís e de Tuga, e vai com toda a certeza deixar saudades.

    Apesar de todos os esforços feitos pela Direção do HCT para que o camisola 4 alvinegro continuasse a fazer parte dos quadros do clube enquanto atleta, a decisão do Daniel está tomada e é irreversível, cabendo a todos os turquelenses respeitar uma decisão que é estritamente pessoal.

    Conheça os seus números no HCT, na relação jogos/golos em partidas oficiais apenas e só nas cinco épocas em que ele defendeu as cores do clube na 1ª Divisão:

     

     

     

     

    Daniel Matias (HCT)

    Camp. Nac. 1ª Div.

    Taça Portugal

    Taça CERS

    Jogos

    Golos

    Jogos

    Golos

    Jogos

    Golos

    2012/2013

    30

    24

    1

    -

    -

    -

    2013/2014

    30

    24

    3

    1

    6

    2

    2014/2015

    26

    13

    3

    1

    2

    1

    2015/2016

    NC

    -

    NC

    -

    NC

    ­-

    2016/2017

    26

    9

    1

    -

    6

    1

    2017/2018

    23*

    3*

    1

    -

    6

    1

    Total/Competição

    135*

    73*

    9

    2

    20

    5

    Total Acumulado

    164* jogos/80* golos

    NC = Não Competiu

    *Ainda decorre, com dois jogos por disputar.

    A direção alvinegra, toda a estrutura do clube, bem como o HCT.pt vêm, por este meio e de forma oficial, agradecer todo o esforço, dedicação e carácter demonstrados pelo Daniel ao longo de todo o seu fantástico percurso no nosso clube, e vem também desejar-lhe as maiores felicidades do mundo para o futuro. Faz parte da família alvinegra e as portas do nosso clube estarão sempre abertas para ele e para os seus.

    Obrigado por tudo e…sê feliz Daniel!

    Foto: Carmo Honório

    Pedro Vaz deixa Turquel…seis anos depois de ter chegado

    Chegou um “menino” em 2012 e vai partir um “homem” e um enorme jogador em 2018. Pedro Vaz, após completar seis temporadas (2012/13, 2013/14, 2014/15, 2015/16, 2016/17 e 2017/18) na “aldeia do hóquei”, não chegou a um entendimento com a Direção do Hóquei Clube de Turquel para a sua continuidade e não fará parte do plantel turquelense para 2018/19.

    Produto das escolas de formação do histórico H.C. Sintra, o seu clube do coração, onde deu as primeiras “patinadelas” e onde jogou como atleta federado de 1998/99 (Bambis) até 2004/05 (Sub-13), Pedro Vaz saiu depois para o Paço de Arcos, onde passou uma época (2005/06), no seu primeiro ano de Sub-15. No ano seguinte seguiu para o S.L. Benfica, indicado por Nelson Lourenço, para se destacar desde cedo, permanecendo nos quadros do clube encarnado por mais 5 épocas (2006/07, 2007/08, 2008/09, 2009/10 e 2010/11), e onde alcançou um título nacional de Sub-17 em 2007/08.O seu último ano de Sub-20 (2011/12) foi passado em Almeirim, no H.C. “Os Tigres”, clube ao qual chegou também pelas mãos de Nelson Lourenço, e onde acumulou Sub-20 e Seniores. Na época seguinte (2012/13), no seu primeiro ano de sénior, chegou a Turquel para trabalhar com João Simões, no primeiro ano do clube no regresso à 1ª Divisão, e desde cedo mostrou qualidades, tendo rubricado a sua melhor temporada em termos de golos logo no seu “debute” no clube. Foram 25 tentos em 30 jogos em 2012/13, o que para um defesa foi deveras impressionante, numa temporada em que provavelmente foi menos utilizado do que em todas as outras que se seguiram.

    Com bastante experiência acumulada também ao nível da Seleção Nacional, onde foi Campeão Europeu de Sub-17, de Sub-20, Vice-campeão Mundial de Sub-20 e vencedor da Taça Latina no escalão de Sub-23 por Portugal, Pedro Vaz ainda é um jovem e com 26 anos terá de dar um novo impulso à sua carreira. Nas seis épocas em que representou o HCT, Vaz foi um exemplo de profissionalismo e consistência, jogando em posições mais recuadas e demonstrando sempre qualidades defensivas acima da média, bem como força e argumentos técnicos em ataque. Mostrou invariavelmente ser uma pessoa reservada, que se afeiçoou ao clube, tal como o clube e as suas gentes se afeiçoaram a ele e à sua família. Deixa um legado indiscutível de qualidade e a sua postura será recordada para sempre em Turquel de uma forma carinhosa e positiva.

    Conheça os seus números no HCT, na relação jogos/golos em partidas oficiais nas seis épocas passadas de alvinegro ao peito:

     

     

     

    Pedro Vaz (HCT)

    Camp. Nac. 1ª Div.

    Taça Portugal

    Taça CERS

    Jogos

    Golos

    Jogos

    Golos

    Jogos

    Golos

    2012/2013

    30

    25

    1

    -

    -

    -

    2013/2014

    30

    7

    3

    1

    6

    -

    2014/2015

    26

    13

    3

    -

    2

    -

    2015/2016

    26

    12

    1

    -

    4

    4

    2016/2017

    26

    6

    1

    -

    6

    -

    2017/2018

    24*

    3*

    1

    -

    6

    -

    Total/Competição

    162*

    66*

    10

    1

    24

    4

    Total Acumulado

    196* jogos/71* golos

     *Ainda decorre, com dois jogos por disputar.

    A direção turquelense, toda a estrutura do clube, bem como o HCT.pt vêm, por este meio e de forma oficial, agradecer todo o esforço, dedicação e carácter demonstrados pelo Pedro ao longo de todo o seu fantástico percurso no nosso clube, e vêm também desejar-lhe as maiores felicidades do mundo para o futuro, com a certeza que o consideraremos sempre um dos nossos, estando as nossas portas sempre abertas para ele e para toda a sua família.

    Obrigado por tudo Pedro!

    Foto: Catarina Maria

Seniores Masculinos

Sem vencer desde 13 de janeiro último (3-5 em Saint Omer em jogo a contar para a Taça CERS) e após dois empates em casa (3-3 com o Braga e 5-5 com o Barcelos) e duas derrotas fora (5-1 com o Valongo e 5-3 com o Paço de Arcos), o H.C. Turquel viajou até Riba d’Ave para defrontar o líder da 2ª Divisão – Zona Norte nos 16 Avos-de-Final da Taça de Portugal e deu-se muito mal com os ares minhotos, ao sair derrotado de forma pesada, por esclarecedores 6-1. Perante uma equipa que desceu da 1ª Divisão no final de 2016/17, numa decisão polémica de “secretaria”, os alvinegros sabiam das dificuldades que poderiam ser apresentadas pela formação orientada pelo treinador/jogador, Hugo Azevedo. O Parque das Tílias (pavilhão do Riba d’Ave) foi mesmo um inferno para os comandados de Jorge Godinho, que voltaram a entrar mal no jogo, tal como em Paço de Arcos, chegando ao intervalo a perder por 3-0. No segundo tempo a equipa alvinegra subiu as suas linhas, como se impunha, mas destapou o último reduto e pagou bem cara a ousadia. Mais três golos visitados deram expressão impensável ao marcador e nem o tento de André Moreira a dois minutos do fim atenuou o “peso” da derrota e a consequente eliminação da Taça de Portugal.

Primeiro tempo com entrada desastrada dos turquelenses, que logo aos três minutos viram o treinador/jogador, Hugo Azevedo, aproveitar uma defesa de Tuga para a frente, para fugir à oposição de Pedro Vaz, encostar fácil e inaugurar o marcador. Três minutos depois Bruno Pinto “Serôdio” fugiu a André Moreira pela direita e, já no interior da área turquelense caiu no chão, naquilo que pareceu uma queda bem forçada. A dupla de arbitragem acabou por ir na “cantiga” do camisola 55 do Riba d’Ave e apontou para a marca da grande penalidade. O mesmo Serôdio assumiu a conversão do castigo e bateu Tuga pela segunda vez no encontro, fazendo o momentâneo 2-0. O técnico Jorge Godinho pediu o seu timeout, fez alguns ajustes e alterações e a equipa teve então o seu melhor período no encontro. As oportunidades finalmente apareceram e a equipa do Riba d’Ave foi encostada ao seu último reduto. O jovem Tiago Mateus atirou à trave e Diogo Fernandes, guardião da formação minhota, foi tirando tudo o que lhe aparecia pela frente. Com quatro minutos para jogar na primeira metade Daniel Matias errou um passe na transição ofensiva quando era o último homem e colocou a bola nos patins do jovem Miguel Castro (ex-H.C. Braga), o camisola 3 visitado arrancou pela direita, ludibriou a oposição de Matias e stickou em zona frontal, colocando a bola no canto direito da baliza de Tuga. Estava feito o 3-0 com que se chegou ao descanso.                 

Na etapa complementar a equipa do HCT teria forçosamente de alterar a sua atitude e o seu padrão de jogo e foi o que fez, o conjunto alvinegro subiu linhas e conseguiu recuperar muitas bolas em zona subida, no entanto nunca conseguiu superar a oposição dos defensores contrários e principalmente de Diogo Fernandes, o guarda-redes minhoto, que teve uma tarde inspirada q.b. e sempre que foi chamado a intervir disse…presente. Aos nove minutos Serôdio fugiu a Janeka pelo meio da defensiva turquelense e tentou assistir um colega, mas Luís Silva, “de carrinho”, fez um corte à margem da lei, no interior da área de Tuga e levou Serôdio de novo para a marca da grande penalidade, sendo que desta vez o experiente jogador do Riba d’Ave teve pela frente o recém-entrado Samuel Santos, que também não conseguiu parar a eficácia de Serôdio e o 4-0 foi mesmo uma realidade difícil de digerir. Seis minutos volvidos, e depois de mais algumas oportunidades desperdiçadas, Raul Meca passou por trás da baliza e quando tentava passar para a frente da mesma, foi derrubado por Tuga no interior da área alvinegra. O guarda-redes turquelense viu a cartolina azul e Samuel Santos voltou a entrar para novo frente a frente com Serôdio e, infelizmente para os visitantes, a história voltou a repetir-se, com Serôdio a completar o seu “hat trick” (três golos de penalty) e a colocar o marcador nos 5-0. No minuto seguinte caiu a 10ª falta de equipa do Riba d’Ave e, na tentativa de conversão do respetivo livre direto, Vasco Luís permitiu boa intervenção a Diogo Fernandes. Não marcou Vasco Luís e o Riba d’Ave aproveitou para voltar a crescer no jogo e a atuar como bem gosta, com espaço e em vantagem no marcador. Foi sem surpresa que chegou o 6-0, numa transição rápida 2x2 com Hugo Azevedo a assistir Raul Meca e o capitão visitado a encostar de primeira, perante um Samuel Santos completamente desamparado. A dois minutos do fim, num contra-ataque 2x1 muito bem gizado, Vasco Luís assistiu André Moreira e o atleta natural de Vila Franca de Xira passou por Diogo Fernandes e fez o tento de honra dos da “aldeia do hóquei”, tento esse que fixou o resultado final em 6-1 e que soube a muito pouco, naquela que foi uma exibição bastante “cinzenta” e que marcou a eliminação do HCT da edição 2017/2018 da Taça de Portugal.

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão do Parque das Tílias – Riba de Ave

Dia/Hora: 10 de fevereiro de 2018, às 16H

Competição: Taça de Portugal de Hóquei em Patins 2017/18 (16 Avos-de-Final)

Árbitros: Florindo Cardoso (Minho), Jerónimo Moura (Porto) e Domingos Carvalho (3º Árbitro) (Porto)

Riba d’Ave H.C.: [10] Diogo Fernandes (GR), [55] Bruno Pinto “Serôdio” (3), [5] Raul Meca Lopes (C) (1), [4] Vítor “Viti” Oliveira, [33] Hugo Azevedo (1), [44] Daniel Pinheiro, [3] Miguel Castro (1) e [7] João Abreu. Não jogaram: [29] João Ferreira (GR) e [2] João Campos “TT”.

Treinador/Jogador: Hugo Azevedo

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [4] Daniel Matias, [9] Vasco Luís (C), [7] André Moreira (1), [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva, [58] Tiago Mateus, [24] André Pimenta e [57] João Silva “Janeka”.

Treinador: Jorge Godinho

Faltas de Equipa: 12-8

Disciplina: Cartão Azul a [13] Marco Barros “Tuga” (GR) [HCT].

Resultado ao intervalo: 3-0

Resultado Final: 6-1

No próximo sábado, dia 17 de fevereiro de 2018 pelas 21 horas (22 horas em Itália), o HCT joga em casa a 1ª Mão dos quartos-de-final da Taça CERS, frente ao atual quarto classificado da Série A1 italiana, o Faizane Lanaro Hockey Breganze. Um triunfo turquelense trará um aporte importante de confiança e permitirá ir a Itália em março discutir a passagem à Final Four da competição. Perante um conjunto transalpino com executantes de “primeira água” do hóquei internacional, como são os casos do italo-argentino, Federico Ambrosio (internacional por Itália), do capitão Mattia Cocco (também internacional por Itália), do guarda-redes, Bruno Sgaria (internacional Sub-20 italiano), do espanhol, Alvaro Borja Gimenez, do internacional argentino, Franco Platero (irmão de Matias Platero do Sporting C.P.) e ainda do bem conhecido dos portugueses, Cláudio Filho, mais conhecido por “Cacau”, ele que é internacional Brasileiro e jogou, entre outros, no Sporting e no Benfica. A equipa orientada pelo argentino Diego Mir (substituiu no início de janeiro o italiano Massimo Belligio) forma um conjunto muito forte e, desde que Mir assumiu o comando, soma por vitórias os sete jogos que disputou, entre Série A1 e Taça CERS. O apoio de todos é fundamental e só um Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel muito bem composto, e a “puxar” pelo HCT ao longo dos cinquenta minutos, poderá levar a nossa equipa a um bom resultado. Unidos nos momentos mais delicados seremos sempre mais fortes!

Foto: Dinis Vicente

Primeiro jogo fora de portas na segunda volta para o HCT e a deslocação a Paço de Arcos revestia-se de importância extrema para ambos os conjuntos, mas principalmente para os visitados, que pretendiam distanciar-se do trio de baixo da classificação, composto pelos recém-promovidos Grândola, Infante Sagres e Braga e em simultâneo colocarem-se a apenas um ponto dos alvinegros. Por seu lado os turquelenses queriam evitar essa aproximação, tentando os seus primeiros três pontos fora de portas. O encontro foi ritmado desde o início, mas os visitantes rubricaram um primeiro tempo muito abaixo das suas possibilidades, dando sempre de barato a meia-distância ao Paço de Arcos, principalmente ao seu “bombardeiro”, Gonçalo Nunes, indo para o intervalo com uma desvantagem impensável de 4-1. No segundo tempo os comandados de Jorge Godinho tiveram de subir as suas linhas defensivas, encostaram o PA às “cordas” e ao seu último reduto defensivo, mas o melhor que conseguiram foi reduzir diferenças até ao 5-3 final, não levando qualquer ponto do “Casablanca”.

Primeira parte atípica por parte dos de Turquel, que entraram de forma muito apática no jogo e permitiram que o Paço de Arcos impusesse um ritmo alto e principalmente que conseguisse stickar de média e longa distância com muita frequência, deixando Tuga em “xeque” na sua baliza. Logo aos dois minutos de jogo, Gonçalo Nunes recuperou uma bola a André Pimenta em zona subida, fletiu para o meio e disparou de forma indefensável, inaugurando o marcador perante a passividade da defesa alvinegra. Três minutos depois, o mesmo Gonçalo Nunes rasteirou André Pimenta de forma ostensiva no meio-campo e viu a cartolina azul. O capitão dos forasteiros, Vasco Luís, avançou para a tentativa de transformação do devido livre direto mas em duas tentativas não conseguiu fazer golo porque o guardião Diogo Almeida se mexeu em ambas as situações, tendo visto também ele a cartolina azul. O guarda-redes suplente, Diogo Rodrigues, conhecido na “gíria hoquista” por “Matraco”, entrou para o confronto com Vasco Luís e levou a melhor. Os turquelenses ficaram a jogar em dupla superioridade numérica de 5x3, mas demoraram a acertar com as redes do PA e apesar de terem conseguido a igualdade a uma bola (assistência aérea de André Pimenta e desvio oportuno ao segundo poste de André Moreira) ficaram com pouco tempo para atacarem a inferioridade numérica 5x4 e o empate não se desfez. Imediatamente após ficarem a jogar de novo em igualdade numérica os da casa conseguiram uma transição e Nelson Ribeiro “cavou” uma cartolina azul a Vasco Luís, sendo que na transformação do respetivo livre direto Gonçalo Nunes disparou um “míssil” para o ângulo superior esquerdo da baliza de Tuga, não dando qualquer hipótese de defesa ao guardião alvinegro. Sete minutos depois o mesmo Gonçalo Nunes, numa das suas especialidades, atirou muito forte desde o meio-campo, a bola, na confusão, bateu nas caneleiras de Daniel Matias e anichou-se no fundo da baliza de Tuga. Era o “hat-trick” do camisola 33 da equipa da linha e o terceiro golo sofrido pelos turquelenses de fora da área. Menos de dois minutos depois, André Centeno fez uma incursão pela direita do seu ataque, simulou a meia-distância e viu Tuga completamente fora da baliza, o guarda-redes do Turquel parece ter sido impedido de se deslocar por Nelson Ribeiro e Centeno atirou de forma enrolada para a baliza deserta, fazendo um golo que parece ter sido precedido de irregularidade, mas que a dupla de arbitragem decidiu validar. Com o impensável resultado de 4-1, favorável aos da casa, chegou o descanso, e havia muito a retificar para os da aldeia do hóquei.

A entrada no segundo tempo, com toda a naturalidade, teve tendências diferentes, o Paço de Arcos alargou o seu jogo em ataque e tentou longas trocas de bola, gerindo a vantagem de três golos que trazia do intervalo e o HCT subiu as suas linhas defensivas e foi desde cedo em busca de algo mais no jogo. Consegui-o aos seis minutos, num ataque rápido conduzido por Vasco Luís, que assistiu o jovem Tiago Mateus nas costas da defesa contrária e este voltou a mostrar todo o seu instinto predador, ao anotar o 4-2, colocando a sua equipa de novo na discussão do jogo. Logo a seguir, Jorge Godinho lançou Janeka em rinque e a equipa ganhou maior profundidade, subiu ainda mais as suas linhas defensivas e conseguiu encostar o Paço de Arcos lá atrás. Os “brutos dos queixos” construíram nesta fase várias oportunidades, com Janeka por duas vezes e Daniel Matias por uma a estarem perto do golo, sendo que numa delas Janeka atirou uma “bomba” à trave da baliza de Matraco. Seria o 4-3, mas como a bola não entrou, foi o Paço de Arcos a aproveitar o desperdício forasteiro e, a nove minutos do final do encontro, numa transição em igualdade numérica, conseguiu soltar Rui Pereira em zona frontal, este stickou forte com a bola a bater na luva esquerda de Tuga e a ressaltar de forma caprichosa para dentro da baliza dos “brutos dos queixos”. Estava feito o 5-2 e o golpe foi demasiado duro para os de Turquel, que ainda se tentaram recompor, com alterações constantes no seu cinco, de forma a refrescar os jogadores para estarem mais aptos para a pressão a exercer, mas o melhor que conseguiram fazer foi reduzir para 5-3, numa recuperação em zona subida por parte de André Pimenta que voltou a assistir um colega seu neste jogo, desta feita Janeka, ele que contornou Matraco e encurtou distâncias. Faltavam cerca de seis minutos e a equipa e os muitos adeptos turquelenses presentes no Casablanca ainda acreditaram que seria possível chegar pelo menos ao empate, mas a formação alvinegra não mais encontrou o caminho da baliza contrária e poderia mesmo ter sofrido mais um tento, depois de Vasco Luís ter visto nova cartolina azul no jogo (enganchou André Centeno) e de Gonçalo Nunes ter desperdiçado a conversão do devido livre direto, enviando mais um “tiro” ao poste esquerdo da baliza de Tuga. No final, a derrota por 5-3 foi um castigo duro e pesado, que teve maior expressão pelo fraco desempenho da equipa orientada por Jorge Godinho nos primeiros vinte e cinco minutos.  

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão do Clube Desportivo de Paço de Arcos

Dia/Hora: 3 de fevereiro de 2018, às 21H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (15ª jornada)

Árbitros: Rui Torres (Minho), José Pinto (Porto), Nelson Melo [3º árbitro] (Lisboa), Marco Lopes [4º Árbitro] (Lisboa)

C.D. Paço de Arcos: [10] Diogo Almeida (GR), [22] André Centeno (C) (1), [33] Gonçalo Nunes (3), [4] Rui Pereira (1), [5] Nelson Ribeiro, [1] Diogo Rodrigues “Matraco” (GR), [8] Diogo Silva e [2] Tiago Gouveia. Não jogaram: [14] Daniel Homem e [30] Bruno Frade.

Treinador: Luís Duarte

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C), [7] André Moreira (1), [22] Luís Silva, [4] Daniel Matias, [58] Tiago Mateus (1) e [57] João Silva “Janeka” (1). Não jogou: [10] Samuel Santos (GR).

Treinador: Jorge Godinho

Faltas de Equipa: 8-8

Disciplina: Cartão Azul a [33] Gonçalo Nunes (CDPA), [10] Diogo Almeida (GR) (CDPA) [9] Vasco Luís (HCT) [2X].

Resultado ao intervalo: 4-1

Resultado Final: 5-3

No próximo sábado, 10 de fevereiro de 2018, o campeonato parará para dar lugar aos 16 Avos-de-Final da Taça de Portugal. Em sábado de “Entrudo”, os turquelenses deslocam-se ao terreno do líder da 2ª Divisão – Zona Norte, o Riba d’Ave H.C., formação que desceu à 2ª Divisão em 2016/2017, descida essa que se consumou apenas na secretaria, por irregularidades dos minhotos na inscrição de um elemento em várias fichas de jogo ao longo da época que prescreveu. O embate jogar-se-á a partir das 16 horas, no Parque das Tílias em Riba d’Ave, e será com toda a certeza mais uma partida de grau de dificuldade muito elevado para os turquelenses.

Foto de Arquivo: Carmo Honório

Fecho da primeira volta com o HCT a receber o Braga na 13ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão e a consentir mais um empate (3-3) frente a uma equipa que se encontra abaixo de si na classificação. Os turquelenses acabaram mesmo o primeiro turno como os “reis dos empates”, somando cinco igualdades (Infante Sagres, Grândola, Tomar, Oliveirense e Braga) em 13 jogos, uma delas fora de portas (3-3 em Grândola) e outras quatro em casa. Os clubes que mais se aproximaram dos “brutos dos queixos” neste “campeonato da partilha de pontos” foram Grândola, Tomar, Juventude Viana e Oliveirense, cada um deles com três empates. Os comandados de Jorge Godinho entraram neste jogo frente ao Braga com pouco dinâmica, mas conseguiram chegar-se à frente com dois golos à maior (André Pimenta e Vasco Luís respetivamente) e mostraram de novo uma faceta que vem marcando a temporada 2017/2018, com os adversários recuperarem as desvantagens, e a equipa a não conseguir “disparar” no marcador, principalmente nos jogos em casa. O Braga empatou o jogo a duas bolas antes do intervalo e no segundo tempo colocou-se em vantagem (2-3), depois de uma má entrada em “cena” da formação alvinegra. O defesa/médio André Pimenta (o melhor dos turquelenses) empatou de novo o jogo, “bisando” no encontro com uma longa distância surpreendente e até final os da casa dominaram, carregaram sobre o adversário, atiraram bolas ao ferro (a incrível soma de sete durante todo o jogo) da baliza do guardião bracarense, Xico Veludo, ele que tirou um livre direto e um penalty a Vasco Luís já perto do fim, sendo que posteriormente Samuel Santos e Tuga também negaram um penalty e um livre direto respetivamente a Ângelo Fernandes e a Bekas, deixando tudo empatado a três bolas.

Primeira metade pouco entusiasmante dentro e fora de rinque, com a equipa alvinegra a entrar de forma pouco segura e confiante, apresentando uma circulação de bola em ataque organizado pouco convicta e as bancadas, apesar de bem compostas, a mostrarem pouco fulgor no apoio à equipa. O Braga apareceu a jogar no erro adversário, mas mostrou bastantes debilidades defensivas e só o guarda-redes Veludo ia chegando para as encomendas. Um pouco contra o marasmo que se verificava no jogo o HCT chegou à vantagem, foi aos nove minutos que André Pimenta recebeu um passe de Pedro Vaz no corredor esquerdo e surpreendeu tudo e todos com uma meia-distância forte e colocada ao primeiro poste, batendo Veludo pela primeira vez. O camisola 24 turquelense estreou-se a marcar esta época em jogos oficiais, ele que era o único jogador de rinque do plantel que ainda não tinha marcado qualquer golo em 2017/2018. Um minuto depois, foi a vez do capitão Vasco Luís aproveitar uma sobra à frente da área dos minhotos, passar por Tomás Castanheira e deitar Veludo para fazer o 2-0. Tudo parecia encaminhado para uma grande noite, com contornos de maior tranquilidade do que em partidas anteriores. No entanto foi pura ilusão, pois a equipa visitada, apesar de ter estabilizado o seu jogo e de ter mantido o Braga longe da sua baliza, acusou alguma intranquilidade pouco explicável e deixou o Braga reduzir a três minutos do intervalo, num lance difícil de digerir, com Daniel Matias a perder a bola para o jovem internacional António Trabulo quando já estava em processo de transição ofensiva e este último a assistir Bekas no interior da área de Tuga, que só teve de encostar para fazer o 2-1. Sem estar decorrido ainda um minuto, o mesmo Bekas ludibriou a marcação de Daniel Matias e a movimentação entre postes de Tuga e colocou a bola no “buraco da agulha”, “bisando” e levando o jogo incrivelmente e imerecidamente igualado (2-2) para o descanso.                      

Após o intervalo esperava-se uma reação forte e decidida por parte dos jogadores da casa, mas a equipa entrou “amorfa” e com pouco sentido prático no segundo tempo, privilegiando a condução de bola ao invés da circulação rápida em ataque e defensivamente mostrou pouco rigor individual. O Braga aproveitou o momento para crescer no jogo e aos nove minutos António Trabulo, um dos melhores jogadores em rinque do lado minhoto, recebeu a bola na esquerda do seu ataque e com um remate de pulso de fora da área venceu a oposição da marcação individual de André Moreira e do posicionamento de Tuga para fazer o impensável e colocar os visitantes em vantagem por 2-3. O “murro no estômago” foi grande e a equipa demorou a reagir, mas Jorge Godinho mostrou-se inconformado e fez saltar do banco Tiago Mateus e Janeka, a equipa perdeu alguma organização, mas ganhou claramente mais raça, poder de choque e sangue novo para poder lutar por todas as bolas. A “dupla cartada” jogada pelo treinador dos da casa revelou-se frutífera e André Pimenta igualou a três bolas sete minutos depois do golo do Braga, com uma longa distância fantástica que levou ao delírio todos os presentes. Foi o “bis” de Pimenta ele que anotou dois golos de belíssimo efeito no jogo, os dois primeiros da sua conta pessoal na temporada. Estavam lançados os últimos nove minutos, que foram de total “assalto” à baliza do Braga. A cerca de seis minutos do fim caiu a 10ª falta de equipa do Braga e Vasco Luís, chamado à conversão do respetivo livre direto, permitiu uma primeira intervenção a Veludo e na recarga atirou uma das sete bolas que os da casa enviaram aos ferros da baliza minhota, em noite de desperdício. Dois minutos depois o mesmo Vasco Luís foi carregado na área bracarense por Márcio Rodrigues quando se preparava para fazer o golo, a cartolina azul foi mostrada ao camisola sete visitante e Vasco Luís avançou para a marca da grande penalidade, mas mais uma vez não conseguiu desfeitear Xico Veludo, ele que parecia estar intransponível. Em Power-Play os turquelenses forçaram a nota, mas o melhor que conseguiram foi mais uma bola no ferro por intermédio do jovem Tiago Mateus e a superioridade numérica esfumou-se rapidamente. Na entrada dos últimos dois minutos, o Braga, sem ter feito muito por isso, poderia ter levado os três pontos para casa, imagine-se. A equipa comandada por Vítor Silva dispôs de duas ocasiões soberanas para o conseguir, primeiro num penalty discutível, cometido por Daniel Matias sobre Gonçalo Meira, que o recém-entrado Samuel Santos conseguiu parar (primeiro remate e a recarga) a Ângelo Fernandes e já nos segundos finais foi Bekas a ser desarmado por Tuga, num livre direto a castigar azul a Vasco Luís por rasteira a Ângelo Fernandes. Prevaleceu o empate a três bolas, num jogo em que claramente e mais uma vez o HCT tinha de ficar com os três pontos.  

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

Dia/Hora: 20 de janeiro de 2018, às 21H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (113 jornada)

Árbitros: Júlio Teixeira (Minho), Paulo Almeida (Aveiro), Orlando Ramos [3º Árbitro] (Leiria) e António Peça [4º Árbitro] (Leiria)

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta (2), [9] Vasco Luís (C) (1), [7] André Moreira, [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva, [4] Daniel Matias, [58] Tiago Mateus e [57] João Silva “Janeka”.

Treinador: Jorge Godinho

H.C. Braga SAD: [1] Francisco “Xico” Veludo (GR), [9] Carlos Loureiro, [6] Ângelo Fernandes (C), [87] Tomás Castanheira, [17] Gonçalo Suíssas, [4] António Trabulo (1), [7] Márcio Rodrigues, [16] Gonçalo Meira e [73] Pedro Delgado “Bekas” (2). Não jogou: [10] Gabriel Costa (GR).

Treinador: Vítor Silva

Faltas de Equipa: 5-13

Disciplina: Cartão Azul a [7] Márcio Rodrigues (HCB) e [9] Vasco Luís (C) (HCT).

Resultado ao intervalo: 2-2

Resultado Final: 3-3

No próximo sábado, dia 27 de janeiro de 2018 pelas 21h, o HCT inicia a segunda volta com novo jogo em casa, recebendo mais uma equipa minhota, o O.C. Barcelos SAD, bi-campeão da Taça CERS. As duas equipas já se defrontaram por duas vezes na presente temporada, a primeira no Torneio Dr. Joaquim Guerra em Turquel na pré-temporada, com os alvinegros a vencerem por 3-2 e o segundo jogo na 1ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão em Barcelos, com os minhotos a vencerem por 2-1. Espera-se, portanto, mais um jogo de equilíbrio e de resultado incerto até ao fim, com muito em bom público nas bancadas do Gimnodesportivo de Turquel. Não falte! 

Fotos: Carmo Honório

Início da segunda volta do Campeonato Nacional da 1ª Divisão e o “filme” a repetir-se de forma inequívoca aquando da receção ao Braga no último jogo da primeira volta. Desta feita o HCT recebeu no seu reduto outra equipa minhota, o OC Barcelos SAD, e voltou a empatar (sexto empate em catorze jogos e a quinta igualdade intramuros). O encontro teve de tudo e apresentou contornos muito idênticos com aquele que foi disputado frente aos bracarenses, pois a equipa turquelense esteve a vencer por 2-0, deixou o adversário virar e apesar de mais à frente no jogo ter passado para a frente, nunca conseguiu gerir as emoções a contento para ficar com a vitória do seu lado, isto a juntar a algumas decisões dúbias da equipa de arbitragem de Aveiro, que acabou por ter dificuldades em segurar um jogo muito quezilento, dentro e fora de rinque, com as duas claques (Brutus 1964 e Kaos Barcelense) também a esgrimirem argumentos pouco válidos nas bancadas e com o resultado final a cifrar-se num empate a cinco bolas, que não agradou a qualquer um dos lados.

 

Primeiros minutos do primeiro tempo fortes de parte a parte, com o HCT a querer limpar a imagem deixada no último jogo em casa frente ao Braga e o Barcelos a demonstrar vontade para conseguir chegar-se à frente no marcador logo desde cedo. O rapidíssimo Rúben Sousa e o astuto Hugo Costa iam dando “água pela barba” aos defesas turquelenses e do outro lado as ações coletivas dos da casa tiveram expressão aos dez minutos, com lance de entendimento entre André Moreira e o capitão Vasco Luís, com o primeiro a assistir o segundo de forma aérea e o melhor marcador do HCT a conseguir ultrapassar a oposição do experiente guardião, Ricardo Silva, com um remate de primeira de belo efeito. Estava feito o 1-0 para gáudio dos muitos adeptos presentes. O ambiente estava infernal, com as claques de ambos os conjuntos a entoarem cada uma delas os cânticos de apoio às respetivas equipas e com sete minutos para jogar no primeiro tempo Pedro Vaz “bombeou” uma bola para a área do Barcelos no limite dos 45 segundos do tempo de ataque e Daniel Matias surgiu oportuno para desviar e fazer o 2-0. O tento estava consumado, mas António Santos, um dos árbitros da partida acabou por se equivocar e atribuiu o golo a Luís Silva, que se encontrava por perto. Com o 2-0 no marcador tudo parecia encaminhar-se para o HCT chegar na frente no descanso. No entanto, tal como frente ao Braga no fim-de-semana anterior, a equipa alvinegra perdeu a vantagem que tinha e em menos de dois minutos deixou que o Barcelos conseguisse a igualdade. Primeiro num livre à entrada da área em que Marinho assistiu Rúben Sousa, sendo que o camisola 66 minhoto “furou” a barreira e deu “vida” (2-1) aos de Barcelos. Um minuto depois, o mesmo Rúben Sousa bombeou uma bola para o interior da área visitada e o oportunismo de Hugo Costa fez o resto, desviando subtilmente a bola de Tuga e fazendo o 2-2 com que se chegou ao descanso.

No segundo tempo os de Barcelos entraram com mais vontade que o seu adversário e os alvinegros, tal como com o Braga, no início da segunda metade, mostraram alguma apatia. Aos quatro minutos caiu a 10ª falta de equipa dos de Turquel e José Pedro, chamado à conversão do devido livre direto permitiu o desarme de Tuga. No entanto, uns segundos depois, num lance precedido de falta sobre Daniel Matias (Hugo Costa levantou-lhe ostensivamente o stique quando este se preparava para rematar), Hugo Costa combinou com Marinho e este último, perante a oposição de Luís Silva, assistiu de forma primorosa o primeiro que encostou de primeira, fazendo o seu “bis” no encontro e o momentâneo 2-3. Foi um “balde de água fria” para jogadores e adeptos da casa, que viam o “filme” do jogo com o Braga reeditar-se. No entanto a equipa reagiu de forma positiva e no imediato, sendo que um minuto depois do terceiro golo barcelense, Vasco Luís recebeu uma bola de Daniel Matias na direita do ataque, passou a oposição de José Pedro, e isolado perante Ricardo Silva permitiu uma excelente intervenção ao guardião minhoto, mas pegou o ressalto e assistiu André Pimenta de forma simples, com o camisola 24 a atirar de primeira para restabelecer a igualdade (3-3) e anotar o seu terceiro golo em apenas dois jogos. Este foi um lance muito contestado pelo Barcelos, principalmente por Rúben Sousa, que num momento anterior caiu desamparado no meio rinque, tendo pedido falta, mas as imagens documentam que este caiu completamente sozinho, sem ação de qualquer jogador do HCT, pelo que o seu protesto não teve razão de ser, nem qualquer tipo de fundamento. A partir daqui o cariz do encontro alterou-se, os turquelenses passaram a estar por cima e foram em busca dos três pontos de forma decidida. Com treze minutos para jogar Joca Guimarães prensou Luís Silva na tabela e viu a consequente cartolina azul, sendo que o mesmo Luís Silva assumiu a responsabilidade de converter o livre direto e não falhou, colocando o HCT novamente em vantagem (4-3). O jogo estava em toada de parada e resposta, mas o Barcelos estava tapado com faltas de equipa e quando caiu a 10ª, Luís Silva teve oportunidade para recolocar os turquelenses com nova vantagem de dois golos, tal como no início da primeira metade, no entanto o atleta natural de Valado dos Frades atirou um autêntico “míssil” que só foi travado pela trave da baliza de Ricardo Silva, num momento de infortúnio para os da casa. Dois minutos depois, num lance completamente “cavado” por Afonso Lima no confronto sem bola com Pedro Vaz no interior da área visitada, o árbitro Manuel Oliveira descortinou uma infração do camisola 53 alvinegro e levou Rúben Sousa para a marca de penalty, para o frente a frente com o recém-entrado Samuel Santos. O guardião natural de Turquel tentou tudo, mas não conseguiu parar o “bis” de Rubinho e o consequente 4-4. O técnico Jorge Godinho pediu então o seu timeout e a equipa retificou posições e melhorou a saída em transição ofensiva, sendo que numa dessas saídas Vasco Luís foi rasteirado de forma negligente por João Almeida, tendo o camisola 6 minhoto visto a cartolina azul. Na conversão do respetivo livre direto Vasco Luís “fuzilou” Ricardo Silva, “bisou” também ele no encontro e fez o 5-4, resultado que dava nova vantagem à equipa da casa. Os “brutos dos queixos” tinham agora de gerir as emoções, defender de forma aguerrida, mas em simultâneo conter ímpetos pois estavam tapados com faltas de equipa. Contudo, a equipa teve dificuldades em gerir emoções e fez faltas desnecessárias, algumas delas logo após a perca de bola em posição ofensiva e a 15ª falta de equipa caiu a seis minutos do fim. Chamado à conversão do devido livre direto Marinho, tal como José Pedro no início desta etapa complementar, não conseguiu também ele ultrapassar a oposição de Tuga. Tudo parecia encaminhado e a equipa turquelense aparentava segurança, mas novo penalty, desta feita conquistado por Hugo Costa, após ligeiro toque de Vasco Luís, levou de novo Rúben Sousa para a marca de penalidade e, desta feita frente a Tuga, Rubinho voltou a não desperdiçar, anotando o seu “hat trick”, igualando o jogo a cinco bolas e cotando-se como o homem do jogo. Até final ambas as equipas tentaram tudo para levarem os três pontos para o seu lado, mas não conseguiram, sendo que as melhores oportunidades pertenceram aos da casa, com três ocasiões soberanas para fazerem o 6-5. Primeiro foi André Pimenta a desenvencilhar-se de dois jogadores e a surgir no “cara a cara” com Ricardo Silva, mas a não arriscar o remate e a preferir assistir Vasco Luís que, ao segundo poste, não acertou na bola. Em seguida foi o mesmo Vasco Luís que surgiu isolado após excelente combinação com Pedro Vaz num 2x1, mas não conseguiu passar pelo experiente Ricardo Silva, este último que assumiu protagonismo nos minutos finais. Por fim o mesmo Vasco Luís, em jogada de laboratório nas costas da baliza, teve o golo escancarado, mas precipitou-se na finalização e permitiu nova dupla intervenção ao guardião minhoto. O resultado final cifrou-se mesmo na igualdade a cinco bolas, sendo que no final existiram algumas “escaramuças” entre atletas dos dois conjuntos, que foram rapidamente sanadas por colegas, responsáveis e força policial, tendo tudo acabado em bem.

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

Dia/Hora: 27 de janeiro de 2018, às 21H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (14ª jornada)

Árbitros: António Santos (Aveiro), Manuel Oliveira (Aveiro), António Peça [3º Árbitro] (Leiria), Vítor Roxo [4º Árbitro] (Leiria)

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [24] André Pimenta (1), [53] Pedro Vaz, [9] Vasco Luís (C) (2), [7] André Moreira, [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva (2) e [4] Daniel Matias. Não jogaram: [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus.

Treinador: Jorge Godinho

O.C. Barcelos SAD: [01] Ricardo Silva (GR) (C), [4] José Pedro Pereira, [66] Rúben Sousa “Rubinho” (3), [6] João Almeida, [9] Hugo Costa (2), [77] Mário Rodrigues “Marinho”, [64] Afonso Lima e [7] João “Joca” Guimarães. Não jogaram: [29] André Almeida (GR) e [8] Pedro Silva.

Treinador: Paulo Pereira

Faltas de Equipa: 18-12

Disciplina: Cartão Azul a [7] João “Joca” Guimarães (OCB) e [6] João Almeida (OCB).

Resultado ao intervalo: 2-2

Resultado Final: 5-5

No próximo sábado, 3 de fevereiro de 2018 pelas 21 horas, o HCT desloca-se até ao mítico “Casablanca”, pavilhão do C.D. Paço de Arcos, equipa que tem sido uma das desilusões da prova, tendo em conta a qualidade dos jogadores que o seu plantel apresenta e que somou apenas oito pontos em catorze jogos já disputados. Na primeira volta em Turquel a vitória sorriu aos pupilos de Jorge Godinho por esclarecedores 8-3. Os comandados de Luís Duarte serão certamente um adversário bem difícil de ultrapassar e só um HCT muito sólido defensivamente poderá transpor mais este obstáculo. Será com toda a certeza um encontro emotivo e interessante, com muito público nas bancadas, sendo que a deslocação dos turquelenses para apoiarem a sua equipa será fundamental para a equipa atingir o sucesso. Todos a Paço de Arcos!

Fotos: Carmo Honório

Depois da passagem aos quartos-de-final da Taça CERS em França e com pouco tempo para respirar, o HCT viajou esta quarta-feira até Valongo para defrontar a agremiação local na 11ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão e saiu derrotado por claros 5-1. O resultado é algo exagerado, tendo em conta aquilo que a equipa produziu, principalmente nos primeiros vinte e cinco minutos. Nessa fase os turquelenses foram surpreendentemente mais perigosos que os visitados e tiveram oportunidades claras para se chegarem à frente no marcador, mas foram sempre inconsequentes no momento de atirarem à baliza de Leonardo Pais, tendo sido duramente castigados pela inoperância no final da primeira parte e no início da segunda, com quatro golos do Valongo sem resposta. A reação teve o condão de trazer o melhor Turquel do jogo, mas o “combustível” terminou cedo, tendo apenas dado para reduzir para 4-1, por intermédio do capitão Vasco Luís, ele que acabou por ser o atleta turquelense que mais remou contra a maré. O Valongo viria a fechar as contas já dentro dos cinco minutos finais, fixando o marcador em 5-1, mas este desaire alvinegro não tirará com toda a certeza a moral a uma equipa que vem em crescendo e que terá um ciclo de três jogos muito importantes nas próximas duas semanas (Braga e Barcelos em casa e Paço de Arcos fora).

Primeiro tempo com entrada algo apática por parte da equipa da casa, que estranhamente apareceu com pouca dinâmica em ataque organizado e viu o HCT mostrar força no ataque à baliza de Leonardo Pais, o guardião visitado que se cotou como um dos melhores homens em rinque nesta fase. Até bem perto do final da primeira etapa André Moreira esteve três vezes no frente a frente com o guarda-redes do Valongo, tendo permitido duas boas intervenções ao camisola dez valonguense e numa outra atirou ao lado com a baliza escancarada. Realce ainda para um “tiro” cruzado da direita do ataque desferido por Luís Silva que embateu no poste. Com pouco mais de seis minutos para jogar na primeira metade o irrequieto Luís Melo fugiu a Daniel Matias por trás da baliza, tentou uma picadinha perante Tuga e na recarga conseguiu mesmo inaugurar o marcador, para gáudio do muito público presente nas bancadas do Municipal de Valongo, onde se incluíam os quatro fervorosos adeptos turquelenses, que não pararam de apoiar a sua equipa, do princípio ao fim do jogo. O técnico Jorge Godinho pediu de imediato o seu desconto de tempo, acertou agulhas e na jogada de saída André Pimenta atirou à trave da baliza de Leonardo Pais, com a bola ainda a desviar no stique de Poka. Um minuto depois Ruben Pereira surgiu solto na cabeça da área de Tuga, stickou para defesa do guardião turquelense, mas a bola caprichosamente sobrou para Guilherme Silva que só teve de encostar para a baliza deserta, fazendo o 2-0 e levando o jogo para o descanso.  

No início do segundo tempo o Valongo retificou a má entrada da primeira metade, invertendo mesmo o processo, sendo que aos quatro minutos já vencia por 4-0. O 3-0 surge num lance precedido de falta sobre Vasco Luís (Orlando Panza, um dos árbitros da partida, fez vista grossa ao lance) que Poka e Xavi Cardoso aproveitaram para transformar em golo, com o primeiro a assistir de forma primorosa o segundo, num excelente contra-ataque de 2x1. O 4-0, que veio logo de seguida, teve o mesmo assistente, Poka, mas um finalizador diferente, o pequenino Luís Melo que fugiu à marcação de Luís Silva e desviou de forma convicta para o seu “bis“. As hipóteses dos alvinegros levarem pontos de Valongo tornaram-se remotas, mas ainda assim a equipa reagiu de forma positiva e teve um dos seus melhores momentos no jogo. Dois minutos depois do quarto golo dos da casa o capitão alvinegro, Vasco Luís, reduziu para 4-1 na transformação do livre direto da 10ª falta de equipa do Valongo e com quinze minutos para jogar Diogo Fernandes viu a cartolina azul por enganchamento a André Moreira. Na tentativa de transformação do respetivo livre direto Vasco Luís desta feita atirou ao lado e a oportunidade de aproximação no marcador esfumou-se, sendo que com um elemento a mais em rinque os turquelenses não lograram marcar, apesar de terem tido três oportunidades claras para tal, duas por André Moreira e uma por Vasco Luís, mas Leonardo Pais respondeu sempre de forma assertiva na defesa das suas redes. Na entrada dos últimos oito minutos os jogadores do HCT intensificaram a sua pressão, mas quebraram fisicamente e o Valongo jogou como bem gosta, alargando as suas linhas e circulando a bola para poder gerir de forma inteligente os acontecimentos. Nesta fase Poka teve duas hipóteses soberanas para alargar a vantagem visitada em dois livres diretos quase consecutivos, mas o recém-entrado Samuel Santos na baliza turquelense mostrou argumentos e parou as tentativas do camisola dezoito dos da casa, apesar de não ter conseguido parar o remate seco e de primeira de Diogo Fernandes poucos minutos depois, com nova assistência de Poka, naquele que foi o golo que fechou as contas num “pesado” 5-1.   

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Municipal de Valongo

Dia/Hora: 17 de janeiro de 2018, às 21H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (12ª jornada)

Árbitros: Paulo Santos (Porto), Orlando Panza (Porto), Sílvia Coelho [3º Árbitro] (Porto) e Bruno Antão [4º Árbitro] (Porto)

A.D. Valongo: [10] Leonardo Pais (GR), [39] Xavier “Xavi” Cardoso, [18] Daniel Oliveira “Poka”, [49] Pedro Mendes, [7] Diogo Fernandes (1), [57] Rúben Pereira, [9] Guilherme Silva (1) e [20] Luís Melo (3). Não jogaram: [12] Bernardo Mendes (GR) e [8] João Pedro.

Treinador: Miguel Viterbo

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C) (1), [7] André Moreira, [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva, [4] Daniel Matias, [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus.

Treinador: Jorge Godinho

Faltas de Equipa: 12-10

Disciplina: Cartão azul a [7] Diogo Fernandes (ADV).

Resultado ao intervalo: 2-0

Resultado Final: 5-1

No próximo sábado, 20 de janeiro de 2018 pelas 21 horas, jogo importante para as aspirações turquelenses, que recebem o H.C. Braga SAD no Gimnodesportivo de Turquel. A equipa orientada pelo experiente técnico Vítor Silva está no primeiro lugar abaixo da linha de água, com sete pontos averbados, menos três que o HCT, e uma vitória alvinegra será fundamental para poder criar um fosso de seis pontos para a linha de água. Mais um encontro a não perder, não falte pois o seu apoio é fundamental.

 

Fotos de Arquivo: Carmo Honório

Publicidade

Formação

facebook

 
 

.

Localização

Contactos

Telefone: 262919 244

email: secretaria@hct.pt

web: www.hct.pt